Nutricionista Inês Sanches
Nutricionista Inês Sanches
06 Nov, 2017 - 17:59

Dieta dissociada: “separar” é a palavra de ordem

Nutricionista Inês Sanches

A dieta dissociada tem como fundamento base uma alimentação com recurso a todos os grupos mas que não podem ser consumidos ao mesmo tempo.

Dieta dissociada: “separar” é a palavra de ordem

Talvez não seja das dietas mais conhecidas, mas a dieta dissociada tem muitos adeptos. Baseia-se num princípio básico e fundamental: não se deve misturar grupos de alimentos incompatíveis na mesma refeição. Desta forma, a ingestão dos macronutrientes (gorduras, hidratos de carbono e proteínas) deverá ser, preferencialmente, feita em separado.

Esta é uma das dietas mais fáceis de se fazer, uma vez que se pode comer de quase tudo. Os alimentos proibidos não são muitos.

Bases da dieta dissociada

Esta dieta defende que ao ingerir-se dois alimentos ao mesmo tempo, vão ser segregados sucos diferentes para os diferentes alimentos, e esse processo pode ser incompatível, resultando em problemas de saúde como indigestões ou falta de assimilação de nutrientes.

Apesar desta teoria não ser consensual, a verdade é que muitas pessoas já a procuram e já a seguem, principalmente se são pessoas que procuram perder peso.

A dieta dissociada traduz a ideia de que não é a alimentação que faz uma pessoa engordar, mas sim a forma como combinamos esses mesmos alimentos.

Formas da dieta dissociada

Este tipo de dieta tem várias formas, uma delas é o consumo de apenas um grupo de alimentos em cada refeição a outra é aquela em que diariamente apenas se consome um grupo de alimentos.

Para ficar a conhecer melhor esta última alternativa, damos-lhe um exemplo de como pode ser uma semana e de que forma podem ficar distribuídos os grupos de alimentos:

  • Dia 1: Apenas consome carne. Preferencialmente de aves de capoeira como frango e peru. Os métodos culinários a utilizar são a vapor ou grelhado.
  • Dia 2: Dia de vegetais. Pode optar por vegetais crus ou cozidos: alface, espinafre, couve-flor, repolho, alho-francês, aipo, alcachofra, cenoura, tomate, pepino, abobrinha, abóbora, pimentão, espargos, cebola, alho ou uma mistura de vegetais sem óleo ou especiarias.
  • Dia 3: Laticínios. A dieta dissociada promove o consumo de qualquer tipo de laticínios, uma vez que os considera saudáveis e benéfico para a saúde.
  • Dia 4: Apenas de podem comer frutas. Qualquer fruta pode ser escolhida, no entanto, os citrinos devem ser consumidos com moderação devido à sua acidez.
  • Dia 5: Todos os peixes devem ser escolhidos, seja cozidos a vapor ou grelhados.
  • Dia 6: Dia dos cereais. Massas, arroz, milho, trigo e todos os seus derivados são ricos em fibras e nutrientes e vão ajudar a melhorar o trânsito intestinal.
  • Dia 7: Neste dia o alimento escolhido é o ovo e pode ser cozido, mexido ou em omelete mas sem gordura.

 

Porque se deve ter uma dieta dissociada?

Existem alguns benefícios e razões pela qual deve optar por esta dieta, entre as quais:

  1. Se o objetivo é a perda de peso, esta dieta pode ajudar a alcançar os objetivos sem fome e sem digestões muito pesadas.
  2. Não tem custos extra, isto é, os alimentos permitidos são aqueles que usualmente já consome e por isso não tem que gastar dinheiro em novos produtos.
  3. As regras são muito simples e fáceis de seguir.
  4. Não se vai sentir com a barriga inchada, uma vez que esta dieta melhora a digestão e previne a acumulação de gases na zona abdominal.
  5. É uma dieta que se pode seguir durante muito tempo, porque não faz restrição a qualquer tipo de nutriente. Os alimentos são apenas separados, mas tudo o que o corpo precisa é consumido.

 

Quem não deve consumir esta dieta?

Este tipo de dieta não é aconselhada a todo o tipo de pessoas sem distinção. As pessoas que não devem optar por esta dieta são:

  • Pessoas muito ativas e desportistas devem evitar esta dieta, uma vez que os músculos podem ficar enfraquecidos nos dias em que se consomem frutas e vegetais.
  • Crianças também não devem fazer esta dieta pois pode ter influência negativa no crescimento. ou crianças não devem praticar esta dieta.

Cada organismo tem as suas especificidades e antes de iniciar qualquer dieta alimentar, deve consultar um especialista.

Esta dieta ajuda na perda de peso?

Apesar de, aparentemente, haver pontos positivos nesta dieta, a verdade é que não há nenhuma prova científica que nos diga que a ingestão separada de alimentos (devido à sua acidez) é benéfica, se estivermos a olhar do ponto de vista da perda de peso.

Existem alimentos que possuem ambas as propriedades (as nozes por exemplo possuem hidratos de carbono-alcalino e proteínas-ácido) e o sistema digestivo é capaz de fazer a sua absorção de forma adequada.

Mas, mesmo que existissem provas científicas de que comer alimentos alcalinos e ácidos juntamente dificulta a digestão, melhorar a digestão por si só não resultaria numa perda de peso.

Na dieta dissociada quando existe uma perda de peso, deve-se ao facto de se estar a consumir menos calorias do que normalmente se faria. Quando se cortam todos os grupos de alimentos e apenas se consome carne numa refeição ou num dia, não se consome a mesma quantidade de calorias do que se se fizesse uma dieta normal com todos os grupos de alimentos.

Conclusão…

A dieta dissociada incentiva à criação de melhores hábitos alimentares que promovem a perda de peso, mas o padrão de alimentação desta dieta não é realista nem saudável para manter a longo prazo.

O organismo requer uma certa proporção de hidratos de carbono, proteínas e gorduras para funcionar de forma otimizada e a dieta dissociada não garante a ingestão suficiente de cada um destes macronutrientes.

Veja também: