Psicóloga Ana Graça
Psicóloga Ana Graça
26 Jan, 2021 - 10:01

Excesso de videochamadas e saúde mental: qual a relação?

Psicóloga Ana Graça

Estamos fisicamente distanciados, isolados. As videochamadas são uma ajuda preciosa, mas será que o excesso de videochamadas é prejudicial?

Excesso de videochamadas

Em tempos de pandemia e isolamento social como os que agora vivemos, é-nos recomendado que utilizemos as videochamadas para encurtar as distâncias profissionais e a distância daqueles de quem mais gostamos. Mas será que o excesso de videochamadas pode, de alguma forma, ser prejudicial à saúde mental? Vamos tentar descobrir!

O novo normal…

Como manter a rotina em teletrabalho

Quantas videochamadas faz por dia? Provavelmente, muitas. Para os pais e avós, para aqueles amigos especiais, para os colegas de trabalho, para os clientes, e muitos mais. Sejam quais forem os destinatários, o mais provável é que as videochamadas ocupem parte do seu dia.

A tecnologia que parece “salvar-nos” nos períodos de isolamento e quarentena pode também estar a causar impacto negativo ao nível da saúde mental e parece que este impacto pode estar associado ao excesso de videochamadas.

De facto, sentimo-nos gratos pelas inúmeras possibilidades que as novas plataformas de comunicação nos oferecem, mas alguns de nós sentem-se emocionalmente e energeticamente exaustos perante o excesso de videochamadas diárias (1).

Excesso de videochamadas: a “fadiga do zoom”

A pandemia por COVID-19 trouxe novas experiências e novas formas de vida. Conceitos e comportamentos de distanciamento social e etiqueta respiratória passaram a fazer parte do dia a dia, mas também as novas plataformas de comunicação e termos como a “fadiga do zoom”.

A “fadiga do zoom” é uma experiência totalmente nova mas que parece ser prevalente e intensa. Descreve o cansaço, a preocupação e/ou o esgotamento associados à utilização excessiva das plataformas virtuais de comunicação.

A ciência tem feito um esforço para compreender este fenómeno e quais as suas motivações e implicações, nomeadamente ao nível da saúde mental. Vamos conhecer algumas delas:

Mulher em casa a comunicar via Zoom com os colegas de trabalho
1

A falta de recompensa percebida

Sentimo-nos mentalmente desgastados/exaustos quando apesar de despendermos a nossa atenção, energia e motivação, não recebemos a recompensa desejada por esse esforço/desempenho.

As interações sociais estão muito associadas aos nossos circuitos cerebrais de recompensa e, as interações sociais realizadas cara-a-cara ativam mais esses circuitos cerebrais quando comparadas com as interações virtuais, ou seja, fazem-nos sentir mais recompensados, mais satisfeitos, mais motivados e menos fatigados.

2

A falta de contacto ocular

O contacto ocular contribui para uma maior qualidade das interações sociais. Tendem a ser mais rápidas, facilita a memorização dos rostos, incentiva a maior simpatia e atratividade pelo outro.

A comunicação por vídeo parece comprometer estes benefícios, na medida em que o olhar tende a ser direcionado para a câmara e a dividir-se entre os diferentes interlocutores da videochamada.

3

Maior esforço cognitivo

Grande parte da comunicação é inconsciente e não-verbal, na medida em que o conteúdo emocional é rapidamente processado através de pistas sociais como o toque, a atenção conjunta e a postura corporal.

Estas pistas não-verbais não são usadas apenas para adquirir informações sobre as outras pessoas, mas também para preparar um resposta adaptativa e para permitir uma comunicação recíproca, tudo isto em milissegundos.

No vídeo, a maioria destas pistas são difíceis de visualizar (o ambiente não é compartilhado, limitando a atenção conjunta; as expressões faciais mais subtis e as de corpo inteiro dificilmente são visualizadas). Sem a ajuda destas pistas, das quais dependemos para avaliar o outro e criar vínculos sociais e emocionais, é necessário um esforço cognitivo e emocional compensatório.

4

Maior sedentariedade

A prática de atividade física está associada a uma redução do risco de fadiga mental. No momento atual, com o dia preenchido de videochamadas, o dia a dia torna-se mais sedentário, o que propicia a “fadiga do zoom” (2).

Mas quais são as soluções?

Não há fim à vista para o distanciamento social e para a necessidade de ter o dia repleto de videochamadas. Mas há formas de aprimorar o uso destas plataformas, cuidando melhor do nosso bem-estar mental, por exemplo:

1. Estar alerta para o nosso bem-estar mental. Avaliá-lo com frequência. Perceber as nossas necessidades e desejos. Respeitar os momentos de sobrecarga e exaustão e, nessas alturas, fazer uma pausa das interações por videochamada.

2. Escolher quais as plataformas de comunicação à distância que mais se adequam a cada um de nós. Refletir sobre quais são menos desgastantes, mais dinâmicas, menos exaustivas.

3. Ser criativo. Aumentar a espontaneidade e a autenticidade dos encontro digitais (1).

Fontes

  1. Dodgen—Magee, D. (2020). Why Video Chats Are So Exhausting. Psychology Today. Disponível em: https://www.psychologytoday.com/intl/blog/deviced/202004/why-video-chats-are-so-exhausting
  2. Lee, J. (2020). A Neuropsychological Exploration of Zoom Fatigue. Psychiatric Times. Disponível em: https://www.psychiatrictimes.com/view/psychological-exploration-zoom-fatigue
Veja também