Mónica Carvalho
Mónica Carvalho
28 Ago, 2020 - 09:15

COVID-19 pode sobreviver em congelados até três semanas

Mónica Carvalho

Estudo traz novos dados que podem ajudar a perceber a existência de surtos em países que não registavam casos há várias semanas.

covid-19 pode permanecer em alimentos congelados

Segundo um novo estudo elaborado em Singapura, e citado pelo jornal britânico Telegraph, o SARS-COV-2, o vírus que dá origem à doença COVID-19 pode permanecer em alimentos congelados durante até três semanas.   

Os dados apurados revelam, assim, que o vírus tem capacidade de resistir a temperaturas negativas, o que pode ajudar a explicar o aparecimento de surtos onde a situação estava dada como controlada, como aconteceu no Vietnam, na Nova Zelândia e em algumas províncias da China.

investigação covid-19 em congelados

Para chegar a esta conclusão, os investigadores colocaram amostras do coronavírus em pedaços de salmão, de carne de frango e de porco e congelaram a carne. Os alimentos foram mantidos à temperatura a que seriam submetidos em caso de importação ou exportação, isto é, entre os 4 e os 20 graus negativos. Ao fim de três semanas, as análises indicaram que o vírus não só podia ser identificado nos alimentos congelados, como estava ativo, logo, mantinha a capacidade de se propagar e contaminar humanos.

“Embora se possa argumentar com segurança que a transmissão por meio de alimentos contaminados não é uma rota de infeção importante, o potencial de movimento de produtos contaminados para uma região sem COVID-19 iniciar um surto é uma hipótese importante”, destacam os investigadores.

Veja também