Catarina Milheiro
Catarina Milheiro
27 Set, 2022 - 10:51

7 sintomas físicos de ansiedade

Catarina Milheiro

Saiba quais os sintomas físicos de ansiedade que pode reconhecer rapidamente, para assim recuperar a calma.

Está a par dos sintomas físicos de ansiedade? A verdade é que esta é uma reação normal relativamente ao stresse do dia-a-dia ou ao perigo.

No fundo, a ansiedade pode ser compreendida como uma sensação de medo ou insegurança perante uma preocupação ou ameaça sobre algo que poderá acontecer e que receamos ser negativo.

É bastante comum sentirmo-nos ansiosos quando precisamos de tomar uma decisão importante, temos problemas no trabalho ou até mesmo antes de realizarmos um exame. No entanto, quando esta é exagerada e prolongada, poderá tratar-se de um problema um pouco mais grave.

Para além disto, podem estar envolvidos ataques de pânico, por exemplo, que se despoletam em resposta ao medo que sentimos, sem que exista necessariamente algum tipo de perigo iminente. Isto é, a nossa mente sente-se ameaçada independentemente da presença de uma ameaça real.

Por isso, quando a nossa mente fica alerta e preocupada durante muito tempo, acaba por desencadear determinadas reações e comportamentos no nosso corpo. O que significa que estão associados à ansiedade não só sintomas psicológicos, como também físicos.

7 sintomas físicos de ansiedade: saiba identificá-los

Além dos sintomas psicológicos, também existem sintomas físicos da ansiedade que necessitam da nossa atenção. Afinal, é tão importante estarmos atentos à nossa mente, quanto ao nosso corpo.

E apesar de nem sempre ser fácil lidar com o medo ou com situações incertas que acabam por mexer com a nossa ansiedade, é crucial aprendermos a lidar com ela da melhor forma possível.

Só assim, conseguiremos evitar que interfira com a capacidade do normal funcionamento do nosso corpo, bem como garantir que não causa qualquer tipo de impacto no nosso dia-a-dia.

Fique connosco e aprenda a identificar alguns sintomas físicos da ansiedade para que da próxima vez consiga respirar fundo, sem que entre em pânico rapidamente.

Mulher deitada na cama com ar pensativo
1.

Dor ou sensação de aperto no peito e palpitações

Um dos sintomas físicos da ansiedade mais comuns é a dor ou sensação de aperto no peito e palpitações cardíacas.

Por vezes, em situações de stresse, quando a preocupação é excessiva e nos sentimos indefesos, podemos ficar de tal forma ansiosos que começamos a sentir um aperto enorme no peito. Quase como se nos tivessem espetado algo naquela zona que nos impedisse de respirar corretamente.

Contudo, saiba que estes sintomas fazem parte da ansiedade quando levada ao extremo e é importante reconhecê-los para que se possa defender. O melhor a fazer é respirar fundo, pensar com calma e clareza e afirmar para si próprio que a dor e/ou as palpitações vão passar.

2.

Tensão muscular

Já passou por longos momentos de indecisão, stresse no trabalho ou preocupações que o fizeram sentir uma dor nas costas extrema? A verdade é que a tensão muscular faz parte da lista de sintomas físicos da ansiedade e está diretamente relacionada com uma dor nas costas.

Este sintoma também pode surgir quando perdemos por completo o controlo dos nossos pensamentos e ficamos submersos neles, deixando que o medo nos controle.

3.

Respiração ofegante ou falta de ar

A falta de ar aparece em situações aterrorizantes para o indivíduo que se sente ansioso. Isto acontece porque quando nos sentimos ansiosos o nosso padrão respiratório altera-se, podendo mesmo ser dificultado por toda a situação.

Ou seja, em vez de inspirarmos e expirarmos calmamente, enchemos os pulmões com respirações curtas, contribuindo para a hiperventilação. Por sua vez, esta reduz os níveis de dióxido de carbono no sangue podendo provocar outro tipo de sintomas que veremos de seguida.

4.

Tremores, roer as unhas ou dormência nos membros

Como resultado de uma respiração acelerada e totalmente fora do padrão normal habitual, podem surgir sintomas como tremores, dormência nos membros ou até começar a roer as unhas.

Todos eles são sintomas físicos bastante típicos da ansiedade e que podem surgir quando existe um medo grave e desproporcionado que perdura há 6 meses.

Por isso já sabe, se estiver perante uma situação complicada que o deixe ansioso e começar a sentir a perna dormente, por exemplo, saiba que este pode significar um sintoma de ansiedade.

5.

Náuseas e vómitos

As náuseas e vómitos são um dos sintomas físicos da ansiedade mais comuns e desconfortáveis para a pessoa. De uma forma geral, o que acontece é o facto de o individuo sentir uma vontade incontrolável de vomitar quando a ansiedade ataca, mas não consegue fazê-lo.

Desta forma, acaba por se sentir mal e bastante desconfortável até conseguir controlar essa vontade ou acabar mesmo por vomitar.

6.

Vontade súbita de urinar ou defecar

Principalmente quando se dão as náuseas e vómitos num ataque de ansiedade, a pessoa pode ainda ter uma vontade súbita de urinar ou defecar.

Quando estamos ansiosos, o nosso cérebro liberta neurotransmissores para despertar o corpo e prepará-lo para responder a ameaças. Contudo, alguns desses neurotransmissores podem entrar no canal digestivo, acabando por desequilibrar a flora intestinal.

Por isso já sabe: se passar por uma situação em que se sinta ansioso e tiver uma vontade súbita para ir à casa de banho, não fique preocupado. Este é um sintoma físico da ansiedade que com o tempo e por vezes acompanhamento médico, poderá melhorar.

7.

Cansaço e sensação de fraqueza

A ansiedade promove uma constante sensação de cansaço ou até de enfraquecimento dos membros. E durante uma crise de ansiedade, esta pode ser intensificada.

Algumas pessoas assustam-se com este sintoma, suspeitando que se trata de uma fibromialgia ou algo parecido. No entanto, estão completamente erradas e acabam por ficar ainda mais desconfortáveis quando pesquisam sobre o assunto.

De facto, o que irá determinar a associação do cansaço e fadiga com a ansiedade será o histórico de sintomas psicológicos. Por isso em caso de dúvida, o melhor a fazer será consultar sempre o seu médico.

Se reparar que os sintomas se têm vindo a prolongar, não hesite e procure ajuda. Lembre-se que a sua saúde deverá estar sempre em primeiro lugar.

Veja também