Psicóloga Ana Graça
Psicóloga Ana Graça
02 Jul, 2020 - 09:55

Adolescência, um período turbulento: guia para pais

Psicóloga Ana Graça

A adolescência é um período de intenso crescimento físico e emocional. É compreensível que seja também um período de alguma agitação familiar.

Adolescência: duas adolescentes com óculos de sol deitadas num pátio

A adolescência é um período de mudanças drásticas, quer a nível físico, quer a nível cognitivo e, se a maioria dos adolescentes atravessa esta fase sem grandes problemas, para outros não é bem assim.

Os adolescentes começam a pensar de forma mais abstrata, tornam-se cada vez mais focados no grupo de amigos, procuram cada vez maior independência e, por vezes, entram em conflito com os pais. Por tudo isto, a adolescência é um dos maiores desafios que as famílias enfrentam. Eis um guia para pais que pode ajudar!

Ser pai/mãe de um(a) adolescente

Adolescente a ouvir música sentado no sofá

Os adolescentes enfrentam diversas alterações hormonais, questões complicadas acerca da identidade própria e aumentam o seu entendimento sobre o complexo mundo em que vivemos.

É comum sentirem que ninguém consegue entender a forma como se sentem, nem sequer os seus próprios pais, o que pode dar origem a estados de confusão, sentimentos de raiva e solidão e comportamentos de maior risco (quer a nível sexual, quer a nível dos consumos de álcool ou/e drogas).

Nesta fase de confusão e, possivelmente, de alguma revolta, os pais podem sentir-se frustrados, assustados e desamparados e sentir que os seus filhos não lhes reconhecem qualquer autoridade. Métodos de educação e disciplina que funcionaram até então podem, na adolescência, deixar de surtir efeito.

Por tudo isto, os conflitos entre pais e filhos podem surgir e, habitualmente, versam as seguintes questões:

  • Disputas acerca da hora de chegar a casa
  • A escolha dos amigos
  • Tempo passado em família vs. tempo passado com os amigos
  • Desempenho escolar
  • Namoros e sexualidade
  • Aparência (roupa; maquilhagem; penteado)
  • Comportamentos de risco (fumar tabaco; beber álcool; consumir drogas)
  • Liberdades e privilégios

A adolescência pode, de facto, ser um período bastante turbulento para todos os envolvidos. Felizmente, a maioria das famílias é bem-sucedida e consegue ajudar os mais jovens a enfrentar os desafios que surgem, a alcançar os objetivos desejados, a reduzir a dependência face aos pais e a alcançar um desenvolvimento e uma independência saudável e responsável.

Todavia, há sinais de alerta (comportamento agressivo ou fora de controlo; abuso de álcool e/ou drogas; absentismo escolar; problemas com a lei) aos quais os pais devem estar atentos e que podem indicar que a família não está a ser capaz de viver a adolescência de forma serena e saudável. Nestes casos, pode ser importante solicitar ajuda externa à família (1).

Adolescência: UM guia para pais

Em cima, foram expostas algumas das principais causas de conflitos entre pais e filhos no período da adolescência. De forma a ajudar os pais a enfrentar esses mesmos problemas, propomos as seguintes soluções:

1.

Conhecer o grupo de amigos

Se os pais sentem que não gostam dos amigos do filho adolescente, podem convidá-los para sua casa e dedicar algum tempo a conhecê-los. Podem ficar surpreendidos e perceber que, afinal, até são jovens bastante interessantes.

Adolescentes deitadas à beira-rio a olhar para o telemóvel
2.

Avaliar o perigo que os amigos representam

Quando os pais entendem que, após dedicar algum tempo a conhecê-los, os amigos do filho representam perigo, podem, junto do adolescente, manifestar e explicar as preocupações acerca da sua segurança, de forma clara e firme. Proibir o convívio, por si só, possivelmente não funcionará.

3.

Avaliar os perigos online

Os adolescentes acedem, de forma massiva, à internet em geral e às redes sociais em particular. Alguns pais optam por colocar o computador numa área comum da casa, de forma a que possam monitorizar a sua utilização.

Todavia, os adolescentes apreciam muito a sua privacidade. Uma boa solução pode passar por conversar com eles acerca dos perigos que a internet pode representar e definir, em conjunto, algumas regras a cumprir (por exemplo, recusar conhecer pessoalmente alguém que conheceu online).

4.

Reforçar a autoestima

Importa que os pais ajudem os filhos a valorizarem-se, a cuidarem-se, a admirarem-se, e a serem verdadeiros consigo mesmos. Importa também escutar com atenção e respeitar os sonhos, pensamentos, ideias e sentimentos dos adolescentes, mesmo que alguns possam levar a que sejam cometidos erros.

Adolescente a barbear-se
5.

Lidar com a imagem corporal

Os pais podem contribuir para que os adolescentes se sintam mais confortáveis com os seus corpos e se sintam bem na sua própria pele. Para tal, é importante que expliquem como muda o corpo adolescente e que se disponibilizem para ajudar naquilo que necessitarem. Podem também incentivar os mais jovens a praticar atividade física e responsabilizá-los pela sua própria nutrição.

6.

Explicar a sexualidade

Para os adolescentes, a principal fonte de informação sobre amor, relacionamentos, atitudes e comportamentos sexuais vem dos adultos de referência, especialmente dos pais e da forma como estes interagem. Desta forma, são os pais os primeiros a transmitir valores e crenças acerca da sexualidade.

É importante que os pais mantenham uma comunicação aberta e honesta com os mais jovens, que estejam disponíveis para esclarecer as suas dúvidas, fazendo com que estes se sintam à vontade para partilhar mesmo os assuntos mais sensíveis e desconfortáveis.

Despertar sexual na adolescência: casal de adolescentes abraçados
Veja também Despertar sexual na adolescência: como lidar e o que fazer
7.

Enfrentar as mudanças de humor

As mudanças de humor repentinas e acentuadas são comuns na adolescência. Os pais devem estar disponíveis para ouvir os filhos partilhar as suas alegrias e tristezas, ajudando-os a manter-se calmos. Podem também ajudar a identificar problemas, incentivar na procura de soluções e perspetivas diferentes e a aceitar que os altos e baixos são parte da vida.

Casal de adolescentes a namorar
8.

Garantir a segurança

A melhor forma de garantir a segurança dos mais jovens é estar presente e procurar estar a par de tudo o que acontece na sua vida. Importa supervisionar, sem julgar e conversar abertamente sobre os riscos e perigos que comummente têm lugar na fase da adolescência.

9.

Impor limites

Os adolescentes necessitam que sejam impostos limites ao seu comportamento. Sempre que possível, as regras e limites devem ser previamente conversadas e discutidas, bem como as consequências do seu desrespeito. Importa elogiar sempre que os limites estabelecidos sejam cumpridos e tentar ser justo e razoável, sobretudo quando se tratam de situações que saem fora do controlo dos adolescentes (2).

Em suma

A adolescência pode ser um período de desenvolvimento especialmente conturbado e confuso, mas os adolescentes são enérgicos, atenciosos, idealistas, com um grande sentido de justiça.

Embora os conflitos entre pais e filhos possam acentuar-se nesta fase, é importante que os pais se informem acerca da adolescência, conversem de forma franca com os filhos, se coloquem no lugar destes e tentem, dentro das suas possibilidades, ajuda-los a viver a adolescência da melhor forma.  

Fontes

  1. American Psychological Association. (2011). Parenting: The teen years. Disponível em: https://www.apa.org/topics/parenting-teens
  2. American Psychological Association. (2001). Staying connected: A guide for parents on raising an adolescent daughter. Disponível em: https://www.apa.org/pubs/info/brochures/girls
Veja também