Rúben Ausina
Rúben Ausina
29 Dez, 2020 - 11:05

Neuropatia: o que é, tipos e principais sintomas

Rúben Ausina

A neuropatia é um tipo de patologia caracterizada por uma desordem no sistema nervoso central e que pode ter consequências devastadoras para quem dela padece.

Neuropatia: ilustração do sistema nervoso central

De uma forma resumida o sistema nervoso do ser humano divide-se em duas partes: sistema nervoso central (que inclui o cérebro e medula espinhal) e o sistema nervoso periférico (inclui os restantes nervos que partem do cérebro e da medula espinhal e que, por sua vez, se ligam às vias nervosas em todo o corpo).

O sistema nervoso central tem como principal função processar toda a informação que lhe chega sob a forma de impulsos elétricos através das células nervosas do sistema nervoso periférico. Emite comandos de volta para os músculos, órgãos sensoriais e órgãos internos, controlando assim com precisão os processos no organismo.

Uma desordem nas células do sistema nervoso designa-se por neuropatia. Este tipo de patologia afeta cerca de 8% da população portuguesa. Nos grupos de risco, a taxa de incidência pode chegar até aos 50%. Adicionalmente, 30% das pessoas podem estar em risco de desenvolver neuropatia com o avançar da idade, em que 1 em cada 3 dos casos poderá evoluir para um quadro debilitante.

Neuropatia: principais fatores de risco

Médica a verificar níveis de açúcar no sangue de paciente

Os principais fatores de risco no desenvolvimento de um quadro de neuropatia são:

Tipos de neuropatias

Médico a analisar sensibilidade ao toque nos pés de paciente

As neuropatias são bastante complexas e podem ser classificadas de acordo com o tipo ou localização dos nervos afetados, como também relacionadas com a etiologia (como, por exemplo, a neuropatia diabética causada pela diabetes).

Este tipo de patologia também pode ser considerada por mononeuropatia (afeta um só nervo), polineuropatia (afeta um conjunto de nervos) e múltipla mononeuroaptia (quando estão envolvidos dois nervos).

Sendo assim podemos descrever as principais neuropatias como:

1

Neuropatia periférica

O sistema nervoso periférico (SNP) desempenha um importante papel, essencialmente, no controlo dos movimentos corporais.

Por sua vez é considerada uma patologia crónica associada ao SNP que compromete os nervos das extremidades, tais como os pés, pernas, mãos, braços e dedos.

Esta patologia é frequentemente subdiagnosticada pois apresenta um início insidioso e por vezes assintomático.

Os principais sintomas caracterizam-se por dormência, sensação de queimadura, sensibilidade táctil extrema ou perda de sensibilidade, fraqueza muscular e desconforto localizado ou generalizado.

2

Neuropatia focal

A neuropatia focal (um exemplo de mononeuropatia) é dos tipos de neuropatia menos comum que corresponde a uma lesão de um só nervo específico, essencialmente na face, tronco ou pernas. É de aparecimento súbito, e mais frequente em idosos.

Os sintomas podem-se manifestar de forma muito intensa, nomeadamente no pé, coxa ou abdómen. Adicionalmente, pode provocar visão dupla, dores oculares e até paralisia facial.

3

Neuropatia autonómica

O sistema nervoso autónomo controla vários órgãos e/ou mecanismos que funcionam de forma independente, tais como o coração, bexiga e consequente excreção urinária, digestão de alimentos, sudorese e orgãos sexuais.

Algumas das alterações do sistema nervoso autónomo e respetivos sintomas podem ser: hipoglicemia; obstipação ou diarreia; náuseas, vómitos, enfartamento e dificuldade na deglutição; alterações na sudorese; alterações na pressão arterial; dificuldades na resposta sexual; perturbações urinárias.

Apesar da diabetes ser considerado o principal fator de risco, existem evidências de que alguns fármacos também podem desencadear este tipo e patologia.

4

Neuropatia cranial

Esta patologia é uma forma de neuropatia onde se verifica um dano em qualquer um dos nervos cranianos presentes no cérebro. Esses nervos estão relacionados com a visão, audição e movimentos faciais.

As principais paralisias relacionadas com este tipo de neuropatia são:

  • Paralisia de Bell: acontece quando é afetado o sétimo nervo craniano, localizado na face
  • Paralisia do nervo craniano microvascular: esta condição afeta os nervos oculares, sendo mais comum em diabéticos e hipertensos
  • Paralisia do terceiro nervo craniano: este nervo é responsável pelo movimento ocular
  • Paralisia do quarto nervo craniano: afeta o músculo oblíquo superior ocular, responsável pela visão convergente
  • Paralisia do sexto nervo craniano: também designada por paralisia abducente, relacionado com o movimento ocular
  • Neuropatia craniana múltipla: quando afeta mais do que um nervo cranial
5

Neuropatia proximal

A neuropatia proximal ou femoral afeta os músculos das coxas, nádegas, anca ou pernas. É considerada o segundo tipo de neuropatia mais comum, sendo mais frequente na diabetes tipo 2 ou nos diabéticos com idade mais avançada.

Os sintomas são habitualmente unilaterais podendo melhorar com o passar do tempo. Alguns exemplos de sintomas ou sinais são: dores súbitas e intensas nas zonas caraterísticas; dificuldade em levantar; perda de peso.

Tratamento da neuropatia

Mulher a tomar antibiótico

Uma etapa importante no tratamento é controlar os fatores de risco associados, como os níveis de pressão arterial, glicose e colesterol, a fim de prevenir futuros danos nos restantes nervos.

Como tratamento sintomático da dor existem diversos fármacos (usados preferencialmente em monoterapia) e recomendações outras terapêuticas, como fisioterapia.

Como tratamento farmacológico de primeira linha os antidepressivos tricíclicos em doses ajustáveis a cada caso e, se ineficazes ou não tolerados, os fármacos de segunda linha, os inibidores seletivos da serotonina ou noradrenalina ou ainda os de terceira linha (gabapentinóides).

Em alguns casos recomenda-se o recurso a vitaminas, nomeadamente vitamina B12 entre outras, por se encontrarem deficitárias. Estas vitaminas contribuem para melhorar a componente regenerativa dos neurónios afetados, o alívio dos sintomas e redução dos sinais clínicos, que se traduz numa melhoria da qualidade de vida e prognóstico da doença.

Fontes

  1. Spine Correction enter. 5 types of neuropathy and what to do about them. Disponível em: https://www.spinecorrectioncenter.com/5-types-of-neuropathy-and-what-to-do-about-them/
  2. Medical News Today. What to do about diabetic neuropathy. Disponível em: https://www.medicalnewstoday.com/articles/245310#types
  3. E-MedicineHealth. Types of neuropathy. Disponível em: https://www.emedicinehealth.com/neuropathy/article_em.htm
  4. News Medical. Peripheral neuropathy news and research. Disponível em: https://www.news-medical.net/?tag=/Peripheral-Neuropathy
  5. Associação Protetora dos Diabéticos em Portugal. Tipos de neuropatia diabética. Disponível em: https://apdp.pt/viver-bem-a-diabetes/tipos-de-neuropatia-diabetica/
  6. Associação de enfermagem oncológica Portuguesa. Neuropatia periférica. Disponível em: https://www.aeop.pt/ficheiros/669ec42e0cadcd259adae094aab871b0.pdf
Veja também