Psicóloga Ana Graça
Psicóloga Ana Graça
15 Mar, 2018 - 17:34

Como lidar com um adolescente apaixonado?

Psicóloga Ana Graça

Ver um filho a sofrer por amor é doloroso e os pais ficam sem saber como lidar com um adolescente apaixonado, acabando por utilizar estratégias menos corretas. Mas sabe como agir?

Como lidar com um adolescente apaixonado?
O artigo continua após o anúncio

Quem é que não se lembra do seu primeiro amor? Ninguém! Para o bem ou para o mal, o primeiro amor é inesquecível, tal como o primeiro desgosto de amor.

Se tem um filho em casa a viver a sua primeira paixão, aprenda com este artigo algumas dicas sobre como lidar com um adolescente apaixonado.

Sobre a adolescência

A adolescência é um período marcado por profundas transformações fisiológicas, psicológicas, afetivas, intelectuais e sociais. Habitualmente, é uma fase de alguma instabilidade. O adolescente já não é criança, mas também ainda não é adulto.

Entre os adolescentes existe uma grande variabilidade. Há adolescentes mais precoces e outros mais tardios. O ritmo de desenvolvimento varia de pessoa para pessoa.

À medida que o adolescente se desenvolve emocionalmente é confrontado com novas emoções e sensações, até então desconhecidas.

Surgem impulsos e alguma instabilidade emocional. As emoções são confusão e provocam um turbilhão de sensações. É nesta altura que despertam os primeiros grandes amores que deixam os pais sem saber como lidar com um adolescente apaixonado.

Amor na adolescência

letras em quadro de ardosia

É na adolescência que a paixão e o amor assumem grandes dimensões e preocupações. Estas primeiras paixões acontecem, normalmente, no grupo de amigos e colegas da escola.

As paixões adolescentes fazem parte do desenvolvimento emocional e são saudáveis. Cumprem uma função muito importante: a preparação do futuro amor.

Não há idade certa para namorar, cada adolescente sente essa necessidade de acordo com a sua maturidade. Não podemos falar do amor na adolescência sem lembrar também que, muitas vezes, a primeira relação amorosa termina mal.

O artigo continua após o anúncio

Para um adolescente, o desgosto do primeiro amor parece o fim de tudo. Não tem nenhuma experiência amorosa anterior, logo, nada lhe garante que vai ser capaz de sobreviver a tamanho sofrimento.

Assim, da mesma maneira que o primeiro amor provoca no adolescente sentimentos de grande euforia, o primeiro desgosto é também vivido de forma muito intensa.

Outra situação desconfortável com que os adolescentes têm que lidar diz respeito à atitude dos adultos. Muitas vezes, os adultos têm a tentação de brincar e desvalorizar os sentimentos e a relação amorosa do adolescente, ou então, questionam frequentemente se o adolescente já namora.

Estas situações provocam receios, sentimentos de desvalorização e interferem na autoestima do adolescente.

Nesta fase do crescimento, a necessidade de amar e ser amado é grande e essencial. Quando por alguma razão o adolescente não atinge esse objetivo desenvolve estratégias para lidar com esta situação, que podem ser mais ou menos saudáveis.

Alguns adolescentes ficam deprimidos e infelizes, outros procuram situações de risco ou realidades virtuais onde se sintam mais seguros, e outros aproximam-se de outros jovens reconhecidos como mais competentes na capacidade de estabelecer relações.

É nesta fase que surgem grandes ansiedades por parte dos pais. Os pais têm receio que o filho sofra, que se envolva em relações marcadas pelo abuso ou que tenha dificuldade em estabelecer relações.

São muitas as dúvidas e preocupações sobre como lidar com um adolescente apaixonado, e que levam muitas vezes a que os pais adotem atitudes menos sensatas e ponderadas.

O artigo continua após o anúncio

Como lidar com um adolescente apaixonado?

casal de adolescentes apaixonado
  • Não espere pela adolescência para conversar com o seu filho: é importante que o seu filho sinta que pode contar sempre consigo;
  • Leve a situação a sério ouça e acarinhe o seu filho;
  • Evite criticar o que, para si, podem parecer reações exageradas;
  • Não desvalorize aquilo que o seu filho diz estar a sentir: para ele, o que sente é bem real e de grande importância; afirmações do tipo “ainda és muito novo” ou “isso acaba rápido” fazem com que o seu filho se sinta ridículo, desvalorizado e deixe de exprimir os seus pensamentos e sentimentos;
  • Não proíba: o início da vida afetiva é natural e saudável; proibir pode suscitar reações opostas às desejáveis; contudo, há situações em que os riscos são muitos e nestes casos deve dialogar com o seu filho, dado que o adolescente só vai compreender se for compreendido;
  • Encoraje o adolescente a participar em programas com os amigos;
  • Incentive o adolescente a encontrar um equilíbrio entre a relação com o namorado e a sua vida com os amigos e família;
  • Procure conhecer a pessoa com que o seu filho tem uma relação amorosa e mostre interesse pela relação (“O que mais gostas nessa pessoa? O que é que te faz sentir?”);
  • Conte as suas experiências passadas, de quando tinha a idade do seu filho: sobretudo perante um desgosto de amor é importante que o adolescente perceba que não é o primeiro a viver tal situação e que os pais já passaram pelo mesmo;
  • Ensine que a sexualidade é muito mais do que apenas fisiológica e que deve ser baseada na vivência emocional;
  • Seja um modelo para o seu adolescente;
  • Esteja atento aos perigos: indícios de agressividade; afastamento dos amigos; perigos online.

Veja também: