Nutricionista Hugo Canelas
Nutricionista Hugo Canelas
21 Jan, 2020 - 09:57

8 benefícios dos frutos secos

Nutricionista Hugo Canelas

Os frutos secos apresentam inúmeros benefícios para a saúde e não só. Neste artigo, destacamos 8 dos principais benefícios destes alimentos.

variedade de frutos secos
O artigo continua após o anúncio

Os frutos secos correspondem à semente ou caroço de plantas e frutos, sendo amplamente usados em preparações culinárias ou como snacks. A sua principal característica é a riqueza em ácidos gordos.

Alguns dos frutos gordos mais comuns incluem as amêndoas, nozes, avelãs, cajus e pinhões. Embora o amendoim seja tecnicamente uma leguminosa como o feijão e a ervilha, são constantemente referidos como frutos gordos devido ao perfil e características nutricionais.

Frutos secos: principais benefícios

Desejos por doces durante a TPM: vitamina E

1. Fonte importante de nutrientes

Os frutos gordos são bastante nutritivos. Uma porção de um mix destes alimentos contem (1):

  • Calorias: 173 Kcal
  • Proteína: 5 g
  • Gordura: 16 g (das quais 9 g são gorduras monoinsaturadas)
  • Hidratos de carbono: 6 g
  • Fibra: 3 g
  • Vitamina E: 12% das RDI
  • Magnésio: 16% das RDI
  • Fósforo: 13% das RDI
  • Cobre: 23% das RDI
  • Manganésio: 26% das RDI
  • Selénio: 56% das RDI

Alguns tipos apresentam maiores quantidades de certos nutrientes como por exemplo a castanha do Brasil que, apenas em uma unidade, é capaz de fornecer 100% das RDI para o Selénio (2).

Também o teor em hidratos de carbono é altamente variável. Avelãs, castanha do Brasil e noz da Macadâmia apresentam menos de 2 g de hidratos de carbono por porção, enquanto os cajus apresentam 8 g.

Mesmo assim, os frutos secos, independentemente do tipo, são ótimos aliados numa dieta low-carb.

2. Elevado conteúdo de antioxidantes

Os antioxidantes, incluindo os polifenóis presentes nos frutos gordos, são uteis na neutralização dos radicais livres, substâncias instáveis que se formam durante o metabolismo de certos compostos e que podem danificar a estrutura das células e aumentar o risco de doenças.

Vários estudos mostram que os antioxidantes das avelãs e amêndoas têm a capacidade de proteger a estrutura delicada das membranas das células dos processos oxidativos (35).

O artigo continua após o anúncio

Outro estudo detetou uma descida dos níveis de colesterol LDL oxidado – um importante marcador de risco cardiovascular – 2 a 8 horas após a ingestão de nozes pecân (6).

3. Podem ajudar na perda de peso

Mulher a verificar medidas após perder barriga

Embora sejam alimentos com um valor energético considerável, os frutos secos podem ajudar na perda de peso.

Um estudo com o objetivo de avaliar os efeitos da dieta mediterrânica descobriu uma relação entre a ingestão destes alimentos e a redução de 5 cm no perímetro da cintura (7). Particularmente, nozes e pistachos estão associados à perda de peso (810), assim como as amêndoas (11).

Ao que parece, mesmo apresentando grandes quantidades de calorias por porção, o corpo não as absorve na totalidade devido ao elevado conteúdo de material indigerível (fibras).

Na verdade, enquanto 1 porção de cerca de 30 g de amêndoas apresenta 160 a 170 calorias, o corpo apenas absorve 129 dessas calorias (12); o mesmo se verifica para outros frutos secos, com percentagens variáveis de calorias não absorvidas (1314).

4. Podem ajudar a baixar os lípidos sanguíneos

De acordo com os estudos, os frutos gordos apresentam um efeito hipolipidemiante muito interessante, atribuído ao seu conteúdo em ácidos gordos essenciais mono e poliinsaturados.

Um estudo em diabéticos revelou uma ligeira redução nos níveis de triglicerídeos no grupo suplementado com pistachos (15). Por outro lado, amêndoas e avelãs aparentam elevar o colesterol HDL – ou bom colesterol – enquanto reduzem o colesterol LDL, como indicado por vários estudos (16 – 19).

Por fim, o efeito de uma dieta com conteúdo moderado de gordura mas suplementada com nozes de macadâmia (ricas em ácido palmitoléico) parece ter o mesmo efeito no colesterol do que uma dieta pobre em gordura (2023).

O artigo continua após o anúncio

5. Benefícios na Diabetes tipo 2 e Síndrome Metabólica

Diabetes tipo 1: mulher a fazer tratamento de insulina

A síndrome metabólica engloba um conjunto de fatores de risco que podem potenciar o desenvolvimento de doença cardíaca e diabetes tipo 2, entre outras.

Neste sentido, os frutos gordos podem ser dos melhores alimentos para pessoas com síndrome metabólica e diabetes tipo 2, uma vez que são relativamente pobres em hidratos de carbono logo não influenciam significativamente os níveis de açúcar no sangue.

De facto, um estudo de 12 semanas revelou que o consumo de 25 g de pistachos por dia se traduz numa redução de, em média, 9% da glicose no sangue (24).

Vários outros estudos sugerem que a ingestão destes alimentos pode inclusive diminuir o stress oxidativo, a pressão arterial e outros marcadores de saúde em diabéticos e pessoas com síndrome metabólica (2528).

6. Podem reduzir a inflamação

A inflamação é uma das formas de defesa natural do corpo, sendo importante em caso de lesões e infeções bacterianas, entre outras agressões. No entanto, a inflamação crónica pode danificar os órgãos e aumentar o risco de doença.

Num estudo acerca do impacto da dieta mediterrânica na saúde, as pessoas suplementadas com frutos secos registaram uma diminuição de 35% e 90% dos marcadores inflamatórios proteina C reativa e interleucina 6, respetivamente (29).

De forma semelhante, alguns frutos secos (incluindo pistachos, castanhas do brasil, avelãs e amêndoas) estão associados à diminuição do estado inflamatório em diabéticos e doentes renais (243033).

7. Elevado conteúdo em fibras

mulher a comer frutos secos após o treino

A fibra alimentar apresenta vários benefícios para a saúde, funcionando como prebióticos (ou alimento para as bactérias intestinais) e sendo fermentadas em ácidos gordos de cadeia curta.

O artigo continua após o anúncio

Estes compostos apresentam benefícios incontáveis para a saúde, incluindo a promoção da saúde intestinal e redução do risco de diabetes e obesidade (343536).

Para além disso, como referido anteriormente, as fibras promovem a sensação de saciedade e ajudam a reduzir a quantidade de calorias absorvidas na refeição (1113).

8. Podem reduzir o risco de eventos cardiovasculares

Vários autores sugerem que os frutos secos podem ser úteis na redução do risco de doença cardíaca e de evento cardiovascular (enfarte e acidente vascular cerebral) devido aos seus benefícios nos níveis de colesterol total, tamanho das partículas de “mau” colesterol (LDL), função arterial e inflamação (37383940414243).

Um estudo releva que, mesmo em pessoas com níveis normais a elevados de colesterol, o consumo de frutos secos melhorou a função arterial e diminuiu os níveis de triglicerídeos em jejum, comparativamente ao azeite (37).

Conclusão

Incluir frutos secos na alimentação diária pode melhorar a saúde por diversos motivos, incluindo a redução do risco de diabetes e de doença cardiovascular.

Embora relativamente calóricos, estes alimentos apresentam quantidades interessantes de fibras e, quando consumidos com moderação, podem inclusive ajudar na perda de peso.

Fontes

  1. SELF Nutritiondata. (2018). Nuts, mixed nuts, with peanuts, oil roasted, with salt added Nutrition Facts & Calories. Disponível em: https://nutritiondata.self.com/facts/nut-and-seed-products/3177/2
  2. SELF Nutritiondata. (2018). Nuts, brazilnuts, dried, unblanched Nutrition Facts & Calories. Disponível em: https://nutritiondata.self.com/facts/nut-and-seed-products/3091/2
  3. Haddad, E. H., et.al. (2014). Effect of a walnut meal on postprandial oxidative stress and antioxidants in healthy individuals. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24410903
  4. Jalali-Khanabadi, B.-A., et.al. (2010). Effects of Almond Dietary Supplementation on Coronary Heart Disease Lipid Risk Factors and Serum Lipid Oxidation Parameters in Men with Mild Hyperlipidemia. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21114415
  5. Torabian, S., et.al. (2009). Acute effect of nut consumption on plasma total polyphenols, antioxidant capacity and lipid peroxidation. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19192028
  6. Hudthagosol, C., et.al. (2010). Pecans Acutely Increase Plasma Postprandial Antioxidant Capacity and Catechins and Decrease LDL Oxidation in Humans. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21106921
  7. Damasceno, N. R. T., et.al. (2013). Mediterranean diet supplemented with nuts reduces waist circumference and shifts lipoprotein subfractions to a less atherogenic pattern in subjects at high cardiovascular risk. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24075767
  8. Wien, M. A., et.al. (2003). Almonds vs complex carbohydrates in a weight reduction program. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/14574348
  9. Dhillon, J., et.al. (2016). Almond Consumption during Energy Restriction Lowers Truncal Fat and Blood Pressure in Compliant Overweight or Obese Adults. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27807041
  10. Li, Z., Song, R., et.al. (2010). Pistachio Nuts Reduce Triglycerides and Body Weight by Comparison to Refined Carbohydrate Snack in Obese Subjects on a 12-Week Weight Loss Program. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20833992
  11. Abazarfard, Z., et.al. (2014). The effect of almonds on anthropometric measurements and lipid profile in overweight and obese females in a weight reduction program: A randomized controlled clinical trial. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25097630
  12. Novotny, J. A., et.al. (2012). Discrepancy between the Atwater factor predicted and empirically measured energy values of almonds in human diets. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3396444/
  13. Baer, D. J., et.al. (2015). Walnuts Consumed by Healthy Adults Provide Less Available Energy than Predicted by the Atwater Factors. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26581681
  14. Baer, D. J., et.al. (2011). Measured energy value of pistachios in the human diet. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21733319
  15. Sauder, K. A., et.al. (2015). Effects of pistachios on the lipid/lipoprotein profile, glycemic control, inflammation, and endothelial function in type 2 diabetes: A randomized trial. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26383493
  16. Jamshed, H., et.al. (2015). Dietary Almonds Increase Serum HDL Cholesterol in Coronary Artery Disease Patients in a Randomized Controlled Trial. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26269239
  17. Tey, S. L., et.al. (2014). Effects of regular consumption of different forms of almonds and hazelnuts on acceptance and blood lipids. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25433502
  18. Damasceno, N. R. T., et.al. (2011). Crossover study of diets enriched with virgin olive oil, walnuts or almonds. Effects on lipids and other cardiovascular risk markers. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21421296
  19. Tey, S. L., et.al. (2010). Effects of different forms of hazelnuts on blood lipids and α-tocopherol concentrations in mildly hypercholesterolemic individuals. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20877394
  20. Griel, A. E., et.al. (2008). A Macadamia Nut-Rich Diet Reduces Total and LDL-Cholesterol in Mildly Hypercholesterolemic Men and Women. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18356332
  21. Hiraoka-Yamamoto, et.al. (2004). SERUM LIPID EFFECTS OF A MONOUNSATURATED (PALMITOLEIC) FATTY ACID-RICH DIET BASED ON MACADAMIA NUTS IN HEALTHY, YOUNG JAPANESE WOMEN. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15649284
  22. Garg, M. L., et.al. (2003). Macadamia Nut Consumption Lowers Plasma Total and LDL Cholesterol Levels in Hypercholesterolemic Men. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12672919
  23. Curb, J. D., et.al. (2000). Serum Lipid Effects of a High–Monounsaturated Fat Diet Based on Macadamia Nuts. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10789609
  24. Parham, M., et.al. (2014). Effects of Pistachio Nut Supplementation on Blood Glucose in Patients with Type 2 Diabetes: A Randomized Crossover Trial. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25396407
  25. López-Uriarte, P., et.al. (2010). Effect of nut consumption on oxidative stress and the endothelial function in metabolic syndrome. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20064680
  26. Babio, N., et.al. (2014). Mediterranean diets and metabolic syndrome status in the PREDIMED randomized trial. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25316904
  27. Tapsell, L. C., et.al. (2009). Long-term effects of increased dietary polyunsaturated fat from walnuts on metabolic parameters in type II diabetes. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19352378
  28. Nishi, S. K., et.al. (2014). Nut consumption, serum fatty acid profile and estimated coronary heart disease risk in type 2 diabetes. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24925120
  29. Casas, R., et.al. (2014). The Effects of the Mediterranean Diet on Biomarkers of Vascular Wall Inflammation and Plaque Vulnerability in Subjects with High Risk for Cardiovascular Disease. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24925270
  30. Stockler-Pinto, M. B., et.al. (2014). Brazil Nut (Bertholletia excelsa, H.B.K.) Improves Oxidative Stress and Inflammation Biomarkers in Hemodialysis Patients. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24504745
  31. Colpo, E., et.al. (2014). Brazilian nut consumption by healthy volunteers improves inflammatory parameters. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24607303
  32. Chiang, Y.-L., et.al. (2012). The effect of dietary walnuts compared to fatty fish on eicosanoids, cytokines, soluble endothelial adhesion molecules and lymphocyte subsets: a randomized, controlled crossover trial. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22959886 
  33. Liu, J.-F., et.al. (2012). The effect of almonds on inflammation and oxidative stress in Chinese patients with type 2 diabetes mellitus: a randomized crossover controlled feeding trial. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22722891
  34. A. Parnell, J., & A. Reimer, R. (2012). Prebiotic fiber modulation of the gut microbiota improves risk factors for obesity and the metabolic syndrome. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22555633
  35. Guarner, F., & Malagelada, J.-R. (2003). Gut flora in health and disease. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12583961
  36. Andoh, A., et.al. (2003). Role of Dietary Fiber and Short-Chain Fatty Acids in the Colon. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12570825
  37. Cortés, B., et.al. (2006). Acute Effects of High-Fat Meals Enriched With Walnuts or Olive Oil on Postprandial Endothelial Function. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17045905
  38. Ros, E. (2004). A Walnut Diet Improves Endothelial Function in Hypercholesterolemic Subjects: A Randomized Crossover Trial. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15037535
  39. Kay, C. D., et.al. (2010). Pistachios Increase Serum Antioxidants and Lower Serum Oxidized-LDL in Hypercholesterolemic Adults. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20357077
  40. Jenkins, D. J. A. (2002). Dose Response of Almonds on Coronary Heart Disease Risk Factors: Blood Lipids, Oxidized Low-Density Lipoproteins, Lipoprotein(a), Homocysteine, and Pulmonary Nitric Oxide: A Randomized, Controlled, Crossover Trial. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12221048
  41. Kasliwal, R. R., et.al. (2015). Effect of pistachio nut consumption on endothelial function and arterial stiffness. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25837212
  42. Berryman, C. E., et.al. (2013). Acute Consumption of Walnuts and Walnut Components Differentially Affect Postprandial Lipemia, Endothelial Function, Oxidative Stress, and Cholesterol Efflux in Humans with Mild Hypercholesterolemia. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23616506
  43. Hernández-Alonso, et.al. (2015). Effect of pistachio consumption on plasma lipoprotein subclasses in pre-diabetic subjects. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25791863
Veja também