Nutricionista Luís Cristino
Nutricionista Luís Cristino Revisto por Psicóloga Ana Graça
05 Mai, 2020 - 08:05

Tem mau humor quando tem fome? Explicamos o porquê com base científica

Nutricionista Luís Cristino Revisto por Psicóloga Ana Graça

Qual será a razão de ter mau humor com fome? Existirá evidência científica que suporte a relação entre estados de humor e ingestão alimentar?

Mau humor com fome: mulher a comer chocolates

Existem muitos comportamentos responsáveis pela regulação do humor, sendo o a alimentação um dos mais importantes. Sabemos que a fome, por vezes, pode afetar as emoções e perceções do mundo ao nosso redor.  Mas é necessário entender melhor os mecanismos psicológicos dos estados emocionais induzidos pela fome – neste caso, o mau humor com fome. Existirá evidência científica que suporte a relação entre estados de humor e ingestão alimentar? 

A interação entre humor, estado emocional e comportamento alimentar é complexa. Uma das hipóteses apontadas pela literatura científica é que existe uma possível regulação das emoções e do humor, alterando as escolhas alimentares e as quantidades de alimento (1).

Perturbações do comportamento alimentar: mulher a comer bolachas enquanto sentada a ver TV
Veja também Perturbações do comportamento alimentar em tempo de isolamento

Mau humor com fome: Qual a relação entre estado emocional e a alimentação?

Dar continuidade a um processo de perda de peso durante a quarentena: snacks salgados

Frequentemente, os alimentos são usados como uma forma de recompensa natural, e o  processo de ingestão alimentar nestas situações é complexo.

A recompensa e a gratificação associadas ao consumo de alimentos levam à produção de dopamina, um neurotransmissor associado com o estado emocional, que por sua vez ativa os centros de recompensa e prazer no cérebro. A ativação destes mecanismos leva a que um indivíduo ingira rapidamente determinado alimento de forma a experimentar sentimentos positivos, como a gratificação, aumentando a ingestão alimentar diária (1).

Assim, tipos específicos de alimentos tendem a ser preferidos em determinadas condições psicológicas devido à influência dos alimentos na atividade dos centros de recompensa cerebral.

A ingestão emocional e as alterações de humor são cada vez mais associadas à ingestão de alimentos com alta palatibilidade, densamente calóricos e nutricionalmente pouco interessantes, originando consequentemente excesso de peso e obesidade (1).

Como controlar vontade de comer em casa: homem a comer snacks
Veja também Como controlar a vontade de comer em casa? 4 truques que podem ajudar

Mau humor com fome: O que é o humor?

Humor e emoções são termos usados para descrever estados emocionais ou sentimentos. Sendo o humor um conjunto interno de emoções predominantes numa pessoa num determinado momento (2). Pode ser um humor eufórico, alegre, mas também pode ser um um humor abatido, triste, apático, ansioso.

Já o mau humor está relacionado com baixa energia e alta tensão (3). No senso comum, associa-se “mau humor” à irritabilidade. No entanto, existem outras dimensões psicológicas associadas a este termo.

Mau humor e comportamento alimentar

Mulher a comer snacks

No ser humano, o comportamento alimentar é um processo complexo e é afetado pelo estado de humor e pelas emoções.

Os estados de humor, como a depressão e a ansiedade, estão associados com a obesidade abdominal, uma vez que afeta a escolha dos alimentos e o metabolismo energético (1).

As emoções negativas afetam a escolha e a ingestão de alimentos como mecanismo de enfrentamento, que, por sua vez, afetam o humor de maneira bidirecional. 

Isto é, as alterações do comportamento alimentar podem originar ansiedade, depressão e sentimento de culpa e, por sua vez, estes estados de humor podem igualmente levar a um aumento da ingestão alimentar como forma de “alivio” dos sentimentos negativos (3).

Relação entre alimentação e humor

snacks vegetarianos: trufas

Da mesma forma que o humor afeta as escolhas alimentares, os alimentos ingeridos também podem influenciar diretamente o humor através dos sistemas de neurotransmissores envolvidos.

Em intervenções em animais e humanos, o consumo de alimentos que contenham na sua composição chocolate (4, 5), cafeína (6) e ácidos gordos ómega-3 (1, 7) estão associados a melhorias do estado de humor.

Para além destes alimentos, sabe-se que a carência de determinados micronutrientes, como o ferro, a tiamina e o ácido fólico, podem influenciar o estado emocional.  Por exemplo, níveis insuficientes de tiamina, também conhecida como vitamina B1, estão associados a alterações no humor e no funcionamento cognitivo.

Para além da interação entre os alimentos e os estados de humor, recentemente têm surgido estudos que associação a microbiota intestinal à saúde mental, nomeadamente a relação com o neurotransmissor serotonina (8, 9).

A serotonina é um neurotransmissor envolvido com o estado de humor, o sono, o apetite e a dor, sendo que grande parte da sua produção, cerca de 95%, ocorre no trato gastrointestinal. Assim, numa situação de desequilíbrio das bactérias intestinais, esta via poderá ser afetada, desencadeando alterações na saúde mental (8, 9, 10).

Vitaminas de A a K: variedade de alimentos
Veja também Vitaminas de A a K: funções e principais fontes alimentares

EM suma

Além do humor e do bem-estar geral, o papel da dieta e nutrição na saúde mental é muito complexo e ainda não foi totalmente compreendido.

Devido ao interesse crescente nesta temática, espera-se uma maior robustez científica nos próximos tempos. No entanto, a evidência desenvolvida até os dias de hoje demonstra um futuro promissor na relação entre padrões alimentares saudáveis e efeito protetor na saúde mental.

Fontes

  1. Singh M. (2014). Mood, food, and obesity. https://doi.org/10.3389/fpsyg.2014.00925
  2. Trzepacz, TP, Baker, et al. (1ª Ed, 2001). Exame Psiquiátrico do estado mental.
  3. Koster, EP. Et al. (2015). From mood to food and from food to mood: A psychological perspective on the measurement of food-related emotions in consumer research. https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S096399691500157X
  4. Scholey, A., & Owen, L. (2013). Effects of chocolate on cognitive function and mood: a systematic review.  https://doi.org/10.1111/nure.12065
  5. Parker, G., Parker, I., & Brotchie, H. (2006). Mood state effects of chocolate. https://doi.org/10.1016/j.jad.2006.02.007
  6. Haskell-Ramsay, C. F., Jackson, P. A., Forster, J. S., Dodd, F. L., Bowerbank, S. L., & Kennedy, D. O. (2018). The Acute Effects of Caffeinated Black Coffee on Cognition and Mood in Healthy Young and Older Adults.  https://doi.org/10.3390/nu10101386
  7. Giles, G. E., Mahoney, C. R., & Kanarek, R. B. (2013). Omega-3 fatty acids influence mood in healthy and depressed individuals.  https://doi.org/10.1111/nure.12066
  8. O’Mahony, S. M., Clarke, G., Borre, Y. E., Dinan, T. G., & Cryan, J. F. (2015). Serotonin, tryptophan metabolism and the brain-gut-microbiome axis.  https://doi.org/10.1016/j.bbr.2014.07.027
  9. Sherwin E, Rea K, Dinan TG, Cryan JF. A gut (microbiome) feeling about the brain.  doi:10.1097/MOG.0000000000000244
  10. Selhub, E. (2015). Nutritional psychiatry: Your brain on food. https://www.health.harvard.edu/blog/nutritional-psychiatry-your-brain-on-food-201511168626
Veja também