Liliana Lima
Liliana Lima
17 Jul, 2017 - 15:27

Descolamento da placenta: como saber se está nesta situação

Liliana Lima

Quais os sintomas de um descolamento de placenta? Como saber que aconteceu? Quais os riscos para a mãe e bebé? O que acontece caso se verifique?

Descolamento da placenta: como saber se está nesta situação
O artigo continua após o anúncio

A placenta é um órgão temporário da mãe, durante a gravidez, para gerar o feto. É o que permite ao bebé em desenvolvimento respirar, obter alimento, e “treinar” os seus sistemas respiratório, intestinal, renal.

Geralmente, na maioria dos casos de descolamento da placenta, ocorre sangramento vaginal. Quantidade invariável e, em alguns casos, o sangramento pode ficar retido no útero, sendo mais difícil de detectar. Contudo, sente-se uma dor nas costas ou útero sensível.

Sempre que existe sangramento deve dirigir-se ao hospital ou obstetra para que se averigúe o estado do bebé (batimentos cardíacos) e uma ecografia para tentar detetar a origem do sangramento. Os médicos poderão também efetuar um toque para averiguar o estado do colo do útero, se está a apresentar dilatação ou a ficar mais fino.

Sintomas e causas e riscos associados ao descolamento da placenta

Quais os sintomas do descolamento da placenta?

sintomas descolamento da placenta

Nem sempre um sangramento significa descolamento da placenta, pode ter outras causas – infeção, laceração, pólipo ou outras causas.

Deve recorrer a ajuda médica urgente sempre que:

  • Verifica sangramento
  • Verifica rompimento da bolsa com líquido ensanguentado
  • Sente cólicas, dores no útero, abdómen ou costas que aparecem subitamente
  • O bebé não mexe como o costume
  • Apresenta sinais de estado de choque (fraqueza, palidez, suores frios, ritmo 
cardíaco alterado)

O que pode causar um descolamento da placenta?

descolamento da placenta causas

Todas as mulheres grávidas podem estar sujeitas a um descolamento da placenta, e a sua causa poderá estar associada a alterações na circulação de sangue e inflamações. 
Mas há grupos de risco:

  • Já tiveram um descolamento em gravidezes anteriores
  • Apresenta hipertensão
  • Apresenta pré-eclâmpsia
  • Apresenta disfunção na coagulação do sangue
  • Apresenta Miomas
  • Rompimento de bolsa prematuro
  • Excesso de líquido amniótico
  • Escassez de líquido amniótico
  • Gravidez múltipla
  • Fumadoras ou utilizadoras de drogas
  • Com anomalia uterina
  • Vítimas de acidentes, traumas no abdómen ou barriga
  • Vitimas de pancadas nas costas ou na barriga
  • Exercício físico intenso
  • Cordão umbilical curto

Quais os riscos de um descolamento da placenta?

A maioria dos descolamentos da placenta leva a um parto prematuro devido ao comprometimento de fornecer oxigénio e nutrientes ao bebé.

Os riscos para o bebé são diversos, desde não conseguir o fornecimento de condições de vida necessário para continuar a desenvolver-se, necessitando de um parto prematuro, ou não conseguir de todo obter o que necessita acabando por falecer no ventre. 
É uma situação relativamente comum no terceiro trimestre, contudo pode acontecer em qualquer altura após as 20 semanas.

O artigo continua após o anúncio

Cuidados médicos 
sempre que esta situação se verifica, antes das 28 semanas, os médicos tentam, na medida do possível, adiar o parto, para que o bebé consiga desenvolver-se o mais possível. Dependendo da situação, a mãe pode ficar internada ou ir em repouso absoluto para casa. 
No caso de internamento, os médicos tentarão controlar o sangramento, assim como manter uma vigia apertada ao desenvolvimento do bebé.

Grande parte das vezes são administrados corticoesteroides para ajudar no amadurecimento dos pulmões do bebé. A mãe geralmente é vigiada em termos de oxigénio, pressão arterial, frequência cardíaca e exames ao sangue. Pode também ser administrada medicação para controlar as contrações do útero. 
Se a mãe puder ir para casa, deve ficar em repouso absoluto, não fazendo esforços absolutamente nenhuns.

Regra geral, é preciso algum apoio familiar para manter as rotinas, principalmente no caso de haver filhos mais velhos. 
 É sempre necessário ponderar os riscos entre manter a gravidez ou efetuar um parto muito prematuro.

Se o sangramento parar e tudo estiver estabilizado, deve ter alguns cuidados como:

  • Não estar mais de duas horas em pé
  • Deve manter as pernas elevadas
  • Não fazer qualquer tipo de esforço (limpezas, cuidar de outros filhos…)
  • Deve beber dois litros de água por dia

Veja também: