Psicóloga Ana Graça
Psicóloga Ana Graça
04 Mai, 2020 - 10:40

O que fazer quando tem uma crise de ansiedade?

Psicóloga Ana Graça

Teve uma crise de ansiedade e sentiu que foi a pior experiência da sua vida? Então saiba o que fazer quando isto acontece.

Mulher a ter uma crise de ansiedade

Foi a correr ao seu médico no momento em que sentiu, de forma súbita, tonturas, falta de ar, dor de cabeça, suores e palpitações? Após a realização de um exame médico cuidado, o seu médico disse-lhe que o seu exame físico estava normal e que a origem dos sintomas era ansiosa?

Pois bem, de facto, a ansiedade é um problema psicológico que também se manifesta através de sintomas físicos, que podem ser muito intensos e incapacitantes.

Mas, sabe que fazer quando tem uma crise de ansiedade? Então descubra.

Sintomas da ansiedade: mulher com olhar vazio
Veja também Sintomas da ansiedade: conhecê-los pode ajudar a reconhecer o problema

A ansiedade faz parte da vida de todos nós

medicamentos para a gripe: os mais aconselhados

Por si só a ansiedade não representa um problema. Todos vivemos episódios e experiências mais ou menos stressantes e, em alguns momentos, todos nos sentimos mais inseguros ou preocupados. É saudável sentir ansiedade e pode, por vezes, proteger-nos do perigo.

O problema está, como em quase tudo na vida, no excesso. O excesso de ansiedade é patológico e problemático e interfere com a nossa forma de pensar, de sentir e de interpretar o mundo que nos rodeia.

Podemos definir a ansiedade patológica como um estado duradouro de ameaça ou apreensão que envolve medo, mas também a crença de que certas coisas ou situações são incontroláveis ou incertas. Interfere no nosso dia-a-dia, no nosso bem-estar, nas relações pessoais e no desempenho académico e profissional.

Uma crise de ansiedade ou de pânico tem lugar quando a ansiedade e o medo surgem de forma súbita, intensa e totalmente inesperada, acompanhados de sensações corporais como falta de ar, tonturas, palpitações, tremores, suores e náuseas. Mais ainda, no decorrer de uma crise de ansiedade, é feita uma interpretação catastrófica destas sensações físicas (por exemplo, “vou desmaiar” ou “não consigo respirar”).

O que fazer quando tem uma crise de ansiedade?

Agorafobia: mulher a ter consulta com o psicólogo em casa

Perante uma crise de ansiedade deve procurar ajuda médica que possa, após feito o despiste de possíveis condições de saúde que justifiquem os sintomas, encaminhar para um profissional na área da saúde mental.

Os ataques e a perturbação de pânico devem ser deve ser objeto de um tratamento medicamentoso e psicoterapêutico, cuja eficácia tem sido inequivocamente demonstrada cientificamente. Para além da ajuda especializada, há alguns hábitos de vida que podem ajudar a reduzir os níveis de ansiedade, bem como alguns comportamentos que importa adotar na presença de uma crise de ansiedade.

5 dicas para lidar com uma crise de ansiedade

  1. Lembre-se que apesar das sensações e dos sintomas da crise de ansiedade serem assustadores, não são perigosos.
  2. Tente compreender que aquilo que sente é apenas uma forma exagerada do seu corpo reagir perante a ansiedade.
  3. Afaste os pensamentos catastróficos do tipo: “e se eu desmaiar?” ou “e se eu perder o controlo?” Foque-se no presente e no realmente está a acontecer e não no que pode vir a acontecer.
  4. Tente abstrair-se daquilo que está a sentir e naquilo em que está a pensar. Pense em algo diferente, observe o que vê em seu redor, conte uma história ou tente imaginar um cenário que lhe transmita calma e segurança.
  5. Controle a respiração, de forma a restabelecer os níveis de dióxido de carbono e de oxigénio e notará uma imediata diminuição das sensações corporais adversas. Controle a respiração numa posição que lhe seja confortável (sentado ou deitado). Inspire e expire de forma lenta e profunda, controlando a frequência respiratória.

5 hábitos de vida que deve pôr em prática desde já

  1. Pratique exercício físico: a prática regular de exercício físico ajuda a aliviar os sintomas depressivos e baixar os níveis de irritabilidade e ansiedade;
  2. Ponha em prática exercícios de respiração e relaxamento: ajudam a dormir melhor, bem como a diminuir a tensão arterial, o batimento cardíaco, os níveis de cortisol e o cansaço;
  3. Não se esqueça de ter na agenda atividades prazerosas: cuide de si.
  4. Alimente-se de forma saudável e durma bem.
  5. Faça uma boa gestão e organização do seu tempo: organize-se e estabeleça prioridades.
Consequências da falta de descanso: homem deitado na cama
Veja também 8 consequências da falta de descanso e noites mal dormidas
Veja também