Camila Farinhas
Camila Farinhas
23 Jun, 2020 - 09:46

Principais cuidados a ter com os bebés na praia

Camila Farinhas

Para pais e filhos, praia é sinal de brincadeira e memórias felizes. Saiba os cuidados a ter com os bebés na praia e usufrua do verão em segurança.

Cuidados a ter com os bebés na praia: casal a passear bebé à beira-mar

Verão é sinónimo de férias, praia, sol. No entanto, é preciso ter em atenção que a praia é um local com elevada concentração de raios ultravioleta altamente nocivos para a pele e para a saúde de todos, especialmente dos mais novos. Estes raios refletem na água e na areia, mesmo nos dias nublados e ventosos. Assim, e para que os momentos à beira-mar sejam seguros, fique a par de alguns cuidados a ter com os bebés na praia.

Cuidados a ter com os bebés na praia

1.

O sol e a vitamina D

Mãe com bebé ao colo na praia

A Vitamina D é sintetizada na pele através da exposição solar (raios UVB), sendo o sol a sua principal fonte. Tanto nos adultos como nas crianças, a Vitamina D desempenha um papel importante no organismo: manter os níveis de cálcio e fósforo normais no sangue para uma adequada mineralização dos ossos (nas crianças evita o aparecimento do raquitismo), a osteomalacia (mineralização anormal do osso maduro) e a osteoporose (desmineralização e enfraquecimento dos ossos) (2).

2.

A partir de que idade é seguro iniciar as idas à praia?

Os bebés até aos 6 meses não devem estar expostos diretamente à luz solar (1). Assim, para que ocorra a síntese de Vitamina D essencial ao organismo, os bebés devem indiretamente obter os benefícios do sol: debaixo da sombra de uma árvore, do chapéu de sol ou em passeios no carrinho (1, 3).

3.

Qual a melhor hora para o fazer?

A maioria dos danos causados pelo sol ocorre na infância e aumenta consideravelmente o risco de desenvolver melanoma na idade adulta. Estes danos são causados pelos raios ultravioleta (UV), nomeadamente:

  • Raios ultravioletas A  (UVA): contribuem para o envelhecimento prematuro e para o cancro cutâneo
  • Os ultravioletas B  (UVB): podem ainda provocar queimaduras solares, cataratas e enfraquecer o sistema imunitário.

Uma vez que a pele dos bebés e crianças é muito sensível, deverá evitar-se as idas à praia entre as 11h e as 17h00. Como outras queimaduras, as queimaduras solares deixam a pele vermelha, quente e dolorosa. Em casos graves, podem surgir bolhas, febre, calafrios e dor de cabeça. Caso isto aconteça, deverá aplicar compressas frias e húmidas, proteger a área queimada com uma gaze limpa e recorrer ao médico (1, 3).

4.

Qual é o protetor solar mais indicado?

Mãe a aplicar protetor solar na filha bebé

É recomendado que desde o nascimento até aos 2 anos de idade, seja utilizado um protetor solar mineral. Como componentes, o óxido de zinco e dióxido de titânio são boas escolhas, pois estes filtros minerais não dependem da absorção de produtos químicos e são menos propensos a causar uma reação alérgica (4).

O protetor deve possuir elevado fator de proteção UVA e UVB (FPS 50 ou 50+) e ser resistente à água. Aplique ao bebé 30 minutos antes da exposição solar e não se esqueça de testar numa pequena área (como o pulso). Repita a cada uma ou duas horas ou se for à água. Por norma, os protectores minerais são mais espessos, e por isso mais difíceis de utilizar. No entanto, existem já no mercado texturas fluídas que facilitam a sua aplicação.

5.

Os calções ou fato de banho são suficientes?

Não. O bebé deve estar vestido com calças ou camisolas leves e frescas (de algodão), para que os braços e pernas fiquem protegidos. O uso de chapéu com abas largas para proteção das orelhas e pescoço, também é indicado. Caso o bebé já ande, deve fazê-lo descalço, mas tendo em atenção a temperatura da areia.

Os raios UV também podem danificar os olhos sensíveis do bebé, pelo que a Academia Americana de Pediatria recomenda o uso de óculos de sol, desde que as lentes sejam de boa qualidade (1).

Cuidado com as infeções

É bastante comum ver bebés na praia sem roupa. No entanto, deve evitar fazê-lo, pois o sistema imunitário ainda está em formação. Logo, os bebés são mais susceptíveis a desenvolverem infeções devido aos microorganismos que existem na areia da praia, especialmente na areia mais seca.

Brincar na areia da praia e na água do mar

O bebé deve brincar próximo da água e debaixo de um chapéu de sol por ser uma zona mais fresca. No caso dos bebés mais pequenos, deve ter-se em atenção a ingestão de areia ou eventualmente conchas e pedras. Caso o bebé leve areia à boca, deve retirar-se o mais possível e oferecer-lhe água. Não existem sintomas associados à ingestão de areia sem corpos estranhos, no entanto, deve evitar-se devido à presença de microorganismos.

Sempre que o bebé entrar na água ou se ficar muito sujo com areia, a fralda deve ser mudada para evitar irritações da pele e assaduras. Se optar por uma piscina de plástico, o nível de água deve ser baixo e estar vigiante, devido ao perigo de afogamento. A água deve também ser mudada várias vezes.

6.

Os bebés podem dormir na praia?

Bebé a dormir na praia

Sim. Se o bebé adormecer na praia, deve ficar numa zona fresca e arejada, como a toalha ou preferencialmente no carrinho de bebé.

7.

A alimentação dos bebés e a praia

O risco de intoxicação alimentar ocorre quando os alimentos não são devidamente conservados. Sendo a praia um local de temperaturas mais elevadas, é importante levar a comida do bebé numa geladeira ou lancheira térmica.

São aconselhadas refeições ligeiras e frescas como por exemplo sopas frias, saladas com vegetais, pão, palitos de cenouras e fruta laminada. Se o bebé ainda beber leite, este deve ser preparado apenas na hora de consumir. Caso o bebé seja amamentado, deve fazê-lo com maior frequência.

Além de ser mais económico, é também mais seguro e saudável levar as refeições preparadas de casa.

alimentação do bebé por idade: recomendações
Veja também Alimentação do bebé: as mais recentes recomendações para a diversificação alimentar

Hidratação

O risco de desidratação aumenta com as temperaturas elevadas. O corpo perde líquidos através da evaporação e transpiração de forma a libertar-se do calor excessivo. Por isso, é tão importante repor a água perdida principalmente nos bebés, sob risco de ocorrerem situações mais graves. Deve, por isso, incentivar periodicamente o bebé a ingerir mais água mesmo que este mostre que não tem sede.

8.

Cuidados a ter com o bebé após a exposição solar

Após a exposição solar e já no banho, deve ter-se em atenção as pregas da pele (pescoço, braços, pernas, virilhas e entre os dedos das mãos e dos pés), pois são zonas onde os restos de areia podem ficar acumulados. É também importante aplicar um creme hidratante.

Conclusão

Os bebés podem e devem aproveitar os momentos descontraídos de brincadeira à beira-mar, assim como os benefícios que a exposição solar oferece. No entanto, os pais devem ter em atenção as medidas necessárias para garantir a sua segurança.

Fontes

  1. American Academy of Pediatrics (2020). Sun safety and protection tips from the Americam Academy of Pediatrics. Acedido a 21 de Junho de 2020. Disponível em: https://www.who.int/news-room/q-a-detail/sun-protection
  2. Sociedade Portuguesa de Pediatria (2020). Vitamina D. Acedido a 21 de Junho de 2020. Disponivel em: http://criancaefamilia.spp.pt/promocao-de-saude/vitamina-d.aspx
  3. Direção-Geral da Saúde (2020). CALOR E RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA: cuidados a ter com as crianças. Disponível em: https://www.dgs.pt/ficheiros-de-upload-3/calor-folheto-criancas-pdf.aspx
  4. Skin Cancer Foundation (2020). Sun safe babies. Acedido a 22 de Junho de 2020. Disponível em: https://www.skincancer.org/blog/sun-safe-babies/
Veja também