Psicóloga Ana Graça
Psicóloga Ana Graça
05 Mar, 2018 - 15:29

Como lidar com uma criança agressiva na escola

Psicóloga Ana Graça

Os comportamentos agressivos em contexto escolar têm vindo a aumentar. A boa notícia é que, há formas de superar esta realidade e aprender a lidar com uma criança agressiva na escola.

Como lidar com uma criança agressiva na escola
O artigo continua após o anúncio

Saber como agir perante uma criança agressiva na escola tem sido tema recorrente de vários estudos, bem como motivo de preocupação crescente entre pais, professores e outros educadores.

Os impulsos agressivos são próprios do ser humano, sendo considerados um aspeto estruturante da personalidade quando geridos em proporções adequadas e com propósitos adaptativos.

Factos a reter sobre o comportamento agressivo na infância

crianca agressiva na escola

Há factos que nos fazem pensar e que conseguem explicar de certa forma, o porquê de uma criança ter um certo comportamento.

  • Depende da qualidade dos cuidados no período pré-natal e na primeira infância (0 a 5 anos);
  • A primeira infância é um período crítico para aprender a controlar comportamentos agressivos;
  • Antes dos 3 anos de idade, a maioria dos meninos e das meninas testa utilizar a agressão física;
  • Geralmente, as crianças utilizam agressão física quando estão sob emoções fortes ou como forma de alcançarem aquilo que querem;
  • As raparigas tendem a deixar de utilizar agressão física mais cedo do que rapazes;
  • As raparigas utilizam com mais frequência a agressão indireta (por exemplo, falar mal de um amigo) mais cedo e mais frequentemente do que rapazes;
  • Com o desenvolvimento de habilidades sociais e de linguagem, a maioria das crianças já não utiliza agressão física;
  • Todas as crianças, em algumas fases do seu desenvolvimento, recorrem pontualmente a comportamentos agressivos para lidar com situações de maior ansiedade ou conflito, mas estes comportamentos tendem a desaparecer com o crescimento;
  • Estilos parentais permissivos, inconstantes e negligentes podem contribuir para que a criança adote comportamentos agressivos.

Agressividade na escola

crianca a fazer birra na rua

A entrada da criança no contexto educacional e o primeiro contacto com os pares, acarretam uma grande expectativa em relação às aptidões e papéis sociais que devem desempenhar.

É no contexto escolar que os comportamentos agressivos se tornam mais evidentes. A criança agressiva na escola exibe um padrão repetitivo e persistente de agressividade, que prejudica os outros e viola as regras sociais.

O seu comportamento caracteriza-se por não dominar os impulsos agressivos, revelar uma atitude positiva perante a agressão e agir como se esta fosse socialmente aceitável. Estes comportamentos disruptivos da criança agressiva na escola dificultam o trabalho a desempenhar por professores e educadores.

A repetição desses comportamentos somada às dificuldades manifestadas pelos professores/educadores em lidar com a agressividade faz com que as condutas inadequadas persistam, prejudicando a aprendizagem e a socialização.

Para além do prejuízo do desempenho académico, a criança agressiva na escola tem também, habitualmente, maiores dificuldades no estabelecimento de relações saudáveis.

O artigo continua após o anúncio

Crianças que defrontam e vitimizam os seus colegas e os professores/educadores de forma sistemática e apresentam oposição à realização de tarefas e regras escolares, são frequentemente rejeitadas no contexto escolar, recebendo menor investimento afetivo e académico dos professores/educadores e dos colegas.

Outro aspeto característico da criança agressiva na escola é a rejeição entre pares, ou seja, devido aos comportamentos que adota tem maior probabilidade de vir a ser rejeitada pelos seus colegas.

O problema da agressividade surge associado a uma multiplicidade de fatores, entre as quais as relações estabelecidas na escola; o clima organizacional; o meio no qual a escola se insere; o sistema de gestão da disciplina; as práticas educativas; o insucesso escolar; baixos níveis de tolerância; baixa autoestima; exposição à violência no âmbito familiar; dinâmicas familiares; violência televisiva; imaturidade emocional; ausência de regras e limites em casa.

Como lidar com uma criança agressiva na escola?

rapaz de castigo

A violência é um problema social e a escola tem um papel fundamental na sua redução através de ações e programas preventivos, idealmente desenvolvidos em parceria com as famílias, envolvendo-as com o problema. Essas ações devem sempre tentar:

  1. Garantir que as interações entre crianças pequenas são supervisionadas de perto;
  2. Ter normas bem claras, bem estabelecidas e que estejam bem explícitas na sala de aula;
  3. Ouvir e dar atenção às reclamações, depoimentos e denúncias dos alunos quando estas se referem a violência;
  4. Encorajar a criança a expressar verbalmente as suas emoções e a desenvolver a sua sensibilidade para com os outros;
  5. Demonstrar que existem formas não agressivas de se relacionar com os outros e com o meio ambiente;
  6. Ajudar a criança a encontrar outras formas de obter o que deseja sem recorrer à agressão;
  7. Aplicar sanções adequadas à idade, que promovam aprendizagem (por exemplo, consolar a vítima, compensar por qualquer dano causado, pedir desculpas, etc.);
  8. Garantir que a criança não retira benefícios do comportamento agressivo;
  9. Reforçar e elogiar os aspetos positivos da criança e os seus sucessos, de forma que se sinta segura e confiante;
  10. Reforçar o desenvolvimento de competências sociais em contexto familiar e escolar;
  11. Manter uma relação estreita e cooperante com a família, de modo a contribuir para o desenvolvimento harmonioso da criança;
  12. Verificar com os responsáveis pelos espaços de recreio e transporte escolar como são tratados os alunos nestes contextos e como decorre a interação entre eles;
  13. Desenvolver projetos educativos que promovam a cidadania, o respeito pelo outro e a não-violência;
  14. Promover o desporto escolar, especialmente os desportos de equipa;
  15. Facilitar o acesso a jogos didáticos que promovam boas práticas.

Veja também: