Beatriz Santos
Beatriz Santos
17 Ago, 2020 - 11:15

Quinto mês de gravidez: alterações físicas e hormonais, exames, alimentação e treino

Beatriz Santos

O quinto mês de gravidez é um mês muito esperado por todos os pais. Isto porque é nesta altura que se tema certeza do sexo do bebé na ecografia morfológica.

Mulher no quinto mês de gravidez a preparar roupinhas do bebé

quinto mês de gravidez é muito esperado por todos os pais pois, na ecografia morfológica, o médico dirá o sexo do bebé sem margem para dúvidas. Neste mês está praticamente a meio da gravidez, uma vez que abrange da 17ª à 21ª semana de gestação.

Outro marco deste mês para a mãe é, caso ainda não tenha ocorrido, sentir pela primeira vez o seu bebé a mexer, inicialmente de uma forma muito ténue, mas que, como o bebé vai ganhando mais força e vitalidade, a mãe sentirá melhor esta sensação mágica e inesquecível.

EXAMES A FAZER NO QUINTO MÊS DE GRAVIDEZ

Mulher a fazer ecografia

O grande exame deste mês, aquele pelo qual os pais esperam durante 5 meses, é a ecografia morfológica, realizada entre a 20ª e a 22ª semana de gravidez, que permite ao médico avaliar o seu bebé e a sua evolução.

Esta ecografia é um exame não invasivo, não doloroso, com uma duração de aproximadamente 30 minutos.

As informações que pode obter com este exame são:

  • Descobrir o sexo do bebé, sem margem para dúvidas
  • Ver com detalhe os órgãos internos do feto
  • Avaliar o batimento cardíaco
  • Visualizar o rosto do feto, a 3D ou a 4D, de uma forma bastante nítida, sendo possível detetar a existência de lábio leporino ou fenda labial
  • Detetar problemas como:
    • Descolamento da placenta
    • Má formação do feto
    • Maturidade da placenta
  • Medição minuciosa das veias e artérias do cérebro e do coração do bebé
  • Verificação de todos os ossos do bebé, principalmente do osso do nariz, coluna, região cervical e fémur
  • Estimativa do peso e tamanho do bebé, bem como acerto da data provável do parto
  • Imagens inesquecíveis do bebé

Para além da ecografia morfológica, deverão ser realizados os seguintes exames pré-natais:

  1. Hemograma completo: durante todos os três trimestres da gravidez deve ser feito, periodicamente, um hemograma completo para verificar se há anemia, infeção, ou alterações nas plaquetas.
  2. Exame à urina: além de ser realizado no início da gravidez, o médico poderá solicitá-lo em outras fases da gestação. No entanto, fique atenta a qualquer ardor ao urinar ou outras mudanças no seu aparelho urinário.
  3. Ecocardiografia fetal: a sua finalidade é verificar a saúde do coração do bebé, bem como a intensidade do fluxo de sangue da placenta para o bebé e para o seu coração. Este exame é solicitado, sobretudo, quando há casos de doenças cardíacas na família da grávida ou se a gestação ocorre depois dos 40 anos de idade.

ALTERAÇÕES HORMONAIS E FÍSICAS NO QUINTO MÊS DE GRAvidez

1.

Mudanças hormonais

Como foi referido nos meses anteriores, estes nove meses de gestação são repletos de uma intensa atividade hormonal, que ajudam na manutenção e desenvolvimento da gestação, sendo praticamente responsáveis por todas as mudanças que ocorrem no corpo da mãe.

Os cinco meses são uma fase marcada por uma grande instabilidade emocional materna, apresentando mudanças de humor repentinas que alternam entre um estado de felicidade e períodos de irritação.

O aumento da ação da glândula tiróide provoca um aumento da temperatura corporal, provocando calor e sudorese (suor) em maior quantidade que o habitual. O aumento desta temperatura corporal leva a uma dilatação dos vasos sanguíneos e, consequentemente, a um aumento do volume de sangue.

Nesta fase, uma das principais alterações metabólicas deve-se ao aumento da produção das hormonas placentárias, que têm uma ação sobre a insulina, contrariando-a. Assim, qualquer grávida apresenta um risco aumentado de desenvolver diabetes gestacional, pois a insulina que a mãe produz não consegue atuar adequadamente, provocando um aumento do nível de açúcar no sangue materno.

A melhor forma de prevenir esta situação é manter uma dieta equilibrada, realizar exercício físico leve e regular e seguir as recomendações do médico, bem como fazer todos os exames prescritos.

2.

Mudanças físicas

Com o avançar da gravidez os desconfortos da gravidez começam a estabilizar. No entanto, os sinais da existência de um bebé começam a aumentar.

Neste mês as principais alterações físicas que podem ocorrer no corpo da mulher são:

  • Crescimento do tamanho da barriga
  • Aumento do nível de dióxido de carbono no sangue materno, que poderá levar a períodos de visão turva
  • Aumento do volume de sangue materno, que poderá causar pequenas hemorragias no nariz e gengivas, sensação de pernas pesadas, varizes, hemorroidas e parestesias (sensação de dormência), principalmente nos membros inferiores
  • Dificuldades de concentração e falta de memória característica da gravidez, que se agrava no período pós-parto
  • Movimentos do bebé, que de dia-para-dia se tornam mais vigorosos e fortes, ficando mais fácil para a mãe senti-los
  • Aumento do peso da barriga, que leva ao aumento da pressão das estruturas abdominais, principalmente na bexiga, o que pode levar a um aumento da frequência de vontade de urinar
  • Azia (sensação de queimadura na região do toráx superior)
  • Exteriorização do umbigo, devido ao crescimento da barriga e estiramento da pele (após o nascimento do bebé o umbigo voltará à sua posição normal)
  • Dificuldades em evacuar, causando obstipação
  • Cãibras
  • Flatulência (gases intestinais)

EVOLUÇÃO DO BEBÉ NO QUINTO MÊS DE GRAVIDEZ

Ecografia de bebé ao quinto mês de gravidez

O bebé continua a desenvolver-se de uma forma incrível durante este mês e todas os dias são considerados mágicos à custa de tudo o que ele já consegue fazer. Neste mês os principais marcos no seu desenvolvimento são:

  • O início do processo de ossificação, que só termina na adolescência;
  • Intervalos de sono regulares, que na maioria dos casos não são compatíveis com os da mãe;
  • Um constante movimento e, como ainda se sente livre por ter espaço na barriga da mãe, é muito comum estar a dar cambalhotas e mudar de posição várias vezes ao dia;
  • Começar a urinar;
  • Inicia-se a formação do mecónio, que consiste nas primeiras fezes pós-parto do bebé, que apresentam uma consistência bem escura e espessa, e é formado pela acumulação de secreções intestinais e líquido amniótico;
  • Os ossos do ouvido estão praticamente desenvolvidos, permitindo ao feto ouvir não só os ruídos do corpo materno (como os batimentos cardíacos), mas também os ruídos externos. A voz masculina é mais facilmente reconhecida pelo bebé devido a atravessar mais facilmente o útero e o líquido amniótico;
  • O pâncreas começa a produzir a insulina;
  • As sobrancelhas e os cílios começam a aparecer;
  • As pálpebras estão totalmente formadas e cobrem os olhos, mas, apesar do feto ainda não os consegue abrir e fechar, já são sensíveis à luz;
  • O paladar, a visão, o olfato e o tato ficam em funcionamento;
  • Inicia-se a produção dos glóbulos vermelhos no sangue;
  • Começa a produção de uma camada protetora da pele, que não é mais do que uma pelicula de gordura, designada de vérnix caseosa. Essa pelicula mantém-se até ao nascimento.

Aos 5 meses o bebé mede 30 cm e pesa aproximadamente 700 g, o equivalente a uma toranja.

DICAS E CUIDADOS NO QUINTO MÊS DE GRAVIDEZ

1.

Prevenir crises de azia

Mulher grávida a comer fruta

Tente evitar a ingestão de alimentos gordurosos ou ácidos. A ingestão de alimentos frios ou gelados aliviam a sensação de queimadura.

2.

Prevenir o aparecimento de hemorroidas

As hemorroidas são desconfortáveis quando estão aumentadas, pelo que procure ingerir grandes quantidades de água, alimentar-se corretamente, incluir alimentos ricos em fibra e evitar alimentos demasiado apimentados.

3.

Aliviar as dores que vão surgindo

Para aliviar as dores que vão surgindo, procure praticar exercício físico leve e fazer caminhadas. Irá ajudar a controlar o aumento do peso, a diminuir os desconfortos, a melhorar a circulação sanguínea, a relaxar, a reduzir o edema (inchaço), a fortalecer a musculatura do abdómen, a regular o trânsito intestinal, a aliviar as dificuldades respiratórias e a facilitar a recuperação do peso no período após o parto.

4.

Desfrutar da barriga de grávida

Mulher grávida a beber chá junto a janela

Aproveite bem a barriga! Dê-lhe mimos, fale com o feto, coloque músicas que goste, registe este momento com fotografias.

5.

Ter cuidado com as relações sexuais

O sexo pode começar a tornar-se desconfortável devido ao aumento da barriga. No entanto, converse com o seu parceiro de forma a experimentarem novas posições ou explorarem as que conhecem de forma a não provocar a dor na mulher. Manter a intimidade do casal intensa é muito importante.

No caso de sentir uma diminuição da libido devido às alterações hormonais, fale com o seu parceiro e com o seu médico de forma a tentarem encontrar soluções para este problema.

6.

Frequentar um curso de preparação para o parto

Este mês é uma ótima altura para se inscrever num curso de preparação para o parto. Informe-se no seu centro de saúde sobre as turmas disponíveis.

Este curso serve para desmistificar possíveis medos e informações erradas que tenha da gravidez, para aprender a controlar a respiração, posições de relaxamento e de conforto e formas de controlar a dor sem analgesia.

Acaba por viver momentos agradáveis, onde estabelece relação com outras gestantes e acaba por praticar exercícios físicos que promovem o bem-estar da mulher e favorecem a mudança de posição do bebé para a posição cefálica (bebé de cabeça para baixo), que é a mais adequada a um parto normal.

7.

Começar a preparar o quarto do bebé

Grávida a organizar roupinhas de bebé

Comece a preparar o quarto do bebé. O tempo passa a voar, não se esqueça que metade da gravidez já passou.

O bebé necessita de pouca coisa. No entanto, procure proporcionar um ambiente calmo e aconchegante, de fácil acesso. Dê preferência a cores claras ou neutras, ajuda a transmitir um ambiente harmonioso.

Procure investir o dinheiro em produtos que realmente façam falta ao bebé. a tendência natural da mulher é comprar demasiadas coisas, coisas que por vezes nem são utilizadas. O mobiliário deve ser prático e revestido com materiais laváveis e resistentes.

POSSÍVEIS COMPLICAÇÕES NO QUINTO MÊS DE GRAVIDEZ

Grávida sentada no sofá a olhar para ecografia

É de extrema importância que conheça bem o seu corpo e as mudanças a que ele está sujeito com a gravidez para que, no caso de ocorrer alguma complicação, a consiga identificar e agir em conformidade, o mais rapidamente possível.

Para além das complicações referidas nos meses anteriores, podem surgir as seguintes complicações no 5º mês, que podem durar até ao final da gravidez:

1. Hemorragia vaginal

Seja em pequena ou moderada quantidade, cor viva ou escura, é necessário procurar ajuda médica imediata, pois pode estar associada a problemas como placenta prévia (obstrução da saída do útero provocada por uma placenta mal localizada), parto prematuro ou um aborto.

2. Leucorreia ou corrimento vaginal

É normal um corrimento esbranquiçado e sem cheiro, podendo-se apresentar em determinadas alturas em maior quantidade. No entanto, devido ao sistema imunológico da grávida estar diminuído, é frequente ocorrerem infeções urinárias (ITU) ou candidíases, às vezes até recorrentes, pelo que, em caso de vermelhidão, dores vaginais, prurido (comichão), corrimento de outra cor ou com cheiro fétido, recorra ao seu médico para descartar uma ITU.

No caso de diagnóstico positivo para ITU, ser-lhe-á prescrito um antibiótico, mas não entre em pânico, existem muitos antibióticos que não prejudicam o desenvolvimento fetal, sendo totalmente seguro a sua toma.

3. Cefaleias (dores de cabeça)

Podem ocorrer episódios de dores de cabeça devido a mudanças hormonais, desidratação, ansiedade ou glicemia baixa.

4. Cólicas e edema

Causadas pela progesterona, que tendem a agravar à medida que o útero aumenta com a evolução da gravidez.

5. Hipotensão

Devido à produção aumentada da hormona progesterona, poderá sentir uma diminuição da sua pressão arterial, apresentando a seguinte sintomatologia:

  • Tonturas/vertigens
  • Cefaleias
  • Desmaio

6. Pré-eclâmpsia

É o oposto da hipotensão, ou seja, ocorre um aumento da pressão arterial na gravidez, devido à produção por parte da placenta de substâncias que obstroem as artérias. Apresenta a seguinte sintomatologia:

  • Pressão arterial elevada (acima dos 140/90 mmHg)
  • Proteinúria: presença elevada de proteínas na urina
  • Edema generalizado, podendo levar a um aumento rápido de peso: em apenas uma semana pode sofrer um aumento de aproximadamente 3 a 5 kg
  • Cefaleias
  • Visão turva
  • Confusão
  • Convulsão que pode ser bastante prejudicial para a mãe e bebé

7. Placenta prévia

Ocorre quando a placenta não se instala num local adequado, acabando por obstruir a saída do útero. Esta situação pode levar a uma situação preocupante, ou seja, ao risco de uma hemorragia abundante e de difícil controlo, podendo levar a histerectomia (remoção do útero).

8. Descolamento da placenta

Acontece quando a placenta é separada da parede do útero, podendo provocar dores abdominais fortes e hemorragia vaginal.

9. Rutura prematura das membranas

Levando a perdas de líquido amniótico pela vagina, sem que a mulher entre em trabalho de parto. Esta situação aumenta o risco de infeção na mulher e no bebé, bem como do descolamento da placenta.

10. Infeções respiratórias víricas

Afetam a parte respiratória e podem conduzir a constipação, gripe, citamegalovírus ou varicela.

11. Polidrâmnio (excesso de líquido amniótico)

Só é considerado normal na presença de um feto grande ou quando a gravidez é múltipla (ou seja, mais do que um feto).

Esta complicação pode levar a contrações prematuras e, consequentemente, trabalho de parto prematuro, rutura prematura das membranas, descolamento da placenta, atonia do útero e, em casos extremos, morte fetal.

12. Oligoidrâmnio (líquido amniótico insuficiente)

Pode provocar restrição do crescimento fetal, contraturas dos membros, atraso na maturação pulmonar e morte fetal.

13. Restrição do crescimento intra-uterino

Ocorre quando o feto é mais pequeno do que o normal para o tempo de gravidez, ou seja, apresenta um peso abaixo do percentil 10 para a sua idade gestacional.

ALIMENTAÇÃO NO QUINTO MÊS DE GRAVIDEZ

Leguminosas em frascos

O 5º mês é de grande desenvolvimento do bebé e de formação de novos tecidos. Como tal, deve continuar a investir numa alimentação variada e de qualidade. Nesta fase, deve procurar incluir os seguintes micronutrientes:

  1. Ferro: ajuda a prevenir a anemia (por exemplo, feijão, carnes e brócolos).
  2. Cálcio: auxilia na ossificação e na formação dos dentes do bebé (evitando usar as reservas todas da mãe, que também serão necessárias para a amamentação) e na prevenção de cáries dentárias e cãibras (exemplos: leite e seus derivados e salmão).
  3. Vitamina C: coopera na retenção de ferro (exemplos: frutas cítricas e couve-flor).
  4. Ácido fólico: favorece o desenvolvimento cerebral do feto e previne a anemia e fraqueza (exemplos: fígado e cenoura).
  5. Flúor: importante para a formação dos futuros dentes do bebé (exemplo: peixe e água mineral).

Dicas essenciais para a alimentação durante a gravidez

  1. Garantir a ingestão diária de cereais complexos, vegetais, fruta e consumir diferentes fontes de proteína, nomeadamente carne, peixe, ovos, soja e outras leguminosas.
  2. Optar por laticínios ultrapasteurizados para evitar toxinfeções alimentares.
  3. A alimentação deve ser distribuída por várias refeições ao longo do dia e deve evitar estar mais de 3 horas sem comer.
  4. Evitar o consumo de alimentos com grande quantidade de gordura e fazer confeções simples como cozidos, grelhados, assados e estufados.
  5. Manter-se hidratada: beba entre 2-3 litros de água por dia.
  6. Optar por alimentos da época, com o menor grau de processamento possível.
  7. Evitar ao máximo o consumo de lacticínios não pasteurizados, enchidos e e fumados, queijos frescos e mal curados, marisco e peixe cru, peixes como espadarte, tamboril ou tintureira, e patês.
  8. Garantir sempre que os legumes e frutas são muito bem lavados.
  9. Evitar o consumo de salgados e adição de sal às refeições.

GESTÃO DE PESO NO QUINTO MÊS DE GRAVIDEZ E NECESSIDADES NUTRICIONAIS

A gravidez é um período de grande exigência para o organismo da mulher, visto que ocorrem modificações anatómicas e fisiológicas que afetam diretamente metabolismo materno e diversas funções e órgãos, fazendo com que as necessidades nutricionais e energéticas sejam superiores.

No entanto, a gestão de peso na gravidez é um fator fundamental para um adequado desenvolvimento fetal e para evitar complicações durante o parto, assim como para prevenir o desenvolvimento de problemas de saúde por parte da mãe.

Assim sendo, é necessário monitorizar, com regularidade, o ganho de peso durante a gravidez, de modo a evitar ganhos excessivos ou deficitários de peso por parte da mulher grávida que possam comprometer a saúde da mãe e da criança.

Como já foi referido, do valor energético total consumido pela grávida, cerca de 45%–65% desse valor deve provir dos hidratos de carbono, 20%–35% dos lípidos e 10%–25% da proteína. Se a mulher respeitar os aumentos referidos e se se alimentar nessa proporção, a gestão de peso na gravidez torna-se mais fácil, o que permitirá um adequado desenvolvimento do bebé e facilitará a recuperação ao peso normal da mãe.

Ainda no 2º trimestre, no 5º mês de gravidez deve-se manter um aumento da ingestão energética em cerca de 340 Kcal/dia para além das habitualmente recomendadas.

Tal como no mês anterior, o ganho de peso no 5º mês de gravidez deverá rondar os 0,4 kg/semana.

O EXERCÍCIO FÍSICO DURANTE A GRAVIDEZ

Cada fase da gravidez obriga a cuidados especiais, havendo, por conseguinte, exercícios que poderão ser realizados no primeiro trimestre e não no segundo ou terceiro. Linhas gerais, à medida que vai avançando do primeiro, para o segundo e finalmente para o terceiro trimestre, os cuidados terão de ser redobrados, e deverá ser dada atenção a outros grupos musculares mais específicos e por vezes negligenciados.

Serão aqui apresentados guidelines gerais, que deverão ser avaliados caso a caso, consoante a experiência de treino da grávida, bem como a existência (ou não) de alguma limitação física prévia.

Relativamente a contraindicações, estas dividem-se em 2 categorias principais: relativas e absolutas.

Contraindicações relativas

  • Gestação múltipla após 28 semanas
  • Anemia (Hemoglobina menor que 100g/l)
  • Doença da Tiroide
  • Fadiga extrema
  • Dores musculares extremas
  • Tonturas e dores de cabeça
  • Contractilidade uterina que dure várias horas após o exercício
  • Obesidade excessiva ou baixo peso extremo
  • História Clínica Anterior de aborto espontâneo

Contraindicações absolutas

  • Incompetência cervico-ístmica
  • Placenta prévia após as 28s de gestação
  • Sangramento vaginal persistente ao longo do segundo/terceiro trimestre
  • Rutura de bolsa / bolsa rota
  • Crescimento intrauterino retardado ou macrossomia
  • Gravidezes múltiplas (maior ou igual a 3)
  • Doença cardíaca (conhecida geralmente antes da gravidez:
    miocardiopatia ativa, insuficiência cardíaca, arritmias)
  • Doença Pulmonar (conhecida antes da gravidez), Embolia pulmonar recente;
  • Hipertensão gestacional, pré-eclampsia
  • Tromboflebite
  • Doença infeciosa aguda
  • Realização recente de amniocentese
  • História de abortos de repetição
  • Gestante sem assistência pré-natal

O EXERCÍCIO FÍSICO DURANTE O QUINTO MÊS DE GRAVIDEZ

Grávida a fazer exercício Bird Dog

Nesta fase da gestação, o exercício físico mostra-se altamente benéfico, pois induz a uma melhoria da redistribuição sanguínea e oxigenação placentária.

Exercícios que envolvam muito equilíbrio, atividade competitiva com movimentos repentinos, saltos, artes marciais e mergulho, deverão ser evitados.

Para além de exercícios em supinação, deverão ser evitados exercícios com impacto, devendo optar-se por vertentes estáveis dos exercícios.

1. Agachamento com ombro

– Execução –

  1. Agarre em 2 halteres ao nível dos ombros;
  2. Realize o agachamento frontal e na subida faça a extensão dos braços acima da cabeça.

2. Extensão em 4 apoios

– Execução –

  1. Deite-se no chão e apoie-se na palma das mãos e nos joelhos;
  2. Alternadamente eleve uma perna o mais alto possível, mas sem ultrapassar a anca;
  3. Volte à posição inicial, sem tocar com o joelho no chão.

3. Bird dog

– Execução –

  1. Num colchão, coloque-se em quatro apoios, com as mãos alinhadas com os ombros, e os joelhos alinhados com a anca, pernas afastadas à distância da mesma;
  2. Manter a pelve e a coluna numa posição neutra;
  3. A cabeça deve seguir o alinhamento da coluna torácica;
  4. Elevar o braço direito e o joelho esquerdo do chão em simultâneo, ambos em direções opostas e volte à posição inicial realizando o mesmo para o outro lado.

4. Bicep curl

– Execução –

  1. De pé, com as pernas afastadas à largura das ancas, mantenha os joelhos ligeiramente fletidos;
  2. Pegue em 2 halteres, um em cada mão com as palmas viradas para cima e mantenha as costas direitas;
  3. Mantenha os cotovelos à largura dos ombros e os braços na vertical;
  4. Levante os halteres até aos ombros e volte a descer.
Veja também