Nutricionista Mafalda Serra
Nutricionista Mafalda Serra
28 Dez, 2020 - 16:37

4 benefícios associados ao consumo de chá preto

Nutricionista Mafalda Serra

O chá pode ser classificado como chá preto, verde, branco ou oolong. Fique a par das propriedades nutricionais e benefícios do chá preto.

Bule de chá preto em cima de mesa

O chá é considerado a bebida mais consumida em todo o mundo. É obtido a partir da infusão de folhas secas da planta Camellia sinensis e a sua origem remonta ao sul da China e ao sudeste asiático. O chá pode ser classificado como chá preto, verde, branco ou oolong, consoante o seu grau de fermentação (1).

Devido ao seu elevado consumo a nível global, qualquer impacto positivo na saúde humana (mesmo que pequeno), pode ter efeitos significativos na saúde pública.

No artigo de hoje, debruçar-nos-emos sobre o chá preto, quais as suas propriedades nutricionais e que benefícios para a saúde têm vindo a ser associados ao seu consumo.

O que é o chá preto e propriedades nutricionais?

Folhas secas de chá preto

De entre os vários tipos de chá, o chá preto é o mais consumido a nível mundial (seguido pelo chá verde, oolong e branco).

O chá preto é obtido ao esmagar e secar as folhas frescas da planta Camellia sinensis. Após esta etapa, o chá sofre um processo de fermentação e só depois é sujeito às etapas finais de processamento e distribuição para venda e consumo.

Durante a fermentação, algumas das catequinas presentes no chá combinam-se para formar flavonoides complexos (como as teaflavinas, teasinensinas e tearubiginas), responsáveis pelo sabor e cor característicos do chá preto (1).

Quais as suas propriedades nutricionais?

A composição do chá pode variar consoante a espécie, o seu tipo de folha e as condições de cultivo (como a época, o clima e as práticas agrícolas e culturais associadas). No entanto, é possível destacar a presença de moléculas farmacologicamente ativas que têm vindo a ser associadas a vários efeitos de saúde positivos (1).

O chá apresenta compostos fenólicos com propriedades antioxidantes, como as teaflavinas, teasinensinas e tearubiginas, que têm vindo a ser estudadas pela comunidade científica. Estas são responsáveis pelo aroma característico e pelos benefícios de saúde associados ao consumo de chá (1, 2).

Todavia, é importante referir que estes polifenóis estão presentes em concentrações mais elevadas no chá verde, comparativamente ao chá preto. Desta forma, a literatura cientifica também se tem debruçado principalmente no estudo dos benefícios associados ao consumo de chá verde comparativamente ao consumo do chá preto (1, 2).

Para além destes, o chá preto apresenta, na sua composição, outros compostos orgânicos como aminoácidos, hidratos de carbono, proteínas, compostos voláteis e metilxantinas.

O chá preto contém ainda cafeína que forma um complexo com as teaflavinas que modifica o sabor, adiciona frescura à bebida e contribui para a formação de um precipitado quando a infusão do chá preto é arrefecida (3).

No entanto, o teor em cafeína do chá preto pode variar significativamente consoante a origem, tipo e modo de preparação da bebida. Este é responsável principalmente pelo seu poder estimulante, que potencia o estado de alerta do individuo (4, 5).

Com cerca de 240ml de chá preto, é possível obter cerca de 45mg de cafeína (6). Porém, é importante reter que, em altas doses, o consumo de cafeína tem vindo a ser associado a sintomas de ansiedade e dificuldade em dormir. Para além disso, alguns estudos sugerem que o consumo regular de cafeína poderá causar enxaquecas ou dores de cabeça crónicas (7, 8, 9).

Quais os benefícios de saúde associados ao seu consumo?

Medicamentos para a gripe: quais os mais aconselhados?

Principalmente devido à presença de compostos fenólicos, o chá preto tem vindo a ser associado a vários benefícios de saúde. Assim, o consumo regular de chá preto poderá:

1

Apresentar melhorias ao nível da saúde cardiovascular

O consumo de chá preto está associado à redução do risco de desenvolvimento de doença cardiovascular, através da melhoria de diversos fatores associados (10, 11).

Primeiramente, vários estudos têm vindo a demonstrar que os polifenóis presentes no chá apresentam efeitos positivos associados à prevenção de aterosclerose, com melhoria do perfil lipídico e redução do colesterol sérico (11, 12).

No entanto, estes resultados ainda são contraditórios, uma vez que uma outra meta-análise não mostrou associação entre o consumo de chá preto e a melhoria do perfil lipídico (13).

Além disso, o consumo de chá está também associado à redução da pressão arterial (14). Uma meta-análise e revisão sistemática concluiu que o consumo diário de chá preto (4 a 5 copos) durante pelo menos 1 semana pode reduzir a pressão arterial.

Apesar de o seu efeito ser pouco significativo e a redução ser modesta do ponto de vista individual, pode representar uma redução significativa do risco de doença cardiovascular a nível populacional. No entanto, é importante referir que este estudo apresenta várias limitações (como a sua pequena amostra populacional ou de estudos incluídos) (14).

2

Melhorar o estado de hidratação corporal

A ingestão de chá pode contribuir para manter ou melhorar o estado de hidratação. Uma das estratégias alimentares sugeridas a indivíduos que não costumam atingir as suas necessidades hídricas diárias, poderá ser a ingestão de chás ou infusões em vez de água.

O sabor característico de vários chás poderá promover a ingestão de líquidos que contribuem para a melhoria do estado de hidratação corporal.

3

Ajudar na redução do risco de desenvolvimento de determinadas patologias

Alguns estudos têm vindo a demonstrar que os polifenóis presentes no chá, com as suas propriedades antioxidantes ou anti carcinogénicas, poderão estar associados à redução do risco de desenvolvimento de algumas patologias.

Já foram relatados em evidência alguns efeitos positivos associados à redução do risco de desenvolvimento de Diabetes Mellitus tipo 2 ou prevenção de outras patologias como Alzheimer ou Parkinson (15, 16, 17, 18).

Porém, estes resultados são observados maioritariamente em estudos realizados em laboratório ou em animais, pelo que não podem ser diretamente extrapolados para humanos. Dos estudos realizados em população humana, a qualidade dos mesmos revelou-se fraca e insuficiente para retirar conclusões que justifiquem alterar os protocolos de tratamento destas patologias.

4

Ajudar na gestão do peso, com efeitos positivos ao nível do combate à obesidade

Os polifenóis presentes no chá preto parecem ter uma atividade eficaz na prevenção da obesidade, sem efeitos secundários aparentes.

Alguns dos mecanismos de ação sugeridos para justificar este efeito positivo ao nível do controlo de peso são: a inibição da digestão e absorção de gordura, a promoção do metabolismo de gordura ou a redução do stress oxidativo (relacionado com o desenvolvimento de obesidade e comorbilidades associadas).

No entanto, são necessários mais estudos. Só assim será possível compreender com clareza e verificar a real eficácia dos polifenóis presentes no chá preto na prevenção de obesidade (18).

Concluindo…

É essencial desenvolver mais estudos que possam relacionar a ingestão de chá preto e os reais benefícios de saúde associados às propriedades antioxidantes características do seus polifenóis.

De qualquer das formas, o consumo regular de chá é considerado um dos fatores característicos de um estilo de vida saudável que poderá beneficiar o nosso estado de saúde de várias formas (10, 11).

Fontes

  1. Khan N, Mukhtar H. Tea Polyphenols in Promotion of Human Health. Nutrients. 2018 Dec 25;11(1):39. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6356332/
  2. Khan N., Afaq F., Mukhtar H. Cancer chemoprevention through dietary antioxidants: Progress and promise. Antioxid. Redox Signal. 2008;10:475–510. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/18154485/
  3. Chin JM, Merves ML, Goldberger BA, Sampson-Cone A, Cone EJ. Caffeine content of brewed teas. J Anal Toxicol. 2008 Oct;32(8):702-4. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/19007524/
  4. Stavric B, Klassen R, Watkinson B, Karpinski K, Stapley R, Fried P. Variability in caffeine consumption from coffee and tea: possible significance for epidemiological studies. Food Chem Toxicol. 1988 Feb;26(2):111-8. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/3366410/
  5. Panza F, Solfrizzi V, Barulli MR, Bonfiglio C, Guerra V, Osella A, Seripa D, Sabbà C, Pilotto A, Logroscino G. Coffee, tea, and caffeine consumption and prevention of late-life cognitive decline and dementia: a systematic review. J Nutr Health Aging. 2015 Mar;19(3):313-28. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25732217/
  6. U.S. Department of Agriculture, Agricultural Research Service. FoodData Central, 2020. Disponível em: https://fdc.nal.usda.gov/
  7. Mostofsky E, Mittleman MA, Buettner C, Li W, Bertisch SM. Prospective Cohort Study of Caffeinated Beverage Intake as a Potential Trigger of Headaches among Migraineurs. Am J Med. 2019 Aug;132(8):984-991. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0002934319302104
  8. Childs E, Hohoff C, Deckert J, Xu K, Badner J, de Wit H. Association between ADORA2A and DRD2 polymorphisms and caffeine-induced anxiety. Neuropsychopharmacology. 2008 Nov;33(12):2791-800. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/18305461/
  9. Scher AI, Stewart WF, Lipton RB. Caffeine as a risk factor for chronic daily headache: a population-based study. Neurology. 2004 Dec 14;63(11):2022-7. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/16009928/
  10. Bahorun T., Luximon-Ramma A., Neergheen-Bhujun V.S., Gunness T.K., Googoolye K., Auger C., Crozier A., Aruoma O.I. The effect of black tea on risk factors of cardiovascular disease in a normal population. Prev. Med. 2012;54:S98–S102. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/22198621/#:~:text=Conclusion%3A%20Black%20tea%20consumed%20within,overall%20antioxidant%20status%20in%20humans
  11. Giannakopoulou S.P., Panagiotakos D. Can tea consumption reduce the risk of CVD? A discussion paper of a recently published cohort study. Hell. J. Atheroscler. 2018;2018:104–110. Disponível em: https://www.japt.gr/wp-content/PDF/2018/172-765-1-PB.pdf
  12. Zhao Y., Asimi S., Wu K., Zheng J., Li D. Black tea consumption and serum cholesterol concentration: Systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Clin. Nutr. 2015;34:612–619. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/24972454/
  13. Wang D., Chen C., Wang Y., Liu J., Lin R. Effect of Black Tea Consumption on Blood Cholesterol: A Meta-Analysis of 15 Randomized Controlled Trials. PLoS ONE. 2014;9:e107711. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4169558/
  14. Greyling A, Ras RT, Zock PL, Lorenz M, Hopman MT, Thijssen DH, Draijer R. The effect of black tea on blood pressure: a systematic review with meta-analysis of randomized controlled trials. PLoS One. 2014 Jul 31;9(7):e103247. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25079225/
  15. Fatima M., Rizvi S.I. Anti oxidative effect of black tea theaflavin on erythrocytes subjected to oxidative stress. Natl. Acad. Sci. Lett. 2015;38:25–28. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s40009-014-0285-9
  16. Isemura M., Saeki K., Kimura T., Hayakawa S., Minami T., Sazuka M. Tea catechins and related polyphenols as anti-cancer agents. Biofactors. 2000;13:81–85. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/11237204/
  17. Huxley R., Lee C.M., Barzi F., Timmermeister L., Czernichow S., Perkovic V., Grobbee D.E., Batty D., Woodward M. Coffee, decaffeinated coffee, and tea consumption in relation to incident type 2 diabetes mellitus: A systematic review with meta-analysis. Arch. Intern. Med. 2009;169:2053–2063. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20008687/
  18. Pan H, Gao Y, Tu Y. Mechanisms of Body Weight Reduction by Black Tea Polyphenols. Molecules. 2016 Dec 7;21(12):1659. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6273558/
  19. Rietveld A., Wiseman S. Antioxidant effects of tea: Evidence from human clinical trials. J. Nutr. 2003;133:3285s–3292s. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/14519827/
Veja também