Nutricionista Rita Lima
Nutricionista Rita Lima
17 Jan, 2020 - 08:05

Sal iodado: uma estratégia para atingir a dose diária recomendada de iodo

Nutricionista Rita Lima

O consumo de 5g diárias de sal iodado garante a dose diária recomendada deste micronutriente.

Sal iodado e as suas propriedade

O sal é encarado como um dos maiores inimigos da saúde no século XXI, pois o seu consumo excessivo está associado a diversos problemas de saúde, entre os quais a hipertensão arterial (1).

Todo o sal é constituído por cloreto de sódio. No entanto, a quantidade de sódio, a presença de outros minerais, a textura, aparência e sabor, permitem identificar diferentes tipos de sal, entre os quais o sal iodado, minimizando o seu impacto negativo na saúde.

E apesar das suas contraindicações, é importante lembrar que o sal desempenha um papel essencial no equilíbrio e bom funcionamento do organismo, desde que consumido na dose certa.

Sal e Saúde

como baixar a tensao arterial fatores

Como referido anteriormente, o sal é maioritariamente constituído por sódio, um mineral fundamental para a transmissão de impulsos nervosos que permitem o bom funcionamento de todo o sistema neuromuscular, incluindo o cardiovascular.

No entanto, e segundo a Organização Mundial de Saúde, a ingestão diária de sal não deverá ultrapassar os 5 gramas, no caso de um adulto, quantidade esta que é equivalente a uma colher de chá.

Quando ultrapassa esta quantidade já está a consumir sal em excesso, o que pode potenciar o aparecimento de alguns problemas de saúde, nomeadamente, maior retenção de líquidos e alterações na pressão arterial, que podem conduzir a doenças cardiovasculares, e também a sobrecarga a nível renal (2).

Substitutos do sal: frascos com especiarias
Veja também Substitutos do sal : que alternativas para ser mais saudável?

Sal Iodado: quais as vantagens?

O sal iodado representa um tipo de sal ao qual é adicionado iodo, com intuito de aumentar a ingestão deste mineral pela população.

O iodo é um mineral com um papel essencial no bom funcionamento de todo o organismo, em particular da tiroide, onde é essencial para a síntese das hormonas produzidas por esta glândula, responsáveis pela regulação do metabolismo celular, nomeadamente o metabolismo basal (ou de repouso), a temperatura corporal e o crescimento e desenvolvimento dos órgãos.

Uma vez que o nosso corpo não produz iodo, é muito importante que o obtenhamos através da alimentação. As principais fontes de iodo são o peixe e as algas e, em menor escala, o leite e derivados, alimentos que são relativamente pouco consumidos nos padrões alimentares que se praticam atualmente, potenciando uma carência neste mineral.

Portanto, uma vez que o sal é um ingrediente que toda a gente consome diariamente na sua alimentação, fortificá-lo com iodo é uma forma de garantir que as pessoas consomem as doses adequadas deste mineral.

Dose diária recomendada de iodo

O sal iodado é fortificado com 35 a 60 mg de iodeto ou iodato de potássio, por quilo de sal, o que equivale a 175 μg por 5 g de sal. A dose diária recomendada de iodo para adultos é de 150 μg pelo que esta tem sido a principal estratégia a nível mundial para prevenir uma deficiência deste mineral.

Idade ou Grupo PopulacionalDDR – Dose Diária Recomendada (μg/dia)
Crianças 0 – 5 anos90
Crianças 6-12 anos 120
Adultos > 12 anos 150
Gravidez 250
Lactação 250

Contudo, segundo a investigação IoGeneration, apenas 2% das famílias portuguesas usavam sal iodado em casa.

Portanto, da próxima vez que for às compras, substitua o sal comum pelo sal iodado, procurando esta informação no rótulo da embalagem. (3)

Outros tipos de sal que contêm iodo

Sal marinho

Tipos de sal: o sal iodado e o sal marinho

O sal marinho provém da evaporação da água marinha, sendo o seu refinamento mais grosseiro e, por isso, os grãos são mais irregulares e preserva-se um maior teor em minerais, entre os quais o iodo.

Apesar de ter a vantagem de não sofrer este processamento, está-se a tornar cada vez menos puro, devido aos elevados níveis de poluição dos oceanos.

Flor de Sal

Tipos de sal: sal iodado e flor de sal

A flor de sal é um aglomerado de cristais que se forma à superfície da água do mar. É extraído da camada mais superficial das salinas e, devido à ação do vento, adquire o aspeto de pequenos cristais.

É fonte natural de ferro, zinco, magnésio, iodo, flúor, sódio, cálcio, potássio e cobre, pois não sofre nenhum processamento ou refinação posterior à sua recolha do mar. 

No entanto, a sua coloração original é acinzentada devido à presença de areia, sendo comum o uso de outros elementos para alterar a cor do produto.

Apresenta um sabor mais intenso (devido ao maior teor de sódio) e textura crocante, sendo indicado acrescentar após a preparação do alimento.

Sal do Himalaia

Tipos de sal: sal iodado e flor de sal

O sal do Himalaia é considerado um sal puro, livre de toxinas e poluentes, sendo um dos mais antigos sais de que há registo.

A sua cor rosa e o sabor diferenciado são as suas principais características, as quais se devem ao seu teor único em minerais e às condições originais em que é mantido.

De facto, uma vez que este sal sofreu maturação sobre pressões tectónicas intensas, os cristais permaneceram no seu estado puro ao longo do tempo, sem sofrerem alterações provocadas por substâncias poluentes existentes noutros locais de onde se extraem os outros sais do oceano.

O sal do Himalaia fornece 84 minerais essenciais, incluindo sódio, cálcio, potássio, enxofre, fósforo, ferro, magnésio, iodo (embora a quantidade fornecida não seja ainda totalmente conhecida), crómio, cobre, magnésio, selénio, zinco, carbono.  

Dada a sua pureza, este tipo de sal é utilizado, tanto na culinária, como para fins terapêuticos (4).

Fontes

  1. Titze J et al, 2017. “Speculations on salt and the genesis of arterial hypertension”. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28501304
  2. SNS, 2018. “Consumo de sal”; https://www.sns.gov.pt/noticias/2018/03/01/consumo-de-sal/
  3. CUF, 2019. “Sal iodado: as vantagens de o ter na sua cozinha”. https://www.saudecuf.pt/mais-saude/artigo/sal-iodado-as-vantagens-de-o-ter-na-sua-cozinha
  4. Cristina Carapeto et al, 2018. “Which Table Salt to Choose?” https://repositorioaberto.uab.pt/bitstream/10400.2/7537/1/which-table-salt-to-choose-2155-9600-1000701.pdf
Veja também