As 6 maiores dificuldades para comer de forma saudável (e damos soluções!)

Comer bem e saudável é essencial para a saúde. No entanto, existem diversas dificuldades para comer de forma saudável que lhe vamos mostrar como contornar.

As 6 maiores dificuldades para comer de forma saudável (e damos soluções!)
O ritmo acelerado do dia-a-dia nem sempre nos permite fazer refeições saudáveis.

A intenção de redobrar cuidados com a alimentação é, cada vez mais, uma prioridade da sociedade atual, pois são cada vez maiores as dificuldades para comer de forma saudável.

No entanto, esta intenção de “comer bem e saudável” é, muitas vezes, boicotada com as inúmeras tentações dispersas no dia-a-dia, pela falta de tempo e pela necessidade de fazer a maioria das refeições fora de casa.

Com efeito, os alimentos processados, ricos em açúcar e/ou gordura, têm ganho cada vez mais espaço no quotidiano da maioria das pessoas devido à sua conveniência.

Porém, saiba que é possível comer bem e saudável, principalmente se se organizar e conseguir levar uma marmita com as refeições necessárias para o seu local de trabalho.

As maiores dificuldades para comer de forma saudável


1. Tentações alimentares

dificuldades para comer de forma saudavel e comer gomas

 

A maioria das tentações alimentares que conhecemos são ricas em açúcar e/ou em gordura e encontram-se do outro lado da rua ou na nossa própria casa.

Sejam bolos, produtos de pastelaria ou salgadinhos, a finalidade é, na maioria dos casos, a mesma: funcionar como alimentos conforto que nos consolam quando nos sentimos mais stressados, cansados, com fome ou tristes.

Isso acontece, particularmente com o açúcar, porque este ativa as papilas gustativas presentes na língua, as quais enviam sinais ao nosso cérebro para este libertar a dopamina, uma hormona que promove a sensação de bem-estar.

Uma boa forma de ultrapassar esta tentação é contornar a sensação de desconsolo e ir comendo regularmente ao longo do dia para evitar oscilações abruptas da glicemia que irão promover um consumo destes alimentos.

Além disso, tenha sempre disponível, tanto em casa como fora, alimentos de elevada densidade nutricional e com propriedades saciantes, como os frutos secos oleaginosos, lacticínios magros, ovo cozido, entre outros, para ser mais fácil não cair nas tentações alimentares.

2. Ansiedade/Stress

mulher com ansiedade

Se é uma pessoa ansiosa e acaba por “descarregar” a ansiedade na alimentação, esse é um dos maiores obstáculos que terá de contornar.

Em primeiro lugar, importa referir que existe uma diferença entre a fome física, que é aquela que parte da necessidade fisiológica do organismo, e a fome emocional, que é aquela que geralmente aparece de forma repentina e leva a comer alimentos específicos que, invariavelmente, são alimentos pouco saudáveis.

Como tal, faça o esforço de não ceder à sua fome emocional e tente distrair-se com uma conversa com um amigo / colega de trabalho, uma leitura ou até com a prática de exercício físico para desviar a sua mente.

Outro ponto importante é não ter consigo alimentos tentadores, como bolachas, chocolates, doces, entre outros, nem se deslocar a nenhuma loja para os comprar. Desta forma, será muito mais fácil controlar-se.

> Conheça aqui alimentos para controlar melhor o stress e a ansiedade.

3. Custos

dinheiro na carteira

Outra das dificuldades para comer bem é o facto de alguns alimentos mais saudáveis serem mais caros que outros menos interessantes do ponto de vista nutricional.

No entanto, atualmente já é mais fácil comer saudável e barato: para refeições intermédias, fruta, lacticínios, pão escuro em vez de bolachas ou bolos e refrigerantes; para as refeições principais, atum ao natural, peito de frango / peru, ovos, são fontes de proteína saudáveis e económicas.

4. Falta de tempo

marmita para o trabalho

 

Uma das soluções mais recorrentes para comer bem fora de casa é a preparação de marmita para levar para o trabalho. Desta forma, consegue controlar o que leva e, consequentemente o que come, evitando ofertas desequilibradas de restaurantes, cantinas ou bares.

Claro que isto pressupõe sempre uma grande organização e dispêndio de tempo, de modo a planear as refeições principais para sobrar para o dia seguinte, algo que nem sempre existe.

Neste sentido, o planeamento das refeições (principais e intermédias), assim como das compras do supermercado são fatores determinantes para o sucesso do seu projeto de comer bem fora de casa.

Como tal, no início da semana planeie a ementa semanal, incluindo o que vai incluir nos seus snacks entre refeições, e faça uma lista de compras com as quantidades necessárias para fazer pelo menos duas refeições.

Opte por refeições à base de carnes magras, peixe ou ovos, legumes ou salada e arroz ou massa, de modo a ser prático para aquecer no dia seguinte.

Quando o tempo escasseia mesmo e não tem tempo de fazer o jantar e, consequentemente fica sem opções para levar no dia seguinte para o almoço, é importante ter opções de refeições saudáveis já preparadas.

De facto, se tiver à mão latas de atum ou de peito de frango ao natural, leguminosas (feijão, grão) também enlatadas, saladas já preparadas e lavadas, arroz pré-confecionado que só necessite de aquecer, refeições congeladas que só necessitem de forno ou micro-ondas e ovos para cozer, consegue facilmente preparar uma refeição saudável, nem que seja uma pequena sandes.

Caso opte por esta última opção, evite molhos e utilizar um tipo de pão muito denso (mais de 60-70g).

5. Finais de semana

comer fora de casa

Quem nunca fugiu da rotina alimentar num jantar de amigos ao fim de semana e se sentiu culpado por isso? Saiba que pode não ser assim tão mau!

De facto, fazer uma refeição de asneira por semana pode ser benéfico para a sua saúde psicológica e para fugir à rotina da dieta, assim como para acelerar o metabolismo e a perda de peso.

O importante é que seja apenas uma refeição e não o fim de semana inteiro!

Caso já tenha feito uma destas refeições e tem mais um evento social na mesma semana, tente evitar as entradas, os refrigerantes e as sobremesas, e não encha o prato com tudo o que houver disponível, em particular batatas fritas. Se conseguir seguir estas indicações, já estará a minimizar bastante o problema.

6. Falta de orientação nutricional

orientacao nutricional

Quando o assunto é alimentação, polémicas é o que não falta. Alimentos da moda, dietas milagrosas, quantidades recomendadas e mais uma série de controvérsias podem dificultar bastante o objetivo de comer bem.

Procure um nutricionista que oriente de forma adequada e aprenda a comer bem diariamente e de acordo com as suas necessidades!

Veja também:

Nutricionista Rita Lima Nutricionista Rita Lima

Rita Lima é nutricionista e trabalha, atualmente, nos ginásios Urban Fit de Ermesinde, Antas Prime Fitness e CulturaFit Club no Porto. Durante 2 anos colaborou no projeto Dragon Force do Futebol Clube do Porto e com o Boavista Futebol Clube. É licenciada em Ciências da Nutrição pela Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto e frequentou o Curso de Nutrição no Desporto na mesma faculdade.