Psicóloga Ana Graça
Psicóloga Ana Graça
24 Ago, 2020 - 10:30

Pais, isto é o que não devem fazer quando os filhos vão para a universidade

Psicóloga Ana Graça

A entrada na universidade é um período de euforia e receio. Mas será que os pais sabem o que não devem fazer quando os filhos vão para a universidade?

o que não devem fazer quando os flhos vão para a universidade

A adaptação à universidade pode ser desafiante. Representa o início de um novo e importante projeto de vida, do qual é desejável que, sempre que possível, os pais façam parte. No entanto, os pais devem ter em conta o que não devem fazer quando os filhos vão para a universidade, de forma a contribuir para que esta seja uma experiência positiva e de sucesso.

Qual a influência dos pais no sucesso académico dos filhos?

pais e filho a verem trabalho da faculdade

Os pais depositam no momnento da entrada na universidade dos filhos expectativas carregadas de afetos, esperanças, medos e inseguranças, algumas vezes desconhecendo quão profunda pode ser a sua influência no sucesso académico dos mesmos.

São várias as áreas em que os pais habitualmente se envolvem e influenciam:

  • No desenvolvimento de valores e atitudes
  • Na construção das capacidades de autoconfiança e autoeficácia
  • Nas capacidades de tomada de decisão e comprometimento
  • No fornecimento de oportunidades educacionais e de trabalho
  • No bem-estar psicológico

Os pais são não só fontes de apoio e encorajamento, mas também modelos profissionais e fontes privilegiadas de informação sobre o mundo do trabalho. É no contexto dos valores e projetos familiares que as metas e expectativas educacionais e profissionais dos filhos são estabelecidas.

As investigações mostram que as relações familiares são importantes no estabelecimento de metas, na transição do ensino secundário para o ensino superior, na transição do ensino superior para o mercado de trabalho e no ajustamento emocional a todas estas mudanças.

Assim sendo, um contexto familiar que apoia e incentiva a autonomia parece contribuir de forma significativa para o progresso no desenvolvimento da carreira e para uma melhor integração na vida académica (1).

Pais, o que não devem fazer quando os filhos vão para a universidade

Como vimos, a transição do ensino secundário para o universitário é suscetível às influências parentais. Tendo em conta tamanha influência parental, importa conhecer o que não devem fazer quando os filhos vão para a universidade. Eis algumas dessas coisas:

1

Criar expectativas demasiado elevadas

O sucesso vivenciado no ensino secundário ou a escolha de uma universidade conceituada não são garantias de sucesso na vida universitária. Importa que os pais depositem esperanças realistas e não alimentem nos filhos expectativas demasiado irrealistas.

2

Limitar excessivamente a autonomia dos filhos

Por vezes, por receio, os pais tendem a limitar em excesso a liberdade e autonomia dos filhos. Neste novo ciclo de vida é desejável que os jovens se tornem autónomos na aquisição do conhecimento, na gestão e organização de tempo, e sejam capazes de se responsabilizar pelas suas ações e decisões.

jovem a estudar no computador
3

Incentivar a independência dos filhos de forma abrupta e desorganizada

As investigações mostram que a autonomia dos jovens facilita a sua adaptação à universidade, mas apenas quando essa autonomia não está associada a conflitos na relação pais-filho.

Dito de outra forma, o sentimento de autonomia só parece ser positivo para o desenvolvimento dos jovens quando associado à percepção de que os pais permanecem como uma espécie de “porto de abrigo/base segura” com a qual podem sempre contar em caso de dificuldades.

Ansiedade na adolescência: mãe a abraçar a filha
Veja também Ansiedade na adolescência: como ajudar?
4

Negligenciar o apoio emocional aos filhos

Não se pense que por serem maiores de idade e por ingressarem na universidade, os filhos deixam de necessitar do apoio emocional dos pais. Pelo contrário, fortes laços afetivos, apoio emocional da família, frequentes trocas de ideias entre pais e filhos parecem contribuir para uma melhor adaptação à vida académica e menores níveis de ansiedade e depressão nos estudantes (2).

5

Limitar a vivência universitária dos filhos à aprendizagem e aos conteúdos lecionados

O ambiente académico, os momentos de partilha de ideias e experiências, e o encontro com novas pessoas, favorecem o surgimento de novas oportunidades, a socialização e a formação cívica dos estudantes e limitam a solidão e a vulnerabilidade aos perigos do meio envolvente (3).

jovens universitários a sair
6

Sobrepor as suas ideias de futuro às ideias dos filhos

As expectativas familiares devem ir de encontro aos planos e expectativas de futuro dos filhos, nomeadamente na escolha do curso. É importante que os jovens não procurem satisfazer os desejos dos pais em detrimento das suas próprias preferências e ambições, acabando por optar por cursos que não os realizarão profissionalmente no futuro (4).

Conclusão

A entrada da universidade é um período crítico para o desenvolvimento dos jovens, pelo que estes merecem especial atenção no momento do ingresso no ensino superior. São vários os desafios e adaptações a enfrentar e a família é fonte de apoio e suporte essencial nesta fase de transição, todavia, há alguns erros a evitar, pelo que importa que os pais estejam conscientes sobre o que não devem fazer quando os filhos vão para a universidade (2,3).

Fontes

Veja também