Psicóloga Ana Graça
Psicóloga Ana Graça
06 Mar, 2018 - 17:49

O professor queixa-se da sua criança? Saiba como deve reagir!

Psicóloga Ana Graça

O professor queixa-se da sua criança? É provável que se deva a comportamentos de indisciplina, grande dificuldade dos professores no desempenho do seu trabalho. É raro o pai que nunca se confrontou com dilemas sobre a educação dos filhos. Não há receitas perfeitas para educar mas há estratégias e princípios a aprender.

O professor queixa-se da sua criança? Saiba como deve reagir!

Apesar das situações de indisciplina em sala de aula poderem oscilar desde a distração dos alunos à agressão física aos professores, os mais comuns são os episódios de pequena indisciplina. O professor queixa-se da sua criança porque sente que os comportamentos de indisciplina perturbam o seu trabalho.

A indisciplina pode ser a manifestação de problemas mais profundos, seja a nível social ou escolar, e por isso importa compreender este fenómeno.

Compreender a indisciplina

o professor queixa se da sua crianca e indisciplina

A indisciplina é um comportamento de desvio das regras instituídas, que perturba o processo pedagógico. Em casos muito perturbadores, a indisciplina pode assumir a forma de agressividade, violência e delinquência.

Já a presença de pequenos comportamentos de indisciplina é natural na dinâmica da relação pedagógica e só raramente é indicador de patologia comportamental.

Assim sendo, o professor não tem apenas um papel confinado à transmissão de conhecimentos. Necessita estar preparado e formado para gerir a sala de aula, organizar a aprendizagem e possuir competências relacionais e didáticas.

Os comportamentos de pequena indisciplina são vistos, pela maioria dos professores, como mais problemáticos e gravosos que a extensão dos programas curriculares, as mudanças nas metas curriculares ou o trabalho conjunto com outros colegas.

O professor queixa-se da sua criança quando está perante as situações que mais ocorrem nas salas de aula: a distração; a interrupção das aulas com comentários despropositados; brincadeiras/palhaçadas; agressões verbais a colegas; entradas e saídas da sala de aula de forma inapropriada; utilização de aparelhos tecnológicos sem autorização.

O professor queixa-se da sua criança: que relação manter com a escola?

pais vao com os filhos a escola

Não há dúvidas de que a relação estabelecida entre a escola e família traz benefícios para o desenvolvimento e o aproveitamento escolar das crianças.

O envolvimento dos pais na vida escolar dos filhos aumenta a motivação dos mesmos pelo estudo, ajuda os pais a compreenderem o esforço que é feito pelos professores, e faz com que o trabalho do professor seja mais facilitado, uma vez que comunicação entre os pais e os professores é mais positiva.

Pais e professores devem ser parceiros, com objetivos comuns e partilha de esforços. Procure motivar a escola a proporcionar o maior número de oportunidades de envolvimento parental, e que estas vão de encontro a todas as famílias.

O professor queixa-se da sua criança? Mais uma razão para reforçar o envolvimento na educação do seu filho e na escola.

O professor queixa-se da sua criança: o que deve fazer?

mae a falar com filha
  1. Tente compreender quais os fatores que influenciam os comportamentos da sua criança;
  2. Ouça a sua criança: preste atenção aos sinais que emite quando está a vivenciar algum problema; ouça atentamente o que tem a dizer e coloque-se no lugar dela; expresse verbalmente o seu apoio e compreensão;
  3. Preste atenção aos bons comportamentos da sua criança: elogiar e valorizar os bons comportamentos ajuda a descontrair o ambiente familiar e aumentar o envolvimento entre todos os elementos da família;
  4. Dê instruções à criança: curtas e de fácil execução;
  5. Defina regras simples e claras: que devem estar alinhadas com os restantes adultos que lidam com a criança;
  6. Reserve tempo para rever e discutir as regras: crie histórias de potenciais situações de indisciplina e discuta-as em conjunto com a sua criança;
  7. Faça valer as regras imediatamente a seguir ao mau comportamento e de forma consistente;
  8. Colabore com os professores: monitorize as tarefas escolares (verificar cadernos e outros materiais; definir e cumprir horários para realização dos trabalhos de casa) e comunique aos professores como decorreu essa monitorização; este comportamento vai reforçar a parceria com a escola e aumentar a probabilidade da sua criança ter mais atenção na sala de aula;
  9. Aumente a comunicação com os professores: compareça a todas as reuniões agendadas;
  10. Ajude a sua criança a programar o estudo: organização de apontamentos; preparação para os testes com antecedência;
  11. Envolva a sua criança em atividades extracurriculares: pondere a hipótese de integrar a sua criança numa atividade desportiva;
  12. Incentive a sua criança a brincar: os jogos também implicam regras, com as quais a sua criança aprende de forma divertida;
  13. Dê alternativas ao mau comportamento: ajude a criança a substituir o mau comportamento por uma nova atitude; ajude-a refletir sobre as consequências de cada comportamento; ensine-lhe estratégias de relaxamento;
  14. Defina recompensas para o bom comportamento: as recompensas não precisam ser trazer custos à família; pode reforçar positivamente a sua criança passando algum tempo conjunto, por exemplo, a jogar o seu jogo de eleição;
  15. Dê o exemplo: exiba os comportamentos que quer ver na sua criança;
  16. Procure ajuda: nem sempre é fácil tomar a decisão de pedir ajuda, mas comece por recorrer à família e aos amigos; pedir ajuda não é problema, recorra ao pediatra, ao educador de infância, ao psicólogo, ou até a outros pais;
  17. Crie um grupo de pais na escola da sua criança: partilhem as vossas dúvidas e encontrem soluções em conjunto;
  18. Lembre-se de que não existem fórmulas mágicas: todas as crianças e todas as famílias são diferentes; não existe maior especialista numa criança que a sua mãe e o seu pai; não há pais nem filhos perfeitos;
  19. Simplifique: a energia nas crianças é algo de normal e positivo; é diferente ser um aluno submisso ou ser um aluno educado;
  20. Estimule: a dar opiniões; a defender pontos de vista; a respeitar outros pontos de vista serenamente;
  21. Lembre-se: é com os erros que se aprende; todas as crianças erram e apresentam dificuldades em alguma altura.

Veja também: