Nutricionista Hugo Canelas
Nutricionista Hugo Canelas
16 Jan, 2020 - 10:28

IMC: o que é, tabelas de IMC e como calcular

Nutricionista Hugo Canelas

A tabela de IMC é uma ferramenta muito útil nos diagnósticos associados ao peso. Saiba qual é o seu IMC correto.

Tabelas de IMC: qual a aplicação prática?

No sentido de ajudar no controlo da obesidade, foi adotado o índice de massa corporal (IMC) tendo sido criadas várias tabelas de IMC tendo em conta a idade dos indivíduos.

O que é o IMC?

O índice de massa corporal é um índice estatístico utilizado para classificar a população dividindo o peso atual pelo quadrado da altura em centímetros, de acordo com a fórmula abaixo:

  • IMC = Peso (kg)/Altura2 (cm)

É utilizado globalmente pelo The National Institute of Health (NIH) e pela Organização Mundial da Saúde (OMS), estando validado em indivíduos adultos caucasianos, hispânicos e negros para os classificar de acordo com a categoria (baixo peso, normoponderal, excesso de peso/obesidade).

Tabela de IMC: adultos, idosos, crianças e grávidas

Tabelas de IMC: qual a aplicação prática?

1. Tabela de IMC para adultos

Assim, os adultos com idade superior a 20 anos e inferior a 65 anos, devem comparar o valor obtido com a seguinte tabela de índice de massa corporal:

CLASSIFICAÇÃO

IMC (Kg/m2)
Magreza extrema< 16.5
Baixo peso< 18.5
Normoponderal18.5 – 24.9
Excesso de peso25 – 29.9
Obesidade, grau I30 – 34.9
Obesidade, grau II 35 – 39.9
Obesidade mórbida≥ 40
Excesso de peso*23-24.9
Obesidade*≥ 25

Fonte: Organização Mundial de Saúde

*Populações Asíáticas e Sul-Asiáticas (2)

2. Tabela de IMC para idosos

Os valores para pessoas com idade superior a 65 anos é avaliado de acordo com a seguinte tabela.

CLASSIFICAÇÃO

IMC (Kg/m2)
Magreza< 22
Normoponderal22 – 27
 Excesso de peso> 27

Fonte: Souza, R, et.al. (2013) (3)

3. Tabela de IMC para crianças e jovens

Quanto às crianças e jovens entre os 2 e os 20 anos, os valores medem-se em percentis. De acordo com esta classificação, pode avaliar o seu estado nutricional.

Assim, embora seja inequívoca a utilização do índice de massa corporal em kg/m2, como parâmetro antropométrico recomendado pela OMS para a avaliação do estado nutricional, têm sido usados diferentes critérios para a determinação da obesidade (1).

Em Portugal, a Direção Geral de Saúde (DGS) recomendava a utilização das curvas de percentis do Centers for Disease Control and Prevention (CDC) de 2000 (4).

Percentis de IMC

 
CDCOMSIOTF
Baixo pesoIMC < P5IMC < P3 IMC < 17 kg/m2**
        Normoponderal     P5 ≤ IMC < P85    P3 ≤ IMC < P85     17 kg/m2 ≤ IMC < 25 kg/m2**
        Excesso de peso    P85 ≤ IMC< P95    85 ≤ IMC < P97     25 kg/m2 ≤ IMC < 30 kg/m2**
ObesidadeIMC ≥ P95IMC ≥ P97IMC ≥ 30 kg/m2**

CDC: National Center for Chronic Disease Prevention and Health Promotion; IMC: Índice de Massa Corporal; IOTF: International Obesity Task Force; P: percentil.

**Ponto de corte equivalente ao IMC do adulto.

4. Tabela de IMC para grávidas

A tabela de índice de massa corporal das grávidas é igual à de um indivíduo adulto. No entanto, a interpretação dos resultados é um pouco diferente.

O índice de massa corporal da grávida apenas tem interesse numa fase inicial. Assim, se a mulher for acompanhada antes da concepção, será registado o valor anterior à gravidez e o inicial para posterior controlo do aumento de peso.

IMC (Kg/m2; na concepção)

Aumento de peso ideal (Gravidez)Aumento de peso ideal (Semanal – 2º e 3º Trimestre)
Baixo peso (18,5)12,5 – 18 kg0,5 kg
Normoponderal (18,5 – 24,9)11,5 – 16 kg0,4 kg
Excesso de Peso (25 – 29,9)7 – 11,5 kg0,3 kg
Obesidade (>30)5 – 9 kg0,2 kg

Fonte: Institute of Medicine (IOM-2009)

limitações do IMC: quando nÃo se deve usar o IMC

O índice de massa corporal é uma ferramenta interessante na prática clínica – relativamente à população geral – à qual se deve associar outras formas de avaliação da composição corporal.

No entanto, como tudo, a utilização deste rácio como forma de avaliação tem as suas limitações.

IMC é útil para analisar a massa gorda?

O facto de não distinguir a massa gorda da massa isenta de gordura (massa magra), faz com que esta ferramenta seja insuficiente para classificar os indivíduos como obesos ou desnutridos.

IMC é útil para atletas?

No caso dos atletas de elite e fisioculturistas, por exemplo, um IMC elevado não se associa diretamente com o seu estado de saúde devido à quantidade de massa magra geralmente mais elevada que a da população geral.

Outras ferramentas como o perímetro de cintura, a impedância bioelétrica (que permite estimar a percentagem de massa gorda total), exame físico, avaliação da tensão arterial e análise de dados bioquímicos são não opcionais mas complementares ao índice de massa corporal aquando do diagnóstico de excesso de peso/obesidade (2).

Veja também

Fontes

1. Gaio, V. et al. (2018). Prevalência de excesso de peso e de obesidade em Portugal: resultados do primeiro inquérito nacional de saúde com exercício físico (INSEF 2015). Disponível em:
http://repositorio.insa.pt/bitstream/10400.18/5588/5/Boletim_Epidemiologico_Observacoes_N22_2018_artigo7.pdf 
2. Weir CB. et al. (2019). BMI classification Percentile and cut off points. Disponível em: 
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK541070/ 
3. Souza, R. et al. (2013). Avaliação antropométrica em idosos: estimativas de peso e altura e concordância entre classificações de IMC. Disponível em:
http://scielo.br/pdf/rbgg/v16n1/a09v16n1.pdf 
4. Viveiro, C. et.al. (2016). Sobrepeso e obesidade pediátrica: a realidade pediátrica. Disponível em:
https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0870902515000449