Nutricionista Rita Lima
Nutricionista Rita Lima
20 Dez, 2019 - 13:33

5 estratégias para não se sentir inchada no Natal

Nutricionista Rita Lima

A quadra natalícia é sinónimo de excessos alimentares, razão pela qual há cuidados a ter na alimentação. A este propósito, partilhamos consigo algumas estratégias para não se sentir inchada no Natal.

5 estratégias para não se sentir inchada no Natal

Com os excessos alimentares que, por norma, caracterizam a época natalícia, é previsível que se vá sentir inchada durante este período. A boa notícia é que há estratégias que pode adotar para evitar essa situação ou pelo menos minimizar o seu impacto.

O inchaço abdominal caracteriza-se por uma distensão abdominal desconfortável, causada maioritariamente por acumulação de gases a nível intestinal, prisão de ventre, retenção de líquidos e digestões difíceis e prolongadas, situações, muitas vezes, relacionadas com os excessos alimentares.

Além dos excessos alimentares, outras situações clínicas como intolerâncias alimentares e doenças gastrointestinais podem estar na origem do inchaço abdominal, devendo ser analisadas por um especialista.

Posto isto, e para ajudar a minimizar esta tendência, vamos mostrar-lhe algumas estratégias para não se sentir inchada no Natal.

5 estratégias para não se sentir inchada no Natal

1. Faça refeições leves nos dias que antecedem e sucedem o natal

estratégias para não se sentir inchada no Natal

Apesar de, desde o início de dezembro, a maioria das pessoas entrar em modo Natal e começar a ficar com a agenda preenchida com inúmeros jantares / almoços e outros convívios típicos desta altura, há sempre espaço para fazer refeições leves que ajudem a compensar os excessos.

Com efeito, uma das melhores estratégias para não se sentir inchada no Natal é alternar as refeições mais pesadas com outras mais leves, constituídas por sopa e fruta ou sopa e uma fonte proteica (ex. carne ou peixe grelhado, ovos ou claras mexidos sem gordura, soja ou derivados).

Desta forma, reduz consideravelmente o valor energético da refeição, assim como o teor de hidratos de carbono e gordura, facilitando a digestão e evitando a sensação de enfartamento e barriga inchada.

2. Mexa-se mais

estratégias para não se sentir inchada no Natal

Outra das possíveis estratégias para não se sentir inchada no Natal é através da prática de mais exercício ou, pelo menos, de algum tipo de atividade.

Isto porque nos dias de Natal a tendência habitual é instalar-se a preguiça após as principais refeições e as pessoas ficarem sentadas no sofá, o que só vai agravar a sensação de inchaço.

Por outro lado, a prática de exercício físico promove os movimentos peristálticos do estômago e intestino, minimizando a sensação de enfartamento e evitando a prisão de ventre, uma das principais causas de barriga inchada.

Por esse motivo, evite passar tanto tempo sentado e aproveite para dar caminhar ou fazer outro tipo de exercício físico nos dias antes e após os excessos de Natal (e até mesmo após as refeições natalícias).

3. Reforce a hidratação

estratégias para não se sentir inchada no Natal

Para complementar as estratégias indicadas anteriormente, não podia faltar a hidratação.

Seja água ou chá sem açúcar, o importante é que nestes dias aumente a sua ingestão hídrica, de modo a minimizar a retenção de líquidos e a promover o bom funcionamento do trânsito intestinal.

Além disso, ao beber mais água será mais fácil minimizar a ingestão de refrigerantes e bebidas alcoólicas que fornecem calóricas ocas (desprovidas de qualquer valor nutricional) potenciam o inchaço abdominal, em particular as gasificadas.

Mesmo os refrigerantes sem açúcar devem ser evitados nestas alturas visto que são adoçados com adoçantes artificiais que também parecem contribuir para o inchaço abdominal.

Como tal, não se esqueça de beber pelo menos 1,5 litros de água ou chá sem açúcar, em especial nestes dias.

4. Minimize a ingestão de sal

estratégias para não se sentir inchada no Natal

O sal é um dos maiores amigos do inchaço, visto que promove uma maior retenção de líquidos e a sua acumulação em excesso no organismo.

Neste contexto, e não só durante a época natalícia, minimize a ingestão de sal e aposte, por exemplo, nas ervas aromáticas que são ótimos substitutos e não provocam este efeito no organismo.

Além disso, facilitam também a digestão (evitando digestões lentas e difíceis), ajudando a minimizar a sensação de enfartamento.

5. Ingira alimentos diuréticos e ricos em fibra

estratégias para não se sentir inchada no Natal

Os alimentos ricos em fibra são um dos melhores aliados para evitar a prisão de ventre e ajudar a livrar-se do inchaço abdominal.

Com efeito, a presença de fibra alimentar nas refeições promove os movimentos peristálticos do intestino e ajuda a dar mais volume às fezes, facilitando a sua eliminação, evitando que passem muito tempo no intestino.

Além disso, a fibra contribui para uma microbiota (flora intestinal) saudável, que está diretamente relacionada com a regularidade do trânsito intestinal e produção de gases, e também para prolongar a sensação de saciedade, minimizando, desta forma, a ingestão de alimentos ricos em açúcar e / ou gordura que potenciem o inchaço abdominal.

De entre estes alimentos salientam-se a fruta, os cereais integrais, as sementes, os legumes de folha verde escura (sendo o brócolo a exceção pois pode promover a acumulação de gases, contrariando o efeito pretendido), entre outros.

Por outro lado, existem ainda alimentos com ação diurética e que também ajudam na digestão, como é o caso do ananás e papaia que, devido à presença de bromeleína facilitam a digestão e ajudam a reduzir o inchaço abdominal.

Se decidiu começar a alimentar-se de forma mais saudável e, agora, só precisa de consultar um nutricionista para o acompanhar, saiba que as clínicas BodyScience tem uma equipa de nutricionistas que o podem ajudar a traçar uma alimentação adequada às suas necessidades, preferências alimentar e atividades diárias.

Veja também:

Fontes

Mari, A. et al. (2019). “Bloating and Abdominal Distension: Clinical Approach and Management”. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30879252