Teresa Santos
Teresa Santos
24 Mar, 2020 - 07:15

COVID-19 e idosos: os cuidados de um dos maiores grupos de risco

Teresa Santos

Os riscos da equação COVID-19 e os idosos são reais e, por isso, este é um dos grupos que deve ter cuidados redobrados. Perceba as suas particularidades.

Idosa a tomar chá

A COVID-19 e os idosos merece uma análise demorada e atenta, uma vez que este é um dos grupos de maior risco, no que respeita à infeção pelo novo coronavírus. Além da idade avançada e de um sistema imunitário potencialmente mais frágil, o facto de muitos séniores terem morbilidades torna-os alvos mais frequentes deste novo vírus.

As taxas de mortalidade dos vários países já afetados por esta pandemia corroboram esta mesma tendência e evidenciam que os mais velhos são mesmo as vítimas mais recorrentes do novo coronavírus. Portanto, falar sobre COVID-19 e os idosos é, acima de tudo, apelar à prevenção e ao isolamento social, de modo a evitar ao máximo a contaminação por este novo vírus.

COVID-19 e os idosos: aspetos a ter em consideração

Não, esta não é uma doença exclusiva dos mais velhos. Porém, a COVID-19 e os idosos afigura-se como uma combinação muito mais perigosa e com consequências muito mais graves, do que aquelas que suscita junto dos jovens.

Por essa razão, os séniores são especialmente convidados a tomar medidas preventivas que os protejam da ameaça que este vírus é particularmente para eles. Para isso, o isolamento social é deveras recomendado o que constitui em si, simultaneamente, uma medida preventiva, mas igualmente preocupante. Isto, porque o isolamento dos idosos levanta, desde logo, dois tipos de preocupações, por um lado com a sua alimentação e, por outro lado, com o seu bem-estar psicológico.

Alimentação

Dietas para perder peso rapidamente: homem a preparar o almoço

O isolamento sénior pode ter uma influência direta na qualidade da sua alimentação. A perda da sua rede de apoio e a solidão podem contribuir, de forma determinante, para o agravamento do estado nutricional dos mais velhos, quer residam nas suas casas, quer em lares.

Acontece que um mau estado nutricional potencia um pior prognóstico em caso de infeção pelo novo coronavírus e, ainda, um maior risco de complicações em caso de doença aguda, podendo mesmo resultar em morte.

Assim, nesta fase de pandemia e de isolamento é, mais do que nunca, essencial garantir que os mais velhos fazem uma alimentação equilibrada e adequada à sua faixa etária e estado de saúde, seguindo as recomendações da Roda dos Alimentos como, por exemplo:

  • consumir, diariamente, cerca de 500ml de leite e/ou derivados
  • ingerir, todos os dias, 2 a 3 peças de fruta
  • comer leguminosas (feijão, grão, ervilhas, lentilhas…), pelo menos 3 vezes por semana
  • comer, ao almoço e ao jantar, sopa de hortícolas, por ser rica em vitaminas e minerais
  • ingerir cerca de 90g de carne, pescado ou ovos, ao almoço e ao jantar
  • fazer refeições mais leves e frequentes ao longo do dia, numa média de 5 a 6
  • beber, diariamente, 1,5 a 2 litros de água, cerca de 8 copos

NOTA: Especialmente durante esta fase de isolamento, pode haver lugar a carências de vitamina D, devido à baixa exposição solar. Além dos idosos deverem apanhar, pelo menos, 20 minutos de sol por dia, nem que seja através duma janela, pode também ser importante fazer um reforço com alimentos ricos nesta vitamina, como o leite fortificado ou cereais de pequeno-almoço fortificados. Em alguns casos, pode justificar-se a suplementação com vitamina D.

orientações na área da alimentação: mulher a lavar alimentos
Veja também COVID-19: PNPAS da DGS dá orientações na área da alimentação

Bem-estar físico e psicológico

COVID-19 e os idosos: avó a falar com o neto ao telefone

Garantir o bem-estar físico e psicológico dos séniores numa situação de isolamento passa, acima de tudo, por transmitir-lhes dicas práticas e úteis que os ajudem a lidar da melhor maneira com esta situação que também é nova para eles. Sensibilize os mais velhos para os seguintes aspetos:

  • manter-se informado, sem estar constantemente a consumir notícias e privilegiando SEMPRE as fontes oficiais (OMS, SNS ou DGS)
  • pedir ajuda, sempre que precisar. Além da família, as juntas de freguesia encontram-se a prestar apoio à população mais velha
  • continuar a tomar corretamente a medicação habitual
  • estar atento a eventuais sintomas de doença e, em caso de dúvida, contacte de imediato a linha de Saúde 24 (808 24 24 24)
  • manter o contacto com familiares e amigos, nomeadamente através de chamadas e videochamadas
  • fazer atividades que relaxem e ajudem a ocupar o tempo em casa, como ouvir música, ler livros, ver filmes.
  • manter rotinas e horários saudáveis, assim como hábitos de higiene pessoal
Mulher a colocar máscara de proteção reutilizável
Veja também Familiar em casa com COVID-19? Saiba que cuidados deve ter

O que deve fazer se tem um familiar sénior, em situação de isolamento

Quem tem familiares idosos em isolamento também deve procurar estar especialmente presente, ainda que não fisicamente. Há uma série de medidas que deve mesmo seguir para garantir que essa ausência presencial é, de certa forma, compensada. Siga algumas sugestões da Ordem dos Psicólogos:

  • ligar regularmente, mostrando-se disponível para ouvir
  • criar uma rede de apoio que vá contactando o sénior, de modo a que ele se sinta sempre acompanhado
  • disponibilizar ao idoso meios tecnológicos que facilitem a comunicação à distância
  • avaliar o estado de saúde e de bem-estar do sénior, estando atento ao seu discurso e comportamento diários
  • estar particularmente alerta para eventuais sinais de doença
  • controlar a correta toma da medicação
  • incentivar o exercício físico e a alimentação equilibrada

Notas finais

A situação que vivemos atualmente é nova para todos. A população sénior por ser, por norma, mais frágil, merece atenção redobrada e, neste momento, cuidar dos idosos é, mesmo, mantê-los isolados, especialmente dos mais jovens, que podem muitas vezes estar infetados pelo novo coronavírus e nem sequer terem sintomas.

Porém, sabemos que o isolamento sénior é perigoso e também pode ter consequências graves para a sua saúde e bem-estar. Por isso, é essencial tomar outras medidas que previnam males maiores e sejam capazes de acompanhar e apoiar os nossos séniores durante esta fase, longa e difícil.

Assim, quer seja familiar de um idoso, quer seja uma instituição de acolhimento sénior, tenha em consideração as recomendações que deixámos e que são, de resto, as das entidades de referência como a Direção Geral da Saúde e a Ordem dos Psicólogos.

Garantir uma alimentação adequada durante o isolamento, bem como a saúde mental, são duas premissas essenciais para garantir que os nossos séniores evitam o novo coronavírus ou, em caso de infeção, têm mais probabilidades de recuperar da COVID-19.

Fontes

  1. Como lidar com uma situação de isolamento se for um cidadão sénior (ou seu familiar). Ordem dos Psicólogos. Disponível em: https://www.ordemdospsicologos.pt/ficheiros/documentos/covid_19_seniores.pdf
  2. COVID-19 e estado nutricional dos idosos. Direção Geral da Saúde. Disponível em: https://nutrimento.pt/noticias/covid-19-e-estado-nutricional-dos-idosos/
Veja também