Camila Farinhas
Camila Farinhas
16 Nov, 2020 - 12:07

Aterosclerose: o que é, causas, sintomas e como preveni-la

Camila Farinhas

A aterosclerose é a condição responsável pelo estreitamento das paredes das artérias que resulta na diminuição ou mesmo na obstrução total do fluxo sanguíneo. Conheça-a melhor neste artigo.

Aterosclerose: médica a segurar maquete de coração

As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte em Portugal, sendo que a aterosclerose é uma condição bastante frequente e responsável pelo desenvolvimento das patologias mais comuns do aparelho circulatório. É importante conhecê-la, estar vigilante dos seus sintomas e preveni-la. Para que esteja informado, reunimos o essencial sobre este tema.

O que é a aterosclerose?

Ilustração de artéria com aterosclerose

A aterosclerose ou endurecimento (esclerose) das artérias, é uma doença das artérias de grande e médio calibre que se caracteriza pelo depósito de placas de gordura (ou ateromas) nas suas paredes. É muito frequente e pode afetar inúmeros órgãos.

Está também na origem de doenças arteriais como a hipertensão arterial, a doença coronária, o aneurisma da aorta ou, ainda, a doença arterial dos membros inferiores.

Principais causas

Na origem da aterosclerose está o acumulo de placas de gordura, colesterol e outras substâncias nas paredes das artérias. Estes vasos sanguíneos são responsáveis por levar sangue e oxigénio a todo o corpo, sendo que quando existe obstrução à passagem, o seu bom funcionamento fica comprometido.

Formação das placas de gordura

A aterosclerose inicia-se quando a parede da artéria lesada desencadeia sinais químicos que levam a que determinadas células se liguem a si. Estas células vão captar colesterol e outras substâncias ricas em gordura.

Ao longo do tempo, agrupam-se e formam ateromas (ou placas) revestidos por componentes fibrosos. Juntamente, existe o acumulo de cálcio. Estas placas podem alojar-se em diversas artérias e iniciam-se geralmente nas suas ramificações onde o fluxo sanguíneo é mais intenso.

Rotura de placas e possíveis complicações

Quando existe a rotura de placas de gordura, podem ocorrer complicações graves. Os fragmentos de placas que formam um coágulo de sangue, entram na corrente sanguínea, alojam-se em qualquer região do corpo e podem bloquear repentinamente o fluxo sanguíneo. Esta é uma das principais causas do Acidente Vascular Cerebral (AVC) ou do enfarte do miocárdio.

Sintomas da aterosclerose

Homem com dor no peito

Os sintomas de aterosclerose são bastante variáveis e dependem de qual é a artéria afetada, onde está localizada e se esta foi obstruída de forma gradual ou repentina:

Estreitamento gradual

Quando o estreitamento das artérias ocorre de forma gradual, a aterosclerose não causa sintomas até que o seu interior esteja diminuído 50% a 70%.

Um dos primeiros sintomas de estreitamento gradual é a dor ou cãibra quando o fluxo de sangue não é suficiente para a necessidade de oxigenação dos tecidos. É o caso da dor no peito (ou angina), que acontece quando a pessoa com aterosclerose efetua esforço físico. As cãibras nas pernas, também designadas de claudicação intermitente ocorrem sobretudo enquanto se caminha. Em casos mais graves, se as artérias renais forem as afetadas, pode originar a doença renal crónica.

Bloqueio repentino

Se a artérias coronárias forem bloqueadas de forma repentina a probabilidade de ocorrer enfarte do miocárdio é elevada. Por outro lado, se as artérias obstruídas forem as artérias cerebrais, pode originar o AVC.

O bloqueio repentino pode ocorrer ainda na aorta abdominal, dando origem a um quadro clínico de urgência, designado aneurisma da aorta abdominal.

Fatores de risco

Mulher a injetar insulina na barriga

Os fatores de risco para a aterosclerose são inúmeros e dividem-se em:

Fatores de risco modificáveis

  • Níveis elevados de colesterol (LDL) no sangue
  • Hipertensão arterial
  • Diabetes
  • Tabagismo
  • Obesidade
  • Sedentarismo
  • Alimentação rica em gordura e alimentos processados

Fatores de risco não modificáveis

  • Historia familiar de aterosclerose precoce
  • Idade avançada
  • Ser do sexo masculino
  • Níveis elevados de Proteína C-reativa (PCR), um marcador indicativo de inflamação

Diagnóstico da aterosclerose

Eletrocardiograma

O diagnóstico da aterosclerose é efetuado através de:

  1. História clínica: sintomas e medicação habitual.
  2. Exame médico: análises laboratoriais, electrocardiograma, ecocardiograma, ecografia e em alguns casos, a tomografia computorizada. Estes e outros exames são prescritos de acordo com decisão clínica.

Tratamento

O tratamento da aterosclerose tem como objetivo diminuir a sua progressão e o controlo dos fatores de agravamento. Para isso, assenta em três pilares fundamentais:

  1. Terapêutica para a prevenção do estreitamento das artérias.
  2. Diagnóstico e tratamento dos fatores de risco para o seu desenvolvimento, nomeadamente a hipertensão arterial e o colesterol elevado.
  3. Alteração do estilo de vida adotando, para isso, comportamentos mais saudáveis.

Em casos mais graves, onde já tenha ocorrido lesões nos órgãos afetados, pode ser necessário recorrer a terapêutica direcionada ou a cirurgia.

Complicações da aterosclerose

Médico a auscultar paciente

As complicações decorrentes da aterosclerose dependem das artérias afetadas. As complicações mais frequentes incluem:

  • Insuficiência cardíaca
  • Acidente Vascular Cerebral
  • Enfarte do miocárdio
  • Arritmias cardíacas
  • Angina
  • Doença renal crónica
  • Cãibras nas pernas
  • Gangrena (morte do tecido causada por falta de irrigação sanguínea)

É possível prevenir a aterosclerose?

A prevenção da aterosclerose passa pela alteração dos fatores de risco modificáveis para a doença. Adotar um estilo de vida saudável que resulte numa boa circulação sanguínea é fundamental. Assim:

  • Evite fumar
  • Faça uma alimentação saudável
  • Mantenha um peso adequado
  • Pratique exercício físico regular
  • Tenha a hipertensão arterial, a diabetes e o colesterol sob controlo

Conclusão

Se identificou alguns dos sintomas de aterosclerose ou se tem histórico familiar desta condição, consulte o seu médico. O estilo de vida tem grande impacto no desenvolvimento e complicações da aterosclerose e, por isso, deve procurar adotar comportamentos mais saudáveis.

Veja também