Camila Farinhas
Camila Farinhas
10 Jul, 2020 - 11:08

Doenças respiratórias: tipos, sintomas e quando deve procurar ajuda médica?

Camila Farinhas

Reconhecer as doenças respiratórias, assim como aos seus sintomas, é essencial para saber quando deve recorrer a um especialista.

Doenças respiratórias: ilustração de pulmões num corpo feminino

Segundo dados publicados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), as doenças respiratórias sofreram um aumento de 3,8%, representando 11,7% da mortalidade total em Portugal (1). Entre estas, destaca-se a pneumonia como principal causa de morte. Fique a saber quais são as principais doenças do aparelho respiratório, os sintomas e quando deve consultar um médico.

Doenças respiratórias: o que são e quais as mais comuns?

As doenças respiratórias têm elevada prevalência na população portuguesa, sendo que esta continua a aumentar (2). Interferem significativamente na qualidade de vida e constituem uma limitação na capacidade de trabalho. As doenças respiratórias do sono (como o ressonar) afetam igualmente nas atividades diárias, relacionamento pessoal e estado geral de saúde. Desta forma, as principais doenças do aparelho respiratório são:

1.

Asma brônquica

Mulher a utilizar um inalador de asma

Doença obstrutiva das vias aéreas, que tem por base um processo inflamatório crónico que condiciona a contração dos músculos brônquicos (ou broncoconstrição) e consequente limitação do fluxo de ar que respiramos, e que é potencialmente reversível.

Em Portugal, estima-se que mais de 600.000 pessoas sofrem desta doença, principalmente a faixa etária pediátrica (3). A causa da asma não é totalmente conhecida, mas sabe-se que na sua base estão mecanismos de hiperreatividade exagerada que alguns indivíduos apresentam quando são expostos a determinados estímulos: alergénios ambientais e ocupacionais, animais, tabaco, prática de exercício físico, emoções fortes ou condições meteorológicas.

As queixas variam de doente para doente, mas agravam-se sobretudo à noite e nas primeiras horas da manhã.

Principais sintomas

Pessoas que sofrem de asma referem como sintomas principais:

  • Dispneia (falta de ar)
  • Pieira (chamada comumente de “gatinhos”)
  • Sensação de peso no peito quando respira
  • Tosse (geralmente seca)

Em quadros moderados a graves de asma, os sintomas são:

  • Polipneia (aumento da frequência respiratória)
  • Dificuldade em terminar frases
  • Diminuição dos níveis de oxigénio no sangue
  • Cianose (coloração azulada ao nível da língua e mucosas)
  • Taquicardia (aumento da frequência cardíaca).
  • Sonolência excessiva
  • Fadiga diurna, que afeta os níveis de concentração e rendimento escolar ou laboral

Diagnóstico

O diagnóstico de asma é efetuado com base no exame de espirometria. Este exame permite confirmar a existência de obstrução ao fluxo de ar e a sua reversibilidade. Outros exames também podem ser efetuados consoante decisão clinica: prova com metacolina (substância que atua como estímulo que origina a obstrução dos brônquios em indivíduos asmáticos) ou ainda testes de sensibilidade cutânea para despiste de eventuais alergias. 

Tratamento

O tratamento da asma pode ter dois intuitos:

  1. Tratamento agudo: medicação para alívio de sintomas (broncodilatadores de ação rápida e os corticóides sistémicos (em casos mais quadros moderados a graves)).
  2. Tratamento de controlo: tem como objetivo atingir a estabilidade da inflamação e dos sintomas, diminuir o grau de limitação do fluxo aéreo e minimizar o risco de exacerbações. A medicação mais usual são os corticóides inalados, broncodilatadores de longa ação, antagonistas dos recetores dos leucotrienos e os corticóides sistémicos).

A grande maioria dos doentes asmáticos sofre de rinite (80%). Assim, o diagnóstico deve ser adequado, pois são entidades que se agravam mutuamente e cuja abordagem completa é essencial para se atingir um controlo mais eficaz (3).

Asma em tempos de COVID-19: mulher a usar inalador da asma
Veja também Asma e COVID-19: o que um asmático deve saber
2.

Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC)

Mulher com dificuldade em respirar

A Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) é uma doença bronco pulmonar que resulta da obstrução das vias aéreas. Estima-se que 5,42% da população sofra desta patologia, mais frequente nos homens do que nas mulheres devido aos hábitos tabágicos (4). Na designação de DPOC inclui-se:

  1. Bronquite crónica: inflamação crónica dos brônquios, definindo-se como a presença de tosse e expetoração na maior parte dos dias, principalmente de manhã, durante 3 meses e durante 2 anos consecutivos.
  2. Enfisema: pode ser causado pela bronquite crónica. Existe destruição progressiva do interstício pulmonar, e os pulmões perdem a sua elasticidade. Existe também o colapso das vias aéreas vizinhas.

A DPOC instala-se lenta e progressivamente, pelo que as pessoas que sofrem desta patologia consultam um médico já em casos mais avançados. As principais causas para desenvolver uma DPOC são o tabagismo e exposição ocupacional a agentes químicos. Para quem é fumador, a poluição ambiental é ainda um fator adicional para desenvolver a doença.  A espirometria é o principal exame de diangnóstico da DPOC (2).

Como tratar a DPOC?

Embora seja uma doença crónica, existem algumas medidas para prevenir o seu agravamento e melhorar a qualidade de vida das pessoas que sofrem desta patologia:

  • Deixar de fumar: é a principal medida que impede o agravamento da doença
  • Evitar as infeções respiratórias
  • Tratar as infecções respiratórias: se necessário recorrer a broncodilatador para combater a falta de ar e o cansaço
  • Hábitos de vida saudável e, se necessário, recorrer a fisioterapia respiratória
  • Oxigénio: apenas se prescrito pelo médico
3.

Pneumonia

Mulher com sintomas de gripe deitada no sofá

A pneumonia corresponde à principal causa de morte por doença respiratória em Portugal (1, 2). É uma inflamação no parênquima pulmonar, local onde ocorrem as trocas gasosas indispensáveis à vida. Pode ter vários quadros, indo de leve a mortal dependendo da idade do doente e do seu estado geral de saúde.

Causas

A pneumonia é causada pela presença de agentes infecciosos no espaço alveolar, onde ocorrem as trocas gasosas através das vias aéreas. Pode ser de origem bacteriana (pneumococo) ou de origem viral (vírus da gripe). Mais recentemente, temos o caso da COVID-19 como pneumonia de origem viral.

Sintomas

Os sintomas mais comuns de pneumonia são:

  • Febre
  • Tosse
  • Calafrios
  • Dores musculares e articulares
  • Cefaleias (dor de cabeça)

Tratamento

Na maioria dos casos, o tratamento é realizado em ambulatório, salvo casos onde se verifica doenças crónicas associadas e estado geral de saúde desfavorável. No caso específico da pneumonia, a Direção-Geral da Saúde aconselha a vacinação contra a gripe na população acima dos 65 anos de idade, conforme consta do programa nacional para as doenças respiratórias (2).

4.

Cancro do pulmão

Médico a analisar radiografia aos pulmões

O cancro do pulmão é o cancro mais frequente em todo o mundo (5). O seu aparecimento está ligado a fatores como o tabagismo (85% a 90% dos casos), exposição ocupacional e à predisposição genética. Quando um indivíduo susceptível é posto em contacto com um agente carcinogénico, após um período de latência mais ou menos longo, as suas células vão sofrer alterações que levam ao aparecimento desta doença.

O cancro do pulmão é dividido em 2 tipos histológicos:

  1. Carcinoma Pulmonar de Pequenas Células (CPPC): representa 20% dos carcinomas pulmonares e o seu aparecimento esta relacionado fortemente com o tabagismo. As suas células multiplicam-se muito rapidamente, é muito agressivo e metastiza precocemente. Responde relativamente bem à Quimioterapia e à Radioterapia.
  2. Carcinoma Pulmonar de Não-Pequenas Células (CPNPC): Divide-se em três tipos, de acordo com as células que o compõem:
    • Adenocarcinoma (40%): tumor mais frequente nos não-fumadores. Muitas vezes não provoca sintomas por se localizar mais na periferia do pulmão. Metastiza cedo para os gânglios linfáticos, fígado, osso e cérebro.
    • Carcinoma de células escamosas ou epidermóide (25% a 30%): localização mais central, provocando sintomas mais cedo. Tem crescimento lento, sendo um dos tumores que permanece mais tempo localizado.
    • Carcinoma de grandes células (10% a 15%): provoca habitualmente tumores grandes à periferia, e também tem capacidade precoce de metastização.

Principais sintomas

Os principais sintomas de cancro do pulmão são:

  • Perda de peso e apetite acentuados
  • Febre
  • Fadiga
  • Tosse crónica
  • Dispneia
  • Tosse ou rouquidão
  • Expetoração com sangue
  • Dor no toráx

Em casos de doença metastizada, os sintomas podem ser:

  • Dor na coluna ou abdómen
  • Dor óssea
  • Cefaleias ou distúrbios neurológicos

Outras doenças respiratórias

Existem outras doenças respiratórias, embora sejam menos frequentes e a sua mortalidade residual, de acordo com os dados da Direção-Geral da Saúde:

  • Fibrose Pulmunar
  • Fibrose Quística
  • Sindrome da apneia do sono

Doenças respiratórias: quando consultar um médico?

Deve recorrer a um médico se:

  • Identificou algum dos sintomas mencionados anteriormente, ou pertence a um dos grupos de risco
  • Tem uma doença respiratória já diagnosticada que não está controlada
  • Ressona ou dorme mal
  • Faz apneia durante o sono e acorda cansado, adormecendo durante o dia

É importante ainda salientar que algumas doenças pulmonares agudas como a tuberculose ou a pneumonia podem deixar sequelas no interstício pulmonar, sendo causadoras de infeções frequentes ou incapacidade funcional. É por isso fundamental estar vigilante se já sofreu de alguma destas patologias.

Fontes

  1. INE-Instituto Nacional de Estatística (2020). Mortes por doenças do aparelho respiratório aumentaram 3,8% – 2018. Acedido em 8 de Julho de 2020. Disponível em:https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=399595079&DESTAQUESmodo=2&xlang=pt
  2. Direção-Geral da Saúde (2017). Programa Nacional para as Doenças Respiratórias. Disponível em: https://www.dgs.pt/portal-da-estatistica-da-saude/diretorio-de-informacao/diretorio-de-informacao/por-serie-884765-pdf.aspx?v=%3d%3dDwAAAB%2bLCAAAAAAABAArySzItzVUy81MsTU1MDAFAHzFEfkPAAAA
  3. Sociedade Portuguesa de Pneumologia (2017). Tudo o que deve saber sobre asma. Disponível em: https://www.sppneumologia.pt/uploads/subcanais_conteudos_ficheiros/guia-asma_2017.pdf
  4. Sociedade Portuguesa de Pneumologia (2017). DPOC. Acedido a 9 de Julho de 2020. Disponível em: https://www.sppneumologia.pt/doentes/dpoc
  5. Sociedade Portuguesa de Pneumologia (2017). Pneumonia. Acedido a 9 de Julho de 2020. Disponível em https://www.sppneumologia.pt/doentes/pneumonia6 Sociedade Portuguesa de Pneumologia (2017). Cancro do pulmão. Disponível em https://www.sppneumologia.pt/uploads/subcanais_conteudos_ficheiros/21.pdf

Veja também