Enfermeira Sónia Alves
Enfermeira Sónia Alves
03 Jun, 2020 - 08:05

COVID-19: cuidados a ter no regresso às escolas e infantários

Enfermeira Sónia Alves

Fique a par das normas propostos pela Direção-Geral da Saúde para o regresso às escolas e infantários.

Regresso às escolas e infantários: alunos numa sala de aula

O regresso às escolas e infantários tem sido um dos temas mais falados na nossa comunicação social desde que se iniciou o processo de desconfinamento. Apesar de muitas escolas ainda não terem as suas “portas abertas”, as dúvidas são muitas em relação a como será a sua reabertura.

Contundo, há algumas questões em aberto que importa pensar e tentar desmistificar, como por exemplo:

  • Será que todos os pais, professores e alunos, sabem atuar neste regresso à escola?
  • O que é preciso mudar na rotina das crianças para que possam regressar em segurança?
  • Será que toda a gente tem noção das regras básicas a cumprir?
  • Será que as escolas estão adaptadas a todas as mudanças necessárias?
  • Quais serão os materiais de proteção que alunos e pessoal docente e não docente precisam de usar?
  • Será que a escola sabe atuar caso haja um caso suspeito ou até mesmo um caso positivo no meio escolar?

Porém, citando a Direção-Geral da Saúde (DGS), nomeadamente a orientação nº 024/2020, “com a evolução epidemiológica e a necessidade de assegurar a continuidade de ano letivo 2019/2020 foi aprovado um conjunto de medidas que prevê a minimização da interrupção do ensino e que, ao mesmo tempo, que reforça a prevenção da COVID-19 em ambiente escolar, para os 11º e 12º anos de escolaridade e para os 2º e 3º anos (…)” (1).

Todos os grupos escolares foram obrigados a cumprir algumas medidas, para que o seu funcionamento fosse autorizado. Por isso mesmo, partilhamos essas medidas para que consiga consultar e validar todas as dúvidas e/ou questões que eventualmente possa ter.

Regresso às escolas e infantários: medidas gerais e específicas para a prevenção do contágio

1.

Medidas Gerais

Estudante na escola a usar máscara
  • Todas as escolas terão a responsabilidade para elaborar e/ou atualizar o Plano de Contingência para a COVID-19, tendo em conta a Orientação 006/2020 (2)
  • Terá de existir um elo de ligação com entidades da Saúde Pública;
  • Condições sanitárias;
  • Condições necessárias para se manter o distanciamento físico;
  • Gestão de resíduos
  • Uso obrigatório de máscara por parte dos funcionários docentes e não docentes e pelos alunos (a partir dos 10 anos de idade)
  • Disponibilizar informação sobre a correta higienização das mãos, etiqueta respiratória e colocação de máscara
  • Alunos e funcionários docentes ou não docentes com sinais e sintomas de COVID-19 não deverão apresentar-se na escola. Caso isso aconteça, deverão informar o meio escolar, para que possam acionar os meios de resposta necessários
Como usar máscara corretamente: mulher a colocar máscara de proteção na face
Veja também Máscaras de proteção: como usar corretamente e quais os cuidados a ter na sua utilização?
2.

Organização geral

  • Os alunos deverão ser organizados em grupos (de preferência não muito grandes) e devem manter esta organização ao longo de todo o período que permanecerem na escola
  • Deverá haver o distanciamento físico de 2 metros. Espera-se que esta norma seja aplicada apenas pelos alunos do 11º e 12º anos, pois é inevitável que os alunos mais novos tenham contacto físico
  • Boa gestão de todos os funcionários para garantir o funcionamento das escolas.
3.

Organização do espaço escolar

Sala do pré-escolar
  • Cada grupo escolar deverá ser restringido a uma zona da escola, ou seja, os alunos do 11º e 12º ano num espaço e os restantes grupos de alunos como berçário, sala de 1 ano, entre outros, deverão permanecer noutro local
  • Existência de circuitos de entrada e saída da sala de aula, de forma a impedir um cruzamento constante
  • A sala de aula deve ser, sempre que possível, utilizada pelo mesmo grupo de alunos
  • O distanciamento nos intervalos deve ser mantido
4.

Acesso ao recinto escolar

  • A entrada dos alunos deve ser realizada de forma desfasada, para evitar aglomerados
  • Todos os espaços que não sejam necessários para lecionar aulas devem estar encerrados, para que não haja a contaminação dos mesmos
  • Para todos os pais que irão levar as crianças à escola (berçário, sala de 1 ano e sala de 2 anos), terão de usar protetores de sapatos
  • Todas as crianças terão de ter um calçado na escola, para que haja a troca assim que chegarem à sala de aula
  • Não podem levar brinquedos de casa para a escola
  • Poderá ocorrer em algumas escolas que as mesmas não autorizem a entrada dos pais no recinto, pelo que haverá sempre um docente de referência que levará as crianças para a sala de aula, tendo em conta as medidas de proteção
  • Sempre que houver necessidade de utilização da biblioteca ou sala de informática, deve haver redução da sua lotação máxima (pelos menos com uma redução de 50%), e terá de haver uma higienização após cada utilização
  • Uso de máscara dentro de todo o recinto escolar (à exceção das crianças com idade inferior a 10 anos)
  • Manter portões e portas abertas para que não haja toque frequente por exemplo nos puxadores de portas
5.

Disposição de salas de aula

Sala de aula sem alunos
  • Todas as salas de aula devem garantir uma maximização do espaço entre alunos e alunos/docentes para garantir o distanciamento físico
  • As mesas deverão ser colocadas o mais possível junto das paredes e janelas de acordo com estruturas físicas
  • Privilegiar a renovação frequente do ar (por exemplo: janelas e portas abertas)
6.

Procedimentos a ter perante a identificação de um caso suspeito

  • Todo o pessoal docente e não docente deve estar informado sobre o Plano de Contingência interno e sobre os procedimentos perante a identificação de um caso suspeito
  • Caso ocorra um caso suspeito o docente e/ou aluno deverá ser encaminhado para a área de isolamento previamente definido e pelos trajetos definidos
  • Deverá ser contactada a Linha de Saúde 24 (808 242424)
  • A autoridade de Saúde local, deverá ser contactada e informada do caso suspeito
  • Reforçar a desinfeção e limpeza de todas as superfícies utilizadas pelo caso suspeito e na área de isolamento
  • Todos os resíduos produzidos pelo caso suspeito deverão ser colocados em duplo saco (plástico)
7.

Higienização ambiental da escola

Senhora da limpeza de uma escola a desinfetar puxadores de portas
  • A desinfeção e limpeza de superfícies devem ser realizadas conforme a Orientação 014/2020 da DGS (3)
  • O vírus SARS-CoV-2 pode sobreviver durante várias horas em diversas superfícies
  • Todas as superfícies com maior risco de contaminação são todas as superfícies de toque frequente, as que são mais manipuladas ou tocadas. Exemplos: maçanetas das portas, teclados, ratos, tablets, torneiras, botões dos elevadores, cadeira, corrimão, entre outros
  • Além da limpeza e higienização comum de todos os espaços, terá de haver um cuidado extra nas seguintes áreas (refeitório, casas de banho, salas de aula, área de isolamento para caso suspeito)
  • Caso haja locais na escola com ar condicionado, todo o sistema deverá ter um modo de extração e nunca um modo de reutilização do ar e deverá haver uma manutenção regular
  • Deverá existir um plano de higienização para que todos os funcionários possam aceder (exemplo: como deve ser limpo; o que se deve limpar; que produtos aplicar; quando dever ser desinfetado; quem deve limpar)
  • Todos os profissionais de limpeza devem conhecer bem os produtos e como os utilizar
  • É fundamental que todos os docentes, além de todos os profissionais de limpeza, conheçam o plano de higienização e caso existam dúvidas poderão sempre validar com o Grupo nacional do Programa de Prevenção e Controlo de Infeção e Resistência aos Antimicrobianos (PPCIRA)
8.

Refeitórios escolares

  • Fundamental que, antes da entrada dos alunos para este espaço, haja uma correta desinfeção das mãos
  • Garantir a limpeza e desinfeção das superfícies, segundo a Orientação 014/2020 da DGS (3), como por exemplo: utilizar os detergentes adequados aos locais e superfícies e higienizar após cada utilização
  • Utilizar luvas descartáveis e, quando necessário, proceder à sua troca. O uso das luvas não implica que não haja uma correta desinfeção das mãos após serem retiradas as luvas
  • As luvas devem ser usadas por um período máximo de 4 horas
  • Não ter decoração em nenhuma mesa
  • Assegurar uma boa ventilação com janelas e portas abertas, caso não haja ar condicionado.

Contudo, é fundamental que em todas as situações haja sempre calma, bom senso e cumprimento de todas as regras, pois só assim será possível aceitar e fazer cumprir as normas propostas pela DGS. Estas medidas podem ser atualizadas. Vá estando atento.

Fontes

  1. Freitas, M.G (2020). COVID-19. Regresso ao Regime Presencial dos 11º e 12º Anos de Escolaridade e dos 2º e 3º Anos dos Cursos de Dupla Certificação do Ensino Secundário. Acedido no dia 25 Maio 2020: https://www.dgs.pt/directrizes-da-dgs/orientacoes-e-circulares-informativas/orientacao-n-0242020-de-08052020-pdf.aspx
  2. Freitas, M.G (2020). Infeção por SARS-CoV-2 (COVID19). Procedimentos de Prevenção, Controle e Vigilância em Empresas. Acedido no dia 26 Maio 2020: https://www.dgs.pt/directrizes-da-dgs/orientacoes-e-circulares-informativas/orientacao-n-0062020-de-26022020-pdf.aspx
  3. Freitas, M.G (2020). Infeção por SARS-CoV-2 (COVID19). Limpeza e Desinfeção de Superfícies em Estabelecimentos de Atendimento ao Público e Similares. Acedido no dia 26 Maio 2020: https://www.dgs.pt/directrizes-da-dgs/orientacoes-e-circulares-informativas/orientacao-n-0142020-de-21032020-pdf.aspx
Veja também