Personal Trainer José Afonso
Personal Trainer José Afonso
26 Out, 2020 - 10:15

Como ter mais energia para trabalhar através do treino

Personal Trainer José Afonso

Saiba como ter mais energia para trabalhar através do treino e de como pode o seu organismo beneficiar com isso.

Como ter mais energia para trabalhar

A atividade física, se feita de forma consistente, pode ser responsável pelas mudanças de humor, melhoria da concentração, bem-estar e outras alterações positivas. Para quem também sente muito stress no seu dia a dia, também poderá sentir efeitos positivos ao incutir uma rotina de exercício físico na sua vida.

Como ter mais energia para trabalhar através do treino? Quando começamos a treinar podemos sofrer inúmeras adaptações ou alterações no nosso corpo derivadas do exercício físico. Uma dessas alterações pode ser a libertação de hormonas, o que pode impactar diretamente não só a nossa saúde física, mas também psicológica.

Como ter mais energia para trabalhar: Principais Hormonas libertadas pelo exercício físico

Grupo a treinar no ginásio

As hormonas são substâncias químicas produzidas no nosso sistema endócrino, e o bom funcionamento do nosso organismo vai depender muito da regulação destas hormonas. Com o exercício físico, o corpo irá desencadear algumas respostas hormonais de modo a permitir a realização de uma determinada atividade.

Além de ajudar a fortalecer o corpo, perder gordura ou aumentar a capacidade cardiorrespiratória, o exercício físico também poderá ajudar em casos de depressão ou ansiedade melhorando a auto-estima e a auto-confiança.

Durante o dia, existe a libertação e inibição de várias hormonas. Mas antes disso, é importante compreender certos fatores como o anabolismo, catabolismo e metabolismo.

  1. Anabolismo: é um processo onde existe a produção de novas substâncias essenciais na manutenção e crescimento do nosso organismo.
  2. Catabolismo: é um processo que quebra as moléculas sintetizadas pelo anabolismo, não podendo estas, desta forma, serem utilizadas pelo corpo.
  3. Metabolismo: o metabolismo é um conjunto de reações químicas ocorridas no nosso organismo com capacidade para provocar uma mudança. 

Durante o exercício físico, as necessidades do corpo alteram-se e é necessária uma adaptação para dar resposta aos estímulos gerados. Desta forma, as hormonas são libertadas pelas glândulas responsáveis dando a tal sensação de prazer que sentimos após o treino.

1

Dopamina

A dopamina é a hormona responsável pela sensação de prazer e é devido a esta hormona que muita gente se sente bem a fazer exercício físico. Apenas com alguns minutos de um treino moderado a intenso, pode começar a sentir os efeitos desta hormona como correr ou andar de bicicleta. A dopamina ainda ajuda a melhorar os níveis de aprendizagem.

2

Serotonina

A serotonina ajuda a regular o humor, a temperatura corporal, o sono e entre outros. Ainda ajuda a dar uma sensação de bem-estar e é por isso que por vezes pode-se sentir confortável a efetuar exercícios intensos.

Os níveis altos de serotonina vão fazer com que se sinta melhor consigo mesmo devido ao facto de aumentar a sua auto-estima e de se sentir mais positivo/a no seu dia a dia.

3

Endorfina

A endorfina é uma hormona que, quando produzida nos níveis ideais, dará a sensação de relaxamento e felicidade. Muitas das sensações de dever cumprido sentidas após o final do treino advêm desta hormona, que se identifica com a sensação de recompensa.

Por vezes, durante o nosso treino podemos sentir algumas mudanças de energia devido a esta hormona. O sentimento de euforismo e de força de vontade durante uma rotina de treino pode ajudar a completá-lo. A endorfina pode ainda melhorar a resposta imunológica melhorando a disposição física e mental de cada pessoa.

Outros do efeitos desta hormona passam por aliviar a dor, controlar os níveis de ansiedade e também diminuir o stress. Se sente que teve um dia menos positivo, a solução pode passar por praticar atividade física para se sentir não só fisicamente mas também psicologicamente melhor.

4

Cortisol

Conhecido como a hormona do stress (quando produzido em excesso), o cortisol ajuda a reduzir inflamações e ainda é importante para o nosso sistema imunitário. Os seus níveis vão depender de pessoa para pessoa havendo uma maior prevalência de acúmulo em pessoas sedentárias do que mais ativas.

A falta de descanso, a pressão sentida diariamente, e a falta e tempo podem aumentar a libertação desta hormona provocando stress – é o chamado cortisol tóxico. Por vezes, tirar 30 minutos para efetuar um treino ajudará na sua gestão emocional e melhorará a sua capacidade de ultrapassar as tarefas diárias.

Tipos de treino

Mulher a treinar com Personal Trainer

O tipo de treino para cada pessoa vai sempre adequar-se ao seu objetivo e ao seu gosto. Para quem gosta de treino de força, os exercícios com pesos serão os mais recomendados e para quem gosta de treinos intervalados, então deve-se focar nos tempos de execução e de pausa.

Os maiores benefícios através da regulação hormonal só virão com o tempo, por isso o mais importante é fazer atividade física de forma consistente, porque de muito pouco servirá se só treinar durante uma semana e descansar um mês.

Cada pessoa reage de forma diferente ao treino por isso é muito importante para si descobrir o que mais gosta e se se sente com alterações positivas através dos seus treinos.

Fatores a ter em conta para ter mais energia para trabalhar

De muito pouco lhe servirão os treinos se os seus hábitos de vida não forem saudáveis, e com isto fala-se da sua alimentação, do seu descanso e se está a beber água suficiente ou não.

Alimentação

Mulher a comer fruta e cereais

Não se esqueça que o pequeno-almoço é das refeições mais importantes do dia e se não tiver energia ao longo do dia provavelmente sentir-se-á muito cansado para treinar. Os hidratos de carbono são uma boa fonte de energia para quem faz exercício físico ajudando a aumentar as reservas de glicogénio, fornecendo energia durante o treino.

Hidratação

Mulher a beber água

A ingestão de água diariamente não só ajudará a regular o seu organismo como irá prevenir que se sinta desidratado no treino. Beber água antes e durante o treino ajudará a não diminuir a sua performance, bem como a manter o equilíbrio durante o resto do dia.

Descanso

Como dormir bem durante a quarentena: mulher a dormir

É ao descansar que o seu corpo recupera do esforço realizado e para quem efetua treinos com resistência esta componente é muito importante. Durante o exercício físico estará a criar roturas musculares que só são totalmente regeneradas quando estiver a descansar. Por isso é primordial garantir 7-9 horas de sono por dia na sua rotina semanal, de forma a manter o seu corpo renovado para o próximo dia.

Fontes

  1. Terjung, R. Endocrine response to exercise. Exerc Sport Sci Ver 7:153-180, 1979.
  2. Kraemer, WJ, Fleck, SJ, Dziados, JE, Harman, EA, Marchitelli, LJ, Gordon, SE, Mello, R, Frykman, PN, Koziris, LP, and Triplett, NT. Changes in hormonal concentrations after different heavy-resistance exercise protocols in women. J Appl Physiol 75:594-604, 1993.
  3. Kraemer, WJ, Fleck, SJ, and Evans, WJ. Strength and power training: Physiological mechanisms of adaptation. In Exercise and Sport Sciences Reviews, vol. 24. Holloszy, JO, ed. Baltimore: Williams & Wilkins, 363-397, 1996.
  4. Hakkinen, K. Neuromuscular and hormonal adaptations during strength and power training. A review. J Sports Med Phys Fitness 29:9-26, 1989.
  5. Hakkinen, K, Pakarinen, A, Alen, M, Kauhanen, H, and Komi, PV. Relationships between training volume, physical performance capacity, and serum hormone concentrations during prolonged training in elite weight lifters. Int J Sports Med 8 Suppl 1:61-65, 1987.
  6. Galbo, H. Hormonal and Metabolic Adaptation to Exercise. Stuttgart: Georg Thieme Verlag, 1983.
  7. Fragala, MS, Kraemer, WJ, Denegar, CR, Maresh, CM, Mastro, AM, and Volek, JS. Neuroendocrine-immune interactions and responses to exercise. Sports Med 41:621-639, 2011.
  8. Cumming, DC, Wall, SR, Galbraith, MA, and Belcastro, AN. Reproductive hormone responses to resistance exercise. Med Sci Sports Exerc 19:234-238, 1987.
Veja também