Nutricionista Rita Lima
Nutricionista Rita Lima
24 Jan, 2018 - 17:45

Ganho de peso durante a gravidez: como deve ser?

Nutricionista Rita Lima

A recomendação sobre o ganho de peso durante a gravidez está dependente do Índice de Massa Corporal (IMC) pré-gravítico.

Ganho de peso durante a gravidez: como deve ser?

A gravidez é um período de grande exigência para o organismo da mulher, no sentido em que ocorrem modificações anatómicas e fisiológicas que afetam diferentes funções no organismo, nomeadamente o metabolismo materno, fazendo com que as necessidades nutricionais e energéticas sejam superiores.

No entanto, é importante monitorizar, com regularidade, o ganho de peso durante a gravidez, de modo a promover um adequado desenvolvimento fetal e evitar complicações durante o parto, assim como o desenvolvimento de problemas de saúde por parte da mãe, entre os quais a diabetes gestacional.

Necessidades nutricionais e energéticas na gravidez

ganho de peso durante a gravidez e gravida a comer saudavel

Com efeito, e para assegurar o adequado desenvolvimento de um novo ser vivo, a mulher grávida tem necessidades aumentadas de energia e de nutrientes, as quais dependem diretamente do trimestre de gravidez em que se encontra (as necessidades vão aumentando até ao terceiro trimestre).

Tal facto deve-se, essencialmente, ao aumento do metabolismo basal da mulher, devido a um aumento do trabalho cardíaco e respiratório e do crescimento de tecidos maternos e fetais.

Para se ter uma ideia, relativamente ao valor pré-gravídico, o aumento médio do metabolismo basal pode ascender aos 19%, o que representa um aumento do gasto energético diário em repouso de cerca de 180 kcal.

Além do aumento do metabolismo, verifica-se também a alteração do metabolismo lipídico, no sentido de favorecer a acumulação de reservas lipídicas na primeira metade da gravidez, e a sua posterior mobilização na segunda metade.

Como se alteram as necessidades nutricionais na gravidez?

gravida com vontade de comer chocolate

No caso do primeiro trimestre, o metabolismo basal e o gasto energético total não se alteram significativamente. Como tal, o ganho de peso deverá ser mínimo, não estando recomendado um consumo adicional de energia.

No caso do segundo e terceiro trimestres, e ainda que as necessidades energéticas diárias possam variar muito entre mulheres grávidas, preconiza-se um aumento da ingestão energética em cerca de 340 e 450 kcal, respetivamente, além das 2000 kcal recomendadas diariamente.

Relativamente ao valor energético total consumido pela grávida, cerca de 45%–65% desse valor deve provir dos hidratos de carbono, 20%–35% dos lípidos e 10%–25% da proteína.

Se a mulher respeitar os aumentos acima referidos e se se alimentar nessa proporção, o ganho de peso durante a gravidez será controlado e permitirá um adequado desenvolvimento do bebé.

Caso isso não aconteça, e o embrião / feto for exposto a défices ou excessos nutricionais, em períodos de particular sensibilidade de multiplicação celular, o desenvolvimento, a função e estrutura de diversos tecidos e órgãos pode ficar afetado, de forma irreversível, para toda a vida.

Ganho de peso durante a gravidez: como deverá ser?

verificar peso na gravidez

Como já referido anteriormente, inerente ao aumento das necessidades energéticas na gravidez está o ganho de peso durante a gravidez, o qual influencia o peso da criança ao nascer, bem como a saúde e o retorno ao peso normal após este período.

Um ganho de peso da grávida aquém das suas necessidades, está associado ao aumento do risco de atraso de crescimento intrauterino e mortalidade perinatal, enquanto um ganho de peso excessivo está associado a maior probabilidade de excesso de peso / obesidade na infância e adolescência e, consequentemente, a um maior risco de problemas de saúde.

IMC da grávida

As recomendações do ganho de peso materno na gravidez são especificadas de acordo com o IMC pré-gravídico, na medida em que se o peso da mãe antes da gravidez for já excessivo, a margem de aumento será muito menor, de modo a não prejudicar o desenvolvimento da criança nem a saúde da mãe.

Assim sendo, e para mulheres normoponderais (IMC entre 18,5 e 25 Kg/m2), o ganho médio de peso no primeiro trimestre deverá rondar os 1,6 kg, enquanto no segundo e terceiro trimestres deverá corresponder a 0,44 kg/semana, o que perfaz um ganho ponderal total de cerca de 12,5 kg.

Caso a grávida apresente baixo peso antes da gravidez (IMC inferior a 18,5 Kg/m2), poderá aumentar até 18 Kg durante a gravidez. Por outro lado, se for uma mulher que, antes de engravidar, já apresenta excesso de peso ou obesidade (IMC superior a 25 Kg/m2), não deverá ganhar mais do que 9-10 Kg durante este período.

No caso de uma gravidez de gémeos, o ganho ponderal poderá ascender aos 20,4 kg.

IMC (Kg/m2) da mulher antes de engravidarGanho de peso total durante a gravidez
Inferior a 18,512,5-18 Kg
Entre 18,5-24,911 – 16 Kg
Entre 25-29,97-11,5 Kg
Superior a 29,95-9 Kg

Fonte: Institute of Medicine (IOM 2009)

Em suma

Se a alimentação durante a gravidez for equilibrada e se incluir algum tipo de exercício físico, este ganho de peso mencionado será derivado do peso de tecidos, como útero, tecido mamário, placenta, da retenção de líquidos e o próprio peso do feto, e não propriamente do ganho de massa gorda.

Por último, importa referir que além do cumprimento das necessidades energéticas e do controlo do ganho ponderal, é crucial a adoção de um estilo de vida saudável, mesmo antes da gravidez, no sentido de otimizar a saúde da mãe e do bebé e reduzir o risco de complicações durante a gravidez.

Veja também: