Nutricionista Hugo Canelas
Nutricionista Hugo Canelas
17 Jan, 2020 - 08:45

Oss alimentos que ajudar a baixar o ácido úrico

Nutricionista Hugo Canelas

Existem dietas que limitam a sua produção mas será que existem mesmo alimentos que baixam o ácido úrico?

Alimentos que baixam o ácido úrico: produtos lácteos

A hiperuricemia, ou gota, é o tipo mais comum de artrite inflamatória e é conhecida há milhares de anos (1). A causa desta doença é a deposição de cristais de urato monossódico nas articulações associada a excessos alimentares ou a fatores genéticos.

Do ponto de vista nutricional, as recomendações para a gestão desta doença datam do século XVIII e mantêm-se relativamente inalteradas desde então.

Em 1876 já era recomendada a diminuição da ingestão de alimentos ricos em purinas, como os mariscos (23), e em 1889 preconizava-se a diminuição da ingestão energética, o consumo abundante de água e frutas como morango e cereja bem como a evicção do consumo de bebidas alcoólicas (4).

No entanto, e embora seja amplamente aceite que uma dieta isenta/restrita em purinas seja a principal abordagem nutricional nesta doença, fica por esclarecer se existem alimentos que baixam o ácido úrico.

Neste artigo abordamos este tema, analisando de forma critica a existência de tais alimentos que, para além da sua natureza pobre em purinas, apresentam outro ou outros componentes com capacidade para baixar os níveis de ácido úrico no sangue.

QUAL É O PAPEL DA ALIMENTAÇÃO NESTA DOENÇA?

Alimentos que baixam o ácido úrico: alimentos a evitar

Alguns alimentos podem despoletar uma crise de gota devido à elevação dos níveis de ácido úrico. Estes alimentos são frequentemente ricos em purinas, substâncias naturalmente presentes, cujo metabolismo resulta em ácido úrico como produto de excreção (5, 6).

Embora não seja preocupante em pessoas saudáveis, em doentes com hiperuricemia há uma incapacidade para excretar corretamente o ácido úrico que se acumula posteriormente nas articulações e precipita sintomas de arterite crónica (7).

Os estudos mostram, contudo, que uma dieta restrita em purinas associada ao tratamento farmacológico pode prevenir as crises de gota (8).

Os alimentos que despoletam as crises, devido ao seu elevado conteúdo em purinas, incluem vísceras de animais, carnes vermelhas, mariscos, bebidas alcoólicas em geral e a cerveja em particular (910).

Curiosamente, a frutose e alimentos açucarados também podem despoletar crises de gota, não porque são ricos em purinas (11), mas porque aceleram vários processos celulares que induzem a produção de ácido úrico (121314).

Alguns dos alimentos ricos em purinas encontram-se listados abaixo:

  • Miúdos e vísceras, incluindo fígado, rins e cérebro de animais
  • Carnes de caça
  • Peixes: arenque, truta, cavala, atum, sardinha e anchova entre outros
  • Mariscos: vieiras, caranguejo, camarão e ovas
  • Bebidas açucaradas, especialmente refrigerantes e sumos de frutas
  • Açúcares de adição: mel, agave e xarope de milho rico em frutose
  • Leveduras, incluindo a de cerveja e em forma de suplementos.

Para além destes, alimentos ricos em hidratos de carbono refinados como o pão branco, biscoitos e doçarias também devem ser evitados já que, mesmo não sendo ricos em purinas ou frutose, não são nutricionalmente interessantes e podem aumentar os níveis de ácido úrico (15).

Alimentos ricos em hidratos de carbono
Veja também Alimentos ricos em hidratos de carbono

ALIMENTOS QUE BAIXAM O ÁCIDO ÚRICO

Embora a base nutricional para a gestão desta doença passe por escolher alimentos pobres em purinas, alguns deles apresentam componentes bioativos que podem inclusive baixar os níveis de ácido úrico.

Existe, no entanto, uma exceção: vegetais ricos em purinas não aparentam despoletar ataques de gota mas o porquê deste fenómeno ainda não está completamente esclarecido (16).

Alimentos que baixam o ácido úrico: cerejas 

Conheça as frutas e legumes que causam gases

Está definido que a ingestão de alimentos ricos em vitamina C ajudam a reduzir os ataques de gota (17). No entanto, no caso da cereja, esse não parece ser o caso.

Um estudo elaborado com 10 mulheres mostrou que o consumo de cerejas, mas não outros frutos, reduziu significativamente os níveis de ácido úrico (18). As cerejas são ricas em antocianinas que apresentam um efeito anti-inflamatório através da inibição da enzima cicloxigenase-I.

Embora as cerejas apresentem alguma vitamina C (cerca de 80 mg por porção), é pouco provável que esta quantidade tenha qualquer impacto nas crises de gota, uma vez que as doses relevantes associadas à redução do ácido úrico no sangue são superiores a 500 mg/dia (19).

vitamina c previne gripes e constipações: sumo de laranja natural
Veja também Fact-check: a vitamina C previne gripes e constipações?

Alimentos que baixam o ácido úrico: produtos lácteos

Alimentos para dormir bem: o papel da melatonina

As proteínas do leite, caseínas e lactoglobulinas, aparentam ter não só um um efeito uricosúrico, mas parecem baixar de forma isolada os níveis de ácido úrico no sangue.

Um estudo explorou o efeito agudo da suplementação com 80 g de caseína, lactoglobulina e isolado de proteína de soja, tendo-se verificado que o ácido úrico sérico diminui significativamente após ingestão das proteínas do leite, mas que aumenta após o consumo de soja.

Os mecanismos envolvidos neste fenómeno são ainda incertos, mas podem estar associados a uma competição pela absorção de proteína a nível renal ou ao aumento da excreção de ácido úrico na presença de níveis aumentados de ureia plasmática.

Da análise de resultados foi sugerido que os efeitos dos produtos lácteos na eliminação e produção de ácido úrico seja um efeito multifatorial (20).

Alimentação saudável em tempo de quarentena: mãe e filha a preparar o almoço
Veja também A importância da alimentação saudável em tempo de quarentena

Alimentos que baixam o ácido úrico: café

refluxo-o-que-nao-deve-comer-evitar-complicacoes

Embora frequentemente incluído nas listas de alimentos a não consumir por doentes com gota, o café pode na verdade ser um dos alimentos que diminui o ácido úrico.

A cafeina é considerada uma metilxantina cuja ação pode bloquear a da enzima xantina oxidase, uma das enzimas responsáveis pela conversão das purinas a ácido úrico. Na verdade, este é apenas um dos mecanismos pelos quais o café pode ajudar a baixar o ácido úrico (21).

Para além de diminuir os seus níveis no sangue, o café pode aumentar a taxa de eliminação do ácido úrico, como o que se verifica com as proteuinas do leite. Um artigo de revisão recente indica que o consumo frequente de café baixa os níveis de ácido úrico e diminui o numero de crises (22).

No entanto, este efeito parece ser exclusivo do café, uma vez que num estudo de 2007 o consumo de chá não estava associado à diminuição do ácido úrico (23).

Estes dados parecem implicar que outros compostos presentes no café, para além da cafeina, podem atuar de forma sinérgica para baixar os níveis de ácido úrico no sangue.

Alimentos que baixam o ácido úrico: água

20 alimentos ricos em fibra para uma boa saúde intestinal

Estudos mostram a o uso de saunas com o intuito de desidratar aumenta as concentrações plasmáticas de ácido úrico e oxipurinas (xantina e hipoxantina) ao mesmo tempo que diminui a sua excreção urinária (24).

Por outro lado, a desidratação associada à prática de exercício físico parece ter efeitos semelhantes (25), colocando em evidência o papel da hidratação na produção de urina e no controlo do ácido úrico no sangue através da sua excreção.

Neste sentido, os doentes com gota são encorajados a ingerir grandes quantidades de fluidos, como sugerido num estudo em que o consumode quase 2 litros de água por dia reduziu o número de crises em 46% (26).

beber mais água em casa: mulher a encher copo de água da torneira
Veja também 10 truques para beber mais água em casa

CONCLUSÃO

As recomendações nutricionais para o tratamento da gota são geralmente baseadas em evidência datada e de baixa qualidade. No entanto, as recomendações mais frequentes envolvem a limitação do consumo de alimentos ricos em purinas e a perda de peso, estando ainda por explorar o papel de determinados alimentos nos níveis de ácido úrico.

Estes, por sistema, são alimentos já pobres em purinas, que contêm substâncias que reduzem os níveis de ácido úrico, como a vitamina C, ou que aumentam a produção de urina e assim a excreção desta substância.

Se tem problemas com ácido úrico, pode beneficiar do consumo destes alimentos, aliados à terapêutica instituída pelo seu médico assistente. Consulte um nutricionista credenciado para saber a melhor forma de incluir estes alimentos no seu dia-a-dia.

Fontes

  1. Nielsen, S. M., et.al. (2018). Nutritional recommendations for gout: An update from clinical epidemiology. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S156899721830209X?via%3Dihub
  2. G. Nuki, P.A. Simkin. (2006). A concise history of gout and hyperuricemia and their treatment. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1186/ar1906
  3. Garrod, A.B. (1876). A treatise on gout and rheumatic gout (rheumatoid arthritis). Disponível em: https://books.google.pt/books?hl=pt-PT&lr=&id=-f4oAAAAYAAJ&oi=fnd&pg=PA1&dq=A+treatise+on+gout+and+rheumatic+gout++London:+Longmans,+Green&ots=FTqahaxHli&sig=P9zEipC11Gq2eOdi6NgInnT889o&redir_esc=y#v=onepage&q=A%20treatise%20on%20gout%20and%20rheumatic%20gout%20%20London%3A%20Longmans%2C%20Green&f=false
  4. Ebstein, W. (1889). The Nature and Treatment of Gout. Disponível em: https://scholar.google.com/scholar_lookup?title=The%20Nature%20and%20Treatment%20of%20Gout&publication_year=1889&author=W.%20Ebstein
  5. Mahan, L.K., Raymond, J.L. (2017). Krause’s Food and Nutrition Care Process. 14th Edition. St Louis, Missouri.
  6. So, A., & Thorens, B. (2010). Uric acid transport and disease. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20516647
  7. Richette, P., & Bardin, T. (2010). Gout. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19692116
  8. Zhang, Y., et.al. (2012). Purine-rich foods intake and recurrent gout attacks. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3889483/
  9. Shulten, P., et.al. (2009). The role of diet in the management of gout: a comparison of knowledge and attitudes to current evidence. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19192022
  10. Singh, J. A., et.al. (2011). Risk factors for gout and prevention: a systematic review of the literature. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4104583/
  11. Choi, H. K., & Curhan, G. (2008). Soft drinks, fructose consumption, and the risk of gout in men: prospective cohort study. Disponível em: https://www.bmj.com/content/336/7639/309
  12. Choi, H. K., et.al. (2005). Pathogenesis of Gout. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16204163
  13. Fox, I. H., & Kelley, W. N. (1972). Studies on the mechanism of fructose-induced hyperuricemia in man. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/5047915
  14. Jamnik, J., et.al. (2016). Fructose intake and risk of gout and hyperuricemia: a systematic review and meta-analysis of prospective cohort studies. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5073537/
  15. Juraschek, S. P., et.al. (2015). Effects of Lowering Glycemic Index of Dietary Carbohydrate on Plasma Uric Acid: The OmniCarb Randomized Clinical Trial. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26636424
  16. Choi, H. K., et.al. (2004). Purine-Rich Foods, Dairy and Protein Intake, and the Risk of Gout in Men. Disponível em: https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa035700
  17.  Arthritis Foundation. (n.d.). Gout diet: dos and don’ts. Disponível em: https://www.arthritis.org/health-wellness/healthy-living/nutrition/healthy-eating/gout-diet-dos-and-donts
  18. Jacob RA, et al. (2003). Consumption of cherries lowers plasma urate in healthy women. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12771324?dopt=Abstract
  19. Huang HY, et al. (2005). The effects of vitamin C supplementation on serum concentrations of uric acid: results of a randomized controlled trial. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15934094?dopt=Abstract
  20. Garrel, D. R., et.al. (1991). Milk- and soy-protein ingestion: acute effect on serum uric acid concentration. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/2000819
  21. Roddy, E., & Choi, H. K. (2014). Epidemiology of Gout. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4119792/
  22. Kakutani-Hatayama, M., et.al. (2015). Nonpharmacological Management of Gout and Hyperuricemia: Hints for Better Lifestyle. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6125106/
  23. Choi, H. K., & Curhan, G. (2007). Coffee, tea, and caffeine consumption and serum uric acid level: The third national health and nutrition examination survey. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17530681
  24. Yamamoto T, et.al. (2004). Effect of sauna bathing and beer ingestion on plasma concentrations of purine bases. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15164327
  25. Huang L, et.al. (2010). Effects of profuse sweating induced by exercise on urinary uric acid excretion in a hot environment. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21793335
  26. Neogi T, et.al. (2009). Drinking water can reduce the risk of recurrent gout attacks. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/292811421_Drinking_water_can_reduce_the_risk_of_recurrent_gout_attacks
Veja também