Danielle Paiva
Danielle Paiva
23 Jul, 2020 - 09:40

Tratamento de hemorroidas: 10 formas para aliviar ou curar

Danielle Paiva

Descubra qual o tratamento de hemorroidas mais adequado para o seu caso, quando deve consultar um médico e quais as opções para alívio rápido dos sintomas.

Tratamento de hemorroidas

O tratamento de hemorroidas pode ser mais ou menos imediato. Em algumas casos basta uma alteração alimentar para reduzir os sintomas, noutros é preciso tomar medicação e pode ser mesmo necessário recorrer a procedimentos cirúrgicos.  

Esta é uma condição benigna muito frequente na população adulta. As hemorroidas nada mais são do que veias dilatadas na região do ânus e reto, internas ou externas, e os sintomas podem ser prurido, dor intensa, aparecimento de prolapso ou sangramento.

10 OPÇÕES PARA TRATAMENTO DE HEMORROIDAS

Mulher com dores por causa das hemorroidas

As causas das hemorroidas podem ser diversas. As principais estão associadas ao esforço dejetório excessivo, a obstipação crónica, gravidez, infeções ou doenças, a ausência de valvas nos vasos hemorroidários, fatores genéticos ou por causa da nossa postura vertical, que provoca uma maior pressão sobre a zona do reto, resultando em prolapso (1). Eis alguns dos tratamentos que permitem o alívio dos sintomas.

1.

Aumento do consumo de fibras na dieta

Aumentar a ingestão de fibra na dieta, permite acelerar o trânsito intestinal e, pela retenção de água, tornar as fezes mais macias. Esta é uma das melhores formas de prevenção e tratamento de hemorroidas.

Os doentes com uma dieta pobre em fibra devem procurar fazer alterações na dieta para consumir mais fruta, legumes, vegetais e cereais integrais. Contudo, apesar destes alimentos conterem fibra solúvel, esta pode não ser suficiente. Nesses casos, podem incluir entre 2 a 6 colheres de sopa de farelo em cada refeição.

O efeito laxante pode demorar 3 a 5 dias e o alívio da obstipação algumas semanas. O farelo pode causar distensão abdominal e flatulência pelo que deve ser ingerido com muitos líquidos.

Estes sintomas podem ser controlados se não iniciar o consumo de farelo de forma drástica, aumentando a quantidade de colheres de farelo gradualmente.

Asma e alimentação: consumir alimentos ricos em fibras
Veja também 20 alimentos ricos em fibra para uma boa saúde intestinal
2.

Aumento do consumo de água

mulher a beber água de garrafa

Ao aumentar o consumo de água, melhoramos o trânsito intestinal e também temos fezes mais amolecidas. O consumo ideal de água está relacionado ao peso e a idade. Em média, um adulto deve ingerir 2000 ml de água por dia, cerca de 6 a 8 copos.

Se pratica algum desporto ou realiza alguma atividade de maior intensidade, pode ser necessário aumentar a quantidade de água ingerida. Para perceber se precisa de beber mais água deve observar sempre a coloração da urina. A urina deve ser o mais clara possível e não pode ter odor forte.

beber mais água em casa: mulher a encher copo de água da torneira
Veja também 10 truques para beber mais água em casa
3.

Banhos de assento

Os banhos de assento podem ser feitos de 3 a 4 vezes por dia, durante 10 a 15 minutos, com água morna. Não use água fria! Aliás, se a temperatura da água arrefecer, deve adicionar mais água quente.

É importante que a região genital fique totalmente submersa pelo que estes banhos podem ser feitos no bidé ou numa bacia, sendo necessário acautelar que qualquer uma das opções está bem limpa. Após o banho, deve secar muito bem a zona com uma toalha muito macia.

Esta é uma medida simples que alivia o desconforto causado pelas hemorroidas porque promove a vasodilatação e acalma os tecidos. O alívio é imediato mas não é suficiente para tratar a crise hemorroidária.

4.

Frio local no tratamento de hemorroidas

Gelo para o tratamento de hemorroidas

Se as hemorroidas estão muito inchadas, aplicar frio no local vai ajudar a reduzir a proeminência. Funciona também como um analgésico para a dor intensa que as hemorroidas habitualmente provocam.

5.

Retirada de coágulo em hemorroidas externas

As hemorroidas externas, quando isoladas, são habitualmente tratadas com medicamentos, a não ser no caso de sofrerem trombose. Quando isto ocorre é feita  a excisão do coágulo, sem excisão da hemorroida, nas primeiras 72 horas após o início dos sintomas.

Este tratamento de hemorroidas é simples e pode ser efetuado em segurança e com elevada eficácia no consultório médico. No entanto, as hemorroidas externas trombosadas e de grandes dimensões, que se estendem para o canal anal, podem necessitar de excisão completa da hemorroida no bloco operatório.

6.

Pomadas de uso tópico

Mulher a aplicar pomada

As pomadas atuam reduzindo a dor, a comichão e a inflamação, melhorando a circulação sanguínea e acelerando a cicatrização. Pode aplicar protetores da pele (creme gordo) após a defecação, anestésicos contendo benzocaina, dibucaina ou pamoxina.

Pomadas com hidrocortisona são seguras e podem aliviar o prurido, facilitando o tratamento de hemorroidas e diminuindo os riscos de sangramento. Contudo, estas pomadas não curam e não deve exceder a utilização por mais de uma semana já que podem atrofiar a pele do ânus.

7.

Hemorroidectomia convencional nas hemorroidas internas

A hemorroidectomia fechada (Técnica de Fergunson) é a cirurgia mais comum para tratamento de hemorroidas internas. Este procedimento é realizado através de uma incisão com ponto de partida no tecido hemorroidário externo, estendendo-se até à parte superior da coluna hemorroidária. Apenas deve ser retirado o tecido redundante da derme anal e da hemorroida.

Na hemorroidectomia aberta (Técnica de Milligan-Morgan), por sua vez, utiliza-se um procedimento semelhante ao da hemorroidectomia fechada, mas é efetuada a excisão sem encerramento da mucosa, ou seja, neste caso laqueia-se apenas o pedículo .

8.

Laqueação elástica nas hemorroidas internas

Médico a ver diagnóstico

Este tratamento de hemorroidas é eficaz para hemorroidas internas de primeiro e segundo grau. Os dispositivos usados para aspiração e laqueação elástica (designados no meio como “pistolas”) permitem aspirar o tecido hemorroidário esponjoso numa área insensível. Não é necessário anestesia.

As complicações mais comuns a todas as técnicas instrumentais, são a dor e os sangramentos retais. A dor é frequente e, na maioria das vezes, referida como um simples desconforto, mas pode ser intensa e persistir alguns dias.

9.

Desarterialização hemorroidária transanal nas hemorroidas internas

Esta cirurgia consiste na identificação das artérias com hiperfluxo sanguíneo e o seu “estrangulamento” através de pontos de sutura. O procedimento consiste no fechamento das artérias com fios cirúrgicos para, assim, impedir o fluxo de sangue.

É um procedimento bastante simples que pode ser realizado em poucos minutos. Como não existe corte, a recuperação do paciente é melhor e mais rápida do que quando é usada a técnica tradicional. Em poucos dias, o paciente está apto para voltar à sua rotina normal.

10.

Esclerose hemorroidária nas hemorroidas internas

Profissional de saúde a preparar injeção para tratamento de hemorroidas

Consiste na injecção de uma substância (agente esclerosante dos vasos) na mucosa que recobre as hemorroidas internas, reduzindo o seu tamanho. Podem ser necessárias várias sessões para o tratamento alcançar os resultados desejados. (1, 2, 3)

QUANDO DEVe CONSULTAR UM MÉDICO?

Assim que identificar uma hemorroida deve consultar o seu médico a fim de perceber se há a necessidade de um tratamento de hemorroidas.

Todos os pacientes com idade acima de 40 anos, apresentando sangramento retal, devem ser examinados pelo médico porque podem ser necessários exames complementares para despiste de outras condições de saúde (2).

Fontes

  1. FERNANDES, V. (2009). Doença hemorroidária. Revista Portuguesa de Coloproctologia. Disponível em https://www.spcoloprocto.org/uploads/rpcol_maio_agosto_2009__pags_36_a_43.pdf
  2. LEAL, Nuno. Tratamento cirúrgico de hemorroidas. 2013. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Disponível em file:///Users/daniellepaiva/Downloads/Tratamento_Cirurgico_de_Hemorroidas.pdf
  3. Hemorrhoids and what to do about them. 2019 . Harvard Medical School Disponível em https://www.health.harvard.edu/diseases-and-conditions/hemorrhoids_and_what_to_do_about_them
Veja também