Catarina Milheiro
Catarina Milheiro
18 Out, 2022 - 12:46

Exercício físico e insónia: que relação têm?

Catarina Milheiro

Sabia o exercício físico ajuda a melhorar os sintomas da insónia? Confira esta e outras conclusões sobre o tema neste artigo.

Conhece a relação entre o exercício físico e a insónia? De facto, alguns estudos afirmam que este pode realmente ajudar a minimizar os sintomas da insónia.

Um estudo realizado por investigadores do Hospital Israelita Albert Einstein e da Universidade Federal de São Paulo (USP), afirma que a atividade física ajuda a melhorar os sintomas da insónia – quer se tratem de exercícios aeróbicos como os de força.

Por se tratar de um tema tão importante, a prescrição de exercício físico e a insónia foram dois temas centrais escolhidos também para as oitavas jornadas Médicas Maia Valongo (JMMV), em 2021.

De acordo com o Presidente da Comissão Organizadora, Francisco Santos Coelho, a pandemia teve um enorme impacto nas pessoas, provocando elevados níveis de ansiedade na população em geral.

Foi possível observar um aumento preocupante dos pacientes com insónias e, por isso mesmo, é crucial que se tomem medidas – desde já a prática de exercício físico.

Exercício físico e insónia: um estudo revelador

É impossível afirmar que não existe qualquer relação entre o exercício físico e a insónia. Aliás, o estudo realizado por investigadores do Hospital Israelita Albert Einstein e da Universidade Federal de São Paulo (USP), ressalta precisamente isso.

Para conseguirem retirar conclusões, os autores fizeram uma revisão dos dados de cerca de 300 pacientes com perfis distintos e que praticavam as mais variadas atividades. E de uma forma geral, todos relataram melhorias na qualidade do sono e nos sintomas da insónia.

Mas poderá o exercício físico ser uma opção não medicamentosa para tratar a insónia? A resposta é sim, quando o paciente é devidamente acompanhado pelo médico e se conseguem observar resultados reais e comprovados.

Também já existiram estudos a sugerir esse tipo de benefício. Contudo, a maioria deles acaba por ter algum tipo de limitação: como por exemplo as abordagens serem feitas somente a mulheres.

Qual será a melhor atividade então para diminuir os sintomas da insónia?

No fundo, não parece existir uma atividade mais indicada do que outra para que os resultados se consigam observar. De uma forma geral, qualquer atividade física é capaz de melhorar a perceção dos sintomas, mas tudo depende de cada pessoa.

O que significa que a prescrição deve ser personalizada, tendo em consideração as preferências, rotinas e perfil de cada um. As conclusões do estudo referem que o ideal é mesmo praticar pelo menos 2 vezes por semana, entre 45 a 60 min uma atividade física qualquer a seu gosto.

Por isso, se gosta de ioga, natação, corrida, ténis, padel ou outra atividade o importante é ter força de vontade e começar. Por vezes, até uma simples rotina de caminhadas, pode fazer toda a diferença no seu sono.

No entanto, é importante referir que se prefere praticar a atividade escolhida de noite, então esta não pode impactar o seu sono. Caso contrário ficará mais ativo e desperto ainda.

Quanto aos benefícios, estes costumam observar-se após cerca de 2 meses.

Os benefícios do exercício físico no combate à insónia

Como vemos, a prática de exercício físico pode mudar significativamente a sua rotina de sono, inclusive, combater a insónia. Podemos listar os seguintes benefícios associados:

  • Os exercícios físicos atuam desde as hormonas até aos neurotransmissores;
  • Com a prática de exercício físico, a temperatural corporal tende a aumentar – o que ajuda a adormecer ao ativar os processos de dissipação de calor que são controlados pelo hipotálamo;
  • O gasto energético durante as atividades faz com que o organismo tenha a necessidade de recuperar durante o sono;
  • Ajuda a manter a interação social e a combater a depressão e ansiedade;
  • A pessoa sente-se mais ativa, mais feliz e completa.
Dormir bem à noite: mulher deitada na cama a dormir

De um modo geral, quando a pessoa que tem insónias começa a praticar uma atividade física, sente-se melhor – quer a nível emocional, como em relação a aspetos físicos.

É preciso redobrar a promoção da atividade física da população

Francisco Santos Coelho e outros elementos da Comissão Organizadora da 8ª edição das jornadas Médicas Maia Valongo (JMMV), afirma que apesar de a insónia ser pouco abordada, a grande redução ou até mesmo o abandono da prática de exercício físico é algo menos evidente e não tão abordado. Contudo, igualmente preocupante.

A verdade é que a pandemia não veio ajudar em nada no que diz respeito a este aspeto e a maioria das pessoas viu as suas rotinas a serem quebradas do dia para a noite.

Por isso mesmo é que é tão importante redobrar a promoção da atividade física da população, especialmente daqueles que sofrem de insónias e que precisam rapidamente de minimizar alguns dos sintomas.

Se também passa por este problema, o ideal é conversar com o seu médico e juntos tentarem perceber o que poderá estar na origem das suas insónias. Por vezes, o tratamento pode incluir algum tipo de fármacos, mas com o envolvimento do exercício físico na sua rotina diária o objetivo é tratá-lo de vez, sem que a longo prazo, sejam necessários estes medicamentos.

Na dúvida, recorde-se: várias noites de sono mal dormidas (no mínimo 8 horas por dia), podem prejudicar bastante a sua saúde física e mental. Não arrisque!

Veja também