Nutricionista Hugo Canelas
Nutricionista Hugo Canelas
01 Set, 2020 - 14:09
Dióspiro cortado em tábua de madeira

Dióspiro: perfil nutricional e possíveis efeitos na saúde humana

Nutricionista Hugo Canelas

Quando consumido com moderação, o dióspiro tem uma composição e riqueza nutricional que fazem dele um importante aliado na saúde.

Originários da China, os diospireiros são cultivados há milhares de anos e dão origem ao seu fruto – o dióspiro. A cor alaranjada e sabor adocicado, muito semelhante ao do mel, fazem das variedades Hachiya e Fuyu, mais conhecidos como dióspiro “de abrir” e “de roer” ou maçã, respetivamente, verdadeiras iguarias.

O dióspiro pode ser consumido cru, desidratado ou cozinhado, sendo ingrediente base de muitas compotas, bebidas e sobremesas, como tartes e pudim. Felizmente, este fruto não é apenas delicioso: a sua composição nutricional faz dele um possível aliado para a nossa saúde.

Dióspiro: informação nutricional

Por cada 100 g de dióspiro, podemos obter 1:

Valor Energético65 Kcal
Proteína0,6 g
Hidratos de Carbono14,8 g
dos quais açúcar14,8 g
Lípidos0 g
Água82,6%
Fibra1,5 g
Vitamina A177 mcg
Carotenos1060 mcg
Vitamina C3 mg
Potássio230 mg

Podemos reparar que por cada 100 g, cerca de 15% das calorias advêm dos açúcares. Esta informação não é nova e o dióspiro é uma fruta como outra qualquer. Na verdade, a quantidade de açúcar por 100 g é semelhante à da maçã.

Convém, no entanto, salientar que, principalmente o dióspiro “de abrir”, o mais consumido no outono em Portugal, pesa bem mais do que 100 g o que significa que quanto mais pesado, maior a quantidade de açúcar e grande parte dos benefícios para a saúde – principalmente os que estão ligados à gestão do peso corporal – podem perder-se.

Consulte o seu nutricionista para saber qual a quantidade diária de dióspiro que deve consumir sem correr o risco de aumentar o peso.

Possíveis benefícios do dióspiro para a saúde

Prato de madeira com dióspiros

Rico em vitamina A

Apenas 100 g de dióspiro oferecem 20 a 25 % da dose recomendada de ingestão de vitamina A, sem contar com a riqueza em carotenóides, que no organismo se convertem em vitamina A ativa.

A vitamina A é uma vitamina lipossolúvel com extrema importância no sistema imunitário, visão e desenvolvimento fetal 2. Outros compostos presentes no dióspiro incluem taninos e flavonóides, que podem ter um impacto positivo na saúde 3.

Rico em beta caroteno

Os antioxidantes ajudam a prevenir o dano celular através da eliminação dos radicais livres. O stress oxidativo tem sido ligado a determinadas doenças crónicas como diabetes, cancro e doença de Alzheimer 4.

O papel dos carotenóides – como o beta-caroteno presente nos dióspiros – tem vindo a ser estudado, e os investigadores sugerem que dietas ricas neste pigmento podem reduzir o risco de doença metabólica, cardiovascular e cancro 5.

Para além disso, num estudo com mais de 37.000 pessoas, descobriu-se uma associação entre o consumo de carotenóides e o risco inferior de desenvolver diabetes tipo 2 6.

Rico em Flavonóides

As doenças cardiovasculares são das principais causas de morbilidade e mortalidade em todo o mundo 7. Felizmente, incluir boas fontes de flavonóides na nossa dieta pode diminuir o risco destas doenças.

Por exemplo, num estudo com mais de 98.000 pessoas, verificou-se que aqueles consumiam mais flavonóides registavam menos 18% de mortes relacionadas com problemas cardíacos do que os que consumiam menos 8.

Coincidentemente, o dióspiro contém dois potentes flavonóides antioxidantes, a quercetina e o quempferol.

Rico em fibras

A fibra é também importante para o normal funcionamento do trânsito intestinal e para a regulação dos níveis de açúcar no sangue.

A sua riqueza em fibra solúvel pode ajudar a baixar os níveis de “mau” colesterol – a porção LDL -, auxiliando o corpo a eliminar o excesso de lipoproteínas em circulação.

Alimentos ricos em fibras, como o dióspiro, ajudam a reduzir a velocidade de absorção dos açúcares simples e podem ser uma vantagem para os diabéticos com problemas de regulação da glicemia 9.

Como consumir o dióspiro?

Taça com iogurte, maçã, dióspiro e romã

O dióspiro pode ser adicionado a uma grande variedade de pratos ou simplesmente consumido cru, como qualquer outra fruta. Algumas das formas de incluir este fruto na sua dieta são:

  • Fatiado e incluído em saladas
  • Adicionado de iogurtes naturais, conferindo um sabor doce sem adicionar açúcar
  • Em misturas para bolos, muffins e pães
  • Combinado com outros frutos, em saladas de fruta
  • Congelados e posteriormente adicionados a smoothies
  • Desidratados, como snacks ligeiros para o meio da manhã ou da tarde

Fontes

  1. INSA. (n.d.). Tabela da composição de alimentos. Disponível em: http://www2.insa.pt/sites/INSA/Portugues/AreasCientificas/AlimentNutricao/AplicacoesOnline/TabelaAlimentos/Paginas/TabelaAlimentos.aspx
  2. Oregon State University. (n.d.). Vitamin A. Disponível em: https://lpi.oregonstate.edu/mic/vitamins/vitamin-A
  3. Butt, M.S., et.al. (2015). Persimmon (Diospyros kaki) fruit: hidden phytochemicals and health claims. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4817420/
  4. Khansari N, Shakiba Y, Mahmoudi M. (2009). Chronic inflammation and oxidative stress as a major cause of age-related diseases and cancer. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/19149749/
  5. Zhao, L-G., et.al. (2016). Dietary, circulating beta-carotene and risk of all-cause mortality: a meta-analysis from prospective studies. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4886629/
  6. Sluijs I, Cadier E, Beulens JW, van der A DL, Spijkerman AM, van der Schouw YT. (2015). Dietary intake of carotenoids and risk of type 2 diabetes. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25716098/
  7. WHO. (2017). Cardiovascular diseases (CVDs). Disponível em: https://www.who.int/en/news-room/fact-sheets/detail/cardiovascular-diseases-(cvds)~
  8. McCullough, M.L., et.al. (2012). Flavonoid intake and cardiovascular disease mortality in a prospective cohort of US adults. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3260072/
  9. Chen, C., et.al. (2016). Therapeutic effects of soluble dietary fiber consumption on type 2 diabetes mellitus. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4950069/
Veja também