Professor Pedro Morouço
Professor Pedro Morouço
05 Ago, 2020 - 09:30

Cardio ou musculação: qual dos dois treinos é mais vantajoso para perda de peso?

Professor Pedro Morouço

Entre cardio ou musculação, qual será o método de treino mais vantajoso para perder peso? O Professor Doutor Pedro Morouço responde.

Cardio ou musculação: mulher a sua após treino no ginásio

Uma das grandes questões associadas à perda de peso é: qual o melhor treino para o conseguir perder? Cardio ou musculação? Existe uma cada vez maior preocupação na obtenção do peso que se considera ideal. Para isso, para além de uma alimentação cuidada, praticar exercício físico sistemático e devidamente prescrito é fundamental.

De entre os inúmeros tipos de treino que existem, hoje decidimos trazer-lhe uma comparação entre dois métodos de treino bastante utilizados.

Cardio ou musculação: qual o melhor treino para a perda de peso?

Comecemos por esclarecer que perder peso e perder massa gorda não são, necessariamente o mesmo.

Ou seja, imaginemos um indivíduo com 80 kg que após 6 meses tem 75 kg. Dependendo da estratégia utilizada para esta perda de peso, este sujeito poderá, de facto, ter perdido 5 kg de massa gorda, ou, por exemplo, 5 kg de massa muscular.

Por outro lado, é possível um indivíduo de 80 kg continuar a pesar 80 kg após 6 meses, e ter perdido 5 kg de massa gorda. Como? Por exemplo, ganhando 5 kg de massa muscular. Queremos com isto ilustrar que perder peso não é, necessariamente, o melhor resultado que se pode obter.

perder apenas massa gorda em vez de massa muscular
Veja também 4 estratégias para perder apenas massa gorda e preservar a massa muscular

Qual o método mais vantajoso?

À primeira vista, a resposta é óbvia. Aquele que se comprometer a fazer. Ou seja, no dia em que alguém afirmar que o melhor treino para perder peso é nadar, isso só será verdade para as pessoas que sabem e gostam de nadar. Quem não gostar, desistirá antes de conseguir a pretendida perda de peso.

1.

O treino cardio

Casal a fazer a sua corrida matinal no parque

O treino cardio, abreviando de treino cardiovascular, é um método de treino que visa, fundamentalmente, melhorias ao nível do sistema cardíaco e respiratório (1).

É o nome comum para as caminhadas, corridas, ciclismo ou natação. Uma das práticas comuns consiste em descobrir a que velocidade ocorre o limiar anaeróbio e realizar a atividade a essa velocidade com longa duração. Por exemplo, correr com um parceiro a uma velocidade em que consegue manter uma conversa, sem se tornar ofegante.

O nosso organismo, quando pratica exercício, tem 3 sistemas principais para obter a energia que necessita. Embora trabalhem de forma organizada, e até interligada, o objetivo do treino cardio é utilizar, fundamentalmente, o sistema aeróbio. Como o próprio nome indica, este sistema conta com a presença do oxigénio nas reações necessárias para obtenção da energia. Assim, entende-se as melhorias obtidas ao nível do sistema cardíaco e respiratório que lhe estão associadas (2).

2.

A musculação

Mulher a levantar pesos no ginásio

A musculação, também conhecida como treino de força, pretende, essencialmente, obter ganhos a nível muscular. É o nome comum para a prática de treino de força em ginásio, com recurso a cargas externas promovidas pela força da gravidade, recorrendo ao peso corporal, pesos livres ou máquinas.

A sua popularidade é notória pelos inúmeros benefícios que acarreta ao nível desportivo, estético e de saúde (3).

Uma das características do músculo humano é a sua grande capacidade de adaptação. É um tipo de tecido com elevado grau de resposta aos estímulos a que está sujeito, podendo aumentar a sua funcionalidade e/ou o seu tamanho.

Dependendo dos objetivos, o treino poderá consistir em poucas repetições com cargas elevadas, ou mais repetições trabalhando com cargas mais baixas. O bom profissional sabe ainda como trabalhar com a velocidade de execução e descanso entre séries, para potenciar os melhores resultados.

Transpirar não é sinónimo de perder gordura

Mulher a fazer musculação

Durante anos se assumiu que quanto mais transpirasse, mas peso perdia. Para as longas corridas, as pessoas vestiam imensas roupas, chegando mesmo a colocar película aderente na zona da cintura. Acreditava-se que, como que por magia, a célula de gordura subcutânea alojada no pneu iria “derreter” e sair através dos poros pela transpiração.

Acredite, não é nos dias que mais transpira que mais peso perde. De qualquer forma, este raciocínio fez com que durante anos vigorasse a ideia de que este tipo de treino era melhor para perder peso (1). Hoje sabe-se que não é bem assim.

Treino cardio vs treino de força

A corrida consiste em aplicar força contra o chão em cada passada. A natação obriga a aplicar força em cada braçada. Não é o treino cardio também treino de força? Ou melhor, não são todos os tipos de treino, treino de força, que é a base para que ocorra movimento. São sim. O que varia é o estímulo, intensidade e duração.

Quando se fala em musculação, é porque se pretende trabalhar essas variáveis para focar no desenvolvimento muscular. E, estudos recentes, têm demonstrado que os benefícios para perda de peso são superiores do que recorrendo, meramente, ao treino cardio (3).

Optando pela musculação os primeiros ganhos serão a nível neural, podendo mesmo levar a um aumento de peso. Será com o tempo e progressão adequada que a perda acontecerá, com a diminuição da massa gorda.

Conclusão

O treino mais vantajoso para perder peso, será aquele que se comprometer a realizar. Aquele onde consegue encontrar satisfação e motivação para que perdure até que os benefícios ocorram.

O ideal será sempre contar com o apoio de um profissional do exercício físico que conseguirá encontrar o tipo de treino mais adequado para os seus objetivos. São esses objetivos, de acordo com os limites do seu corpo, que poderão garantir o gasto calórico mais adequado para as suas necessidades individuais.

Fontes

  1. Thorogood, A., Mottillo, S., Shimony, A., Filion, K. B., Joseph, L., Genest, J., & Eisenberg, M. J. (2011). Isolated aerobic exercise and weight loss: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. The American Journal of Medicine, 124(8), 747-755.
  2. Swift, D. L., Johannsen, N. M., Lavie, C. J., Earnest, C. P., & Church, T. S. (2014). The role of exercise and physical activity in weight loss and maintenance. Progress in Cardiovascular Diseases56(4), 441-447.
  3. Westcott, W. L. (2012). Resistance training is medicine: effects of strength training on health. Current Sports Medicine Reports11(4), 209-216.
Veja também