Publicidade:

Glutamina: benefícios, uso e efeitos secundários deste aminoácido

A glutamina é o aminoácido mais abundante no corpo humano, sendo especialmente interessante em contexto clínico. Fique a conhecer melhor o seu papel.

 
Glutamina: benefícios, uso e efeitos secundários deste aminoácido
Saiba mais sobre os efeitos da glutamina no rendimento muscular.

glutamina constitui cerca de 60% de todos os aminoácidos livres existentes no nosso corpo. Pelo facto de poder ser sintetizada a partir de outros aminoácidos como o ácido glutâmico, a valina e a isoleucina, é considerado um aminoácido semi-essencial.

É produzida nos músculos e depois disseminada pelos restantes órgãos, através do sangue e, por essa razão, é um dos aminoácidos mais abundantes no tecido muscular e no plasma sanguíneo (que circula por todo o organismo) (1). Para além da produção endógena, a glutamina pode ser encontrada numa grande variedade de alimentos, principalmente de origem animal.

Estima-se que a dieta média forneça cerca de 3 a 6 g de glutamina por dia, mas estes valores podem variar com o tipo de padrão alimentar seguido (2). Abaixo estão listados alguns dos alimentos com maior teor de glutamina:

  • Ovos: 4,4% (0,6 g/100 g)
  • Carne de vaca: 4,8% (1,2 g/100 g)
  • Leite: 8,1% (0,3 g/100 g)
  • Tofu: 9,1% (0,6 g/100 g)
  • Arroz: 11,1% (0,3 g/100 g)
  • Milho: 16,2% (0,4 g/100 g)

Embora alguns alimentos contenham grandes teores de glutamina, apresentam quantidades mais baixas de proteína totais (3). Desta forma, a carne e os alimentos de origem animal constituem as fontes mais simples de obter glutamina na alimentação (embora virtualmente qualquer alimento com proteína contenha uma quantidade deste aminoácido).

No entanto, sob algumas circunstâncias (como lesões ou algumas doenças), as necessidades são superiores à nossa capacidade de produção e, por essa razão, a glutamina é considerada um aminoácido condicionante (4).

Glutamina em contexto clínico


entrerocitos glutamina

A glutamina tem vindo a ser alvo de estudo durante alguns anos. No caso do sistema gastrointestinal, a glutamina está envolvida na génese e gestão de várias doenças intestinais. Fisiologicamente, este aminoácido promove a proliferação dos entrerócitos (células intestinais), regula a expressão das proteínas que constituem as junções célula-célula, suprime as vias sinalizadoras de inflamação e protege as células contra a apoptose (morte celular programada) e stress celular, tanto em indivíduos saudáveis como doentes (14).

No entanto, nem todos os autores estão de acordo com os benefícios da suplementação deste aminoácido em casos específicos. No caso dos doentes críticos, por exemplo, não há evidência que suporte a administração endovenosa de aminoácidos de forma individual e que, no caso da glutamina, essa prática possa ser inclusive mais deletéria do que benéfica (17).

Glutamina, sistema imunitário e saúde em geral


soro fisiologico hospital glutamina

A importância da glutamina é o seu papel no sistema imune. Constitui a principal fonte de energia para as células da imunidade, incluindo glóbulos brancos e algumas células intestinais (5). No entanto, a sua concentração plasmática pode sofrer diminuição no caso de doentes traumatizados, queimados ou cirúrgicos (6,7).

Nestes casos, em que as necessidades fisiológicas são superiores à capacidade de síntese, o nosso corpo pode necessitar de mobilizar as proteínas das reservas muscular de forma a equilibrar os valores séricos de glutamina o que, em casos mais graves, conduz a caquexia, uma síndrome multifatorial que consiste em atrofia muscular, perda de peso e fraqueza generalizada (8).

Para além disso, esta situação pode comprometer o funcionamento do sistema imune, aumentando a incidência de complicações infeciosas bem como o tempo de estadia nos hospitais e os custos associados aos doentes (9). Por estas razões a prescrição de dietas hiperproteicas, muitas vezes suplementadas com glutamina é cada vez mais comum em doentes cirúrgicos, traumatizados e queimados (10).

Tirando estes casos, não existe grande evidência científica que suporte os benefícios da sua suplementação em adultos saudáveis, uma vez que a produção interna, associada à glutamina da dieta, são suficientes para atingir as necessidades diárias. Em alguns casos, doses crónicas deste suplemento podem causar efeitos secundários importantes no sistema imunitário e na produção de amónia, um agente neurotóxico (11).

Glutamina, HIV e saúde gastrointestinal


comprimidos glutamina

O papel dos antioxidantes na prevenção da morte celular programada (apoptose) está já bem documentado. Um deles, a glutationa, é um produto do metabolismo da glutamina, contribuindo para o aumento da massa magra em doentes com HIV (27).

Está descrito que a ingestão oral de glutamina, em doses de 40 g/dia produzem efeitos benéficos marcados na medida em que na gestão da mucosite oral, uma complicação frequente em doentes imuno-deprimidos, e permitem a ingestão per-os (pela boca), prevenindo a perda de peso não intencional (27).

Glutamina e saúde gastrointestinal

Os benefícios da glutamina no sistema imune estão diretamente associados ao seu papel na saúde intestinal. Este órgão é considerado a maior porção do sistema imune do ser humano, tanto devido aos muitos tipos de células com função de proteção como à microbiota intestinal que lá existe (12).

Como já foi referido, a glutamina é a fonte energética preferencial dos enterócitos e células da imunidade (5). Apesar dos vários processos da imunidade intestinal, a barreira mais crítica contra a invasão de microrganismos e produtos microbianos é o próprio epitélio intestinal.

Estruturalmente, o intestino compreende um epitélio de camada única colunar organizado em vilosidades. Complexos de junção célula-célula especializados permitem uma permeabilidade seletiva (junções de oclusão), mantêm adesão intracelular (junções intermediárias e desmossomas) e permitem a comunicação intercelular (junções lacunares, gap junctions).

Em condições normais, as junções firmes excluem o movimento de bactérias e outras moléculas, no entanto, nos casos em que a estrutura intestinal é afetada, estas junções podem ficar mais fracas, permitindo a movimentação de microorganismos causadores de doença para a corrente sanguínea.

A glutamina, enquanto agente energético, tem um papel na prevenção deste fenómeno denominado, em inglês de leaky gut (13). Em relação a doenças intestinais específicas, vários estudos foram realizados para avaliar o papel deste aminoácido na doença de Crohn.

No entanto, após análise das revisões mais recentes disponíveis, ainda não há dados suficientes para comprovar a sua eficácia e segurança enquanto indutor de remissão desta doença, havendo estudos que indicam que este suplemento pode inclusive ser nocivo nestes casos (15).

Relativamente às complicações da quimio e/ou radioterapia no tratamento dos cancros do colon e colorretal, as revisões mais recentes indicam que a glutamina pode ter um papel no controlo da mucosite intestinal e na diarreia, ao mesmo tempo que promove um balanço proteico positivo, melhorando o sistema imune e auxiliando na cicatrização (no caso de o doente ser submetido a cirurgia) (16).

Glutamina e performance desportiva


desportista e glutamina

Devido ao seu conhecido papel na síntese proteica, a glutamina tem vindo a ser estudada como potenciadora da hipertrofia (aumento de massa muscular) e da performance desportiva.

Num estudo de seis semanas, comparou-se o efeito deste aminoácido na hipertrofia muscular e, embora os resultados em termos de força e aumento de massa tenham sido positivos, foram-no em ambos os grupos, sem diferenças significativas (18). Outros estudos sugerem o mesmo (19,20).

No fundo a glutamina não tem o efeito ergogénico proposto durante anos. No entanto, alguns estudos apontam para um efeito na diminuição da dor muscular e recuperação após o exercício intenso (21), especialmente quando à glutamina se juntam hidratos de carbono, em doses de 70 mg/kg/dia e 1 g/kg/dia respetivamente (22). Devido ao seu papel na imunidade, este aminoácido também é estudado no sentido de promover melhorias no sistema imune de atletas, mas com resultados muito variados (23,24,25).

Por fim, relativamente à recuperação das reservas de glicogénio gastas após uma sessão de treino intenso, não houve melhorias neste processo após suplementação com glutamina (26). Importa salientar que a maior parte dos atletas consome quantidades diárias de proteínas acima das recomendações diárias pelo que, mesmo não suplementando glutamina, obtêm também quantidades elevadas deste aminoácido.

Dose, segurança e efeitos secundários da glutamina


suplementacao glutamina

De uma forma geral, a utilização a curto prazo de qualquer suplemento é considerada segura para a população adulta. Uma vez que a glutamina é o aminoácido mais abundante no nosso corpo, não se espera que quantidades “normais” tenham efeitos negativos para a saúde.

Estima-se que a dieta média forneça cerca de 3 a 6 g de glutamina por dia, mas estes valores podem variar com o tipo de padrão alimentar seguido (2). Os estudos realizados com os suplementos de glutamina utilizam doses muito variáveis (de 5 a 45 g/dia) e, embora não se tenha detetado efeitos negativos, mesmo no caso das doses mais elevadas, a verdade é que os marcadores sanguíneos não foram examinados especificamente.

Uma vez que não há dados relativamente às doses máximas de ingestão da maior parte dos aminoácidos – e em particular da glutamina – é ainda impossível dar informação sobre a toxicidade causada pela suplementação em doses suprafisiológicas. Em teoria, os efeitos diretos da glutamina incluem a elevação sérica de produtos finais do metabolismo comno a amónia, a competição/antagonismo com outros aminoácidos e efeitos na função renal e hepática (26).

Por fim, é possível que a suplementação deste aminoácido não apresente qualquer efeito se o padrão alimentar for baseado em proteínas de alto valor biológico (carne, peixe, ovo). No entanto, no caso de seguir uma dieta baseada em proteína de origem vegetal – cujo conteúdo original em glutamina é naturalmente baixo – é possível que a suplementação com este aminoácido, numa dose diária de 5 gramas, seja benéfica a curto e segura a longo prazo.

Conclusão


A glutamina é um aminoácido semi-essencial que desempenha um papel preponderante na regulação do sistema imune. No entanto, em casos em que as necessidades são aumentadas, o organismo pode não ter capacidade de a produzir nas quantidades necessárias, sendo preciso recorrer a suplementação.

Os suplementos promovem melhorias da função imune e preservam as reservas proteicas do corpo.

O intestino é um interveniente major do sistema imune e, sendo a glutamina o substrato preferencial dos enterócitos e células da imunidade, ajuda a manter a barreira que o separa do resto do organismo, protegendo da translocação bacteriana.

Em termos desportivos, os suplementos de glutamina não aumentam a força nem promovem o aumento do músculo; podem, no entanto, ajudar na recuperação e na redução da fadiga após o exercício.

A toma de suplementos, mesmo associada a uma dieta hiperproteica, é considerada segura. No entanto, carecemos de estudos que analisem a forma como a glutamina interage com os restantes aminoácidos, bem como na forma como são geridos os produtos tóxicos do seu metabolismo. São necessários mais estudos, a longo prazo, para determinar a sua efetiva segurança.

Veja também:

Fontes

1. Hall, J.C. et al. (1996). Glutamine. Disponível em: 
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8665180 
2. Gleeson, M. (2008). Dosing and Efficacy of Glutamine Supplementation in Human Exercise and Sport Training. Disponível em:
https://academic.oup.com/jn/article/138/10/2045S/4670120 

3. Lenders, C. M. et al. (2009). Evaluation of a novel food composition database that includes glutamine and other amino acids derived from gene sequencing data. Disponível em: 
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19756030 
4. Lacey, J. M. et al. (2009). Is Glutamine a Conditionally Essential Amino Acid?. Disponível em:
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/2080048 

5. Demling, R.H. (2009). Nutrition, anabolism, and the wound healing processe: na overview. Disponível em:
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2642618/ 

6. Lin, J.-J. et al. (2013). A meta-analysis of trials using the intention to treat principle for glutamine supplementation in critically ill patients with burn. Disponível em: 
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23313017 
7. Van Zanten, A. R. H. et al. (2015). Enteral glutamine supplementation in critically ill patients: a systematic review and meta-analysis. Disponível em: 
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26283217 
8. Mittendorfer, B. et al. (1999). Accelerated Glutamine Synthesis in Critically III Patients Cannot Maintain Normal Intramuscular Free Glutamine Concentration. Disponível em: 
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10485436 
9. De Menêses, A.G. et al. (2019). Effects of oral supplementation in the management of oral mucositis in cancer patients: a meta-analysis of randomized clinical trials. Disponível em: 
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/31172573 
10. De-Souza, D. A. et al. (1998). Pharmacological Nutrition After Burn Injury. Disponível em:
https://academic.oup.com/jn/article/128/5/797/4722368 

11. Holecek, M. (2012). Side Effects of Long-Term Glutamine Supplementation. Disponível em:
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22990615 

12. Chassaing B. et al. (2014). Mammalian gut immunity. Disponível em: 
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25163502 
13. Krishna Rao, R. (2012). Role of Glutamine in Protection of Intestinal Epithelial Tight Junctions. Disponível em:
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4369670/ 

14. Kim, M.-H. et al. (2017). The Roles of Glutamine in the Intestine and Its Implication in Intestinal Diseases. Disponível em:
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28498331 

15. Akobeng, A. K. et al. (2016). Glutamine for induction of remission in Crohn’s disease. Disponível em:
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26853855 

16. Jolfai, N.R. et al. (2015). The effect of glutamine intake on complications of colorectal and colon cancer treatment: a systematic review. Disponível em: 
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26759580 
17. Gunst, J. et al. (2018). Amino acid supplements in critically ill patients. Disponível em:
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29223645 

18. Candow, D. et al. (2001). Effect of glutamine supplementation combined with resistance training in young adults. Disponível em:
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11822473 

19. Lehmukuhl, M. et al. (2003). The effects of 8 weeks of creatine monohydrate and glutamine supplementation on body composition and performance measures. Disponível em: 
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12930166 
20. Antonio, J. et al. (2002). The effects of high-dose ingestion on weightlifting performance. Disponível em:
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11834123 

21. Legault, Z. et al. (2015). The Influence of Oral L-Glutamine Supplementation on Muscle Strength Recovery and Soreness Following Unilateral Knee Extension Eccentric Exercise. Disponível em: 
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25811544 
22. Carvalho-Peixoto, J. et al. (2007). Glutamine and carbohydrate supplements reduce ammonemia increase during endurance field exercise. Disponível em: 
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18059593 
23. Song, Q.H. (2015). Glutamine supplementation and imune function during heavy load training. Disponível em:
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25740264 

24. Rohde, T. et al. (1998). Effect of glutamine supplementation on changes in the imune system induced by repeated exercise. Disponível em:
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9624643 
25. Castell, L. M. (2003). Glutamine Supplementation In Vitro and In Vivo, in Exercise and in Immunodepression. Disponível em:
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12696982 

26. Shao, A. et al. (2008). Risk assessment for the amino acids taurine, l-glutamine and l-arginine. Disponível em:
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18325648 

27. Patrick, L. (2000). Nutrients and HIV: part three – N-acetylcysteine, alfa.lipoic acid, L-glutamine, and L-carnitine. Disponível em:
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10956377 

Nutricionista Hugo Canelas Nutricionista Hugo Canelas

Hugo Canelas é nutricionista (CP 1389N), licenciado em Ciências da Nutrição pela Escola Superior de Biotecnologia e mestre em Nutrição Clínica pela Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto. É professor assistente convidado da Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Brangança desde 2018 e Nutritional Consultant do projeto de perda de peso “360em63”.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].