Psicóloga Ana Graça
Psicóloga Ana Graça
04 Fev, 2021 - 12:01

Ansiedade na gravidez: “será que vou conseguir lidar com tudo”?

Psicóloga Ana Graça

Primeira gravidez, primeiro trimestre, um milhão de dúvidas, medos e preocupações. Como lidar com a ansiedade na gravidez? Eis 5 dicas que vão ajudar!

ansiedade na gravidez

É comum que as grávidas encontrem sempre alguma coisa com que se preocupar, sobretudo numa primeira gravidez. Felizmente, grande parte das preocupações não se confirmam e a maioria das gestações desenrolam-se sem problemas até ao fim do tempo. Mas será que a ansiedade na gravidez pode ter implicações negativas para a saúde materna? Como enfrentá-la? Vamos tentar descobrir!

Gravidez e ansiedade: qual a relação?

grávida a sentir o bebé

A gravidez é um período exigente da vida da mulher pelo que é comum que tenha associada a presença de ansiedade. De facto, uma investigação realizada neste âmbito mostra que a sintomatologia ansiosa é muito frequente nesta fase, mais até do que no período pós-parto.

Os estudos têm mostrado que o período intermédio da gravidez parece ser aquele em que os níveis de ansiedade são menores, sendo por isso o primeiro e o terceiro trimestres de gestação aqueles em que as grávidas tendem a apresentar maior sintomatologia ansiosa.

No início da gestação, as grávidas tendem a preocupar-se tanto com os sintomas (por exemplo, cãibras, enjoos ou algumas dores abdominais) como com ausência destes. Aliás, não se sentir grávida é uma das principais preocupações no primeiro trimestre. Este receio é compreensível, já que nesta fase a barriga ainda não é notória e os movimentos do bebé ainda não se fazem sentir, e as gestantes tendem a questionar-se se tudo estará a correr bem.

Assim sendo, um certo grau de preocupação é normal mas, por vezes, essa preocupação transforma-se num medo intenso, ansiedade desmedida e pânico. As situações de ansiedade extrema devem ser conversadas com os profissionais de saúde que acompanham a gravidez, já que, felizmente, existem soluções para o seu alívio (1,2).

Quais as principais preocupações durante a gravidez?

Os estudos relacionados com a ansiedade na gravidez têm tentado perceber quais as preocupações mais relevantes das mulheres durante a gravidez. Eis algumas dessas preocupações, que podem justificar o aumento dos níveis de ansiedade durante a gestação:

  • Saúde do bebé;
  • Momento do parto;
  • Possibilidade de um aborto;
  • Problemas financeiros;
  • Questões relacionadas com os serviços de saúde (por exemplo, sobrelotação do hospital ou excesso de trabalho por parte da equipa médica) (1).
saúde mental da grávida
Veja também Como cuidar da saúde mental da grávida? 5 recomendações!

Ansiedade na gravidez: as implicações para o bem-estar da grávida

grávida no sofá a olhar para ecografia do seu bebé

A gravidez é um período de transição e de grande significado na vida de qualquer mulher. Exige transformações e mudanças enormes a nível físico e psicológico, e acrescenta ao dia-a-dia da gestante novos sintomas (por exemplo, náuseas, vómitos, fadiga) e preocupações.

Os efeitos da ansiedade na gravidez, especialmente quando esta é patológica, têm vindo a ser estudados. As implicações da ansiedade na gravidez ao nível do bem-estar da grávida parecem ser várias, nomeadamente:

1. Alguns autores consideram ser provável que a ansiedade tem o poder de influenciar os níveis hormonais e por isso, possa ser determinante no surgimento de complicações obstétricas.

2. Um risco aumentado de aborto espontâneo foi associado a acontecimentos de vida recentes, altamente indutores de ansiedade (por exemplo, falecimento de alguém próximo ou ser vítima de um crime) e a elevado stress no local de trabalho.

3. A ansiedade e o stress profissional têm também sido associados ao aumento de risco de desenvolvimento de pré-eclampsia em fases tardias da gravidez.

4. Também tem sido associado à ansiedade na gravidez o agravamento dos sintomas físicos decorrentes da gestação (por exemplo, náuseas, vómitos, fadiga) (1).

Ansiedade na gravidez: “será que vou conseguir lidar com tudo”?

É importante que todas as grávidas tenham presente que é normal e comum sentir preocupações diversas e alguma ansiedade, bem como saibam que ninguém consegue fazer tudo, nem fazer tudo perfeito.

As mães superam-se dia-a-dia mas não deixam de ser humanas. Vestir a capa de super-mãe e tentar lidar com tudo sem ajuda de ninguém não é viável e algumas tarefas terão mesmo que ficar para trás. Eis 5 dicas que podem ajudar nesta gestão:

1. Aceitar que a perfeição não existe e que dificilmente serão capazes de desempenhar todas as tarefas no trabalho, manter a casa impecável, o cesto da roupa vazia, o frigorífico cheio e, ao mesmo tempo, ser uma mãe exemplar.

2. Refletir sobre as prioridades e ordená-las de acordo com a sua importância. O bebé deve ser a prioridade e, por isso, manter a casa limpa e arrumada talvez possa ocupar um lugar mais secundário.

mãe grávida com criança

3. Abandonar expectativas pouco realistas. Conversar com mães mais experientes pode ajudar a reajustar as expectativas, diminuir a ansiedade na gravidez. Definir padrões demasiado elevados apenas trará deceções desnecessárias.

4. Partilhar. A gravidez e o pós-parto implicam uma enorme reorganização do dia-a-dia. É desejável que a mulher não esteja sozinha nesta tarefa. Todas as fontes de apoio são válidas: o pai do bebé, os avós, outros parentes, amigos, uma ama, uma creche.

5. Procurar ajuda. Quando a ansiedade na gravidez afeta o dia-a-dia de forma significativa, importa procurar a ajuda certa. Importa partilhar as preocupações e as emoções mais desafiantes com os profissionais de saúde que acompanham a gravidez (2).

Fontes

  1. Conde, A., Figueiredo, B. (2003). Ansiedade na Gravidez: Factores de risco e implicações para a saúde e bem-estar da mãe. Psiquiatria Clínica, 24, (3), pp. 197-209. Disponível em: https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/4217/1/Ansiedade%20na%20gravidez%20%282003%29.pdf
  2. Murkoff, H., Mazel, S. (2017). O que esperar quando está à espera de bebé. 1ª edição. Casa das Letras.  
Veja também