Enfermeira Bárbara Andrade
Enfermeira Bárbara Andrade
18 Fev, 2019 - 11:00

Queratose Pilar: tudo o que precisa de saber sobre este problema de pele

Enfermeira Bárbara Andrade

Este é um tipo de distúrbio dermatológico, caraterizado por pele semelhante à “pele de galinha”, o que torna a pele áspera e com algumas manchas.

Queratose Pilar: tudo o que precisa de saber sobre este problema de pele
O artigo continua após o anúncio

Queratose pilar ou ceratose folicular é uma alteração comum e frequente na pele. Esta fica com um aspeto semelhante à “pele de galinha” ou “chicken skin”, como quando nos arrepiamos, ou seja, pequenas manchas ásperas e duras.

A queratose pilar é caracterizada pela hiperqueratose (produção excessiva de queratina, uma proteína fibrosa) dos folículos pilosos, que obstrui a abertura dos folículos, o que provoca o surgimento de pequenas bolinhas na pele. Estas lesões com aspeto de acne (borbulha) quando não são tratadas, podem inflamar e deixar manchas escuras na pele e uma pele áspera, tipo lixa.

Esta não é uma doença grave ou fisicamente limitante, no entanto, é uma doença crónica benigna, que tem implicações estéticas.

Queratose pilar: etiologia e transmissão

queratose pilar braco

Esta patologia é uma condição genética, benigna, que por ser uma doença autossómica dominante, as pessoas que têm tendência para ela normalmente desenvolvem-na.

No entanto, outros fatores podem aumentar a sua prevalência, tais como:

  • O Inverno tende a agravar esta patologia, por tornar a epiderme mais seca;
  • Mais comum em crianças e até aos 30 anos de idade;
  • Pessoas que utilizam frequente roupas apertadas;
  • Predisposição a pele seca ou extremamente seca;
  • Pessoas com asma ou rinite;
  • Algumas doenças auto-imunes (por exemplo, a dermatite atópica);
  • Alimentação deficitária em vitamina A.

Esta doença só pode ser transmitida geneticamente, ou seja, não é uma doença infeciosa.

Queratose pilar: sintomatologia

manchas queratose pilar

Verifica-se o surgimento de pequenas manchas na pele, que podem ser brancas ou avermelhadas, acompanhado de pele áspera e seca. Geralmente, não se verifica prurido (comichão) associado, nem queixas álgicas (dor).

Pode surgir em qualquer parte do corpo, embora seja mais comum nos braços, coxas, rosto e nádegas.

O artigo continua após o anúncio

Queratose pilar: tratamento

queratose pilar creme na pele

Esta patologia ainda não tem um tratamento capaz de melhorar significativamente os seus sintomas, no entanto é aconselhado a realização de um tratamento à base de cremes, que ajudam a hidratar a pele, disfarçando o aspeto da pele à base de bolinhas.

Frequentemente são aconselhados cremes com a seguinte constituição:

  1. Com ureia ou ácido acetilsalicílico, que removem as células mortas da pele, promovendo uma hidratação mais profunda da pele.
  2. Cremes com vitamina A ou ácido retinóico, que favorecem essencialmente uma hidratação profunda da pele.

O uso correto e regular da medicação recomendada pelo médico pode ajudar a melhorar a aparência da pele. No entanto, se o tratamento for interrompido, a condição pode retornar a como era antes.

De forma a ultrapassar possíveis carências de Vitamina A, é importante investir no consumo de alimentos fonte de vitamina A, como por exemplo, couve, tomate e cenoura.

Em casos mais avançados, o dermatologista pode indicar a realização de procedimentos estéticos, como por exemplo o peeling químico, a microdermoabrasão, ou também a isotretinoina oral, por exemplo.

As opções de tratamentos focam em reduzir os depósitos de queratina da pele, no entanto, como é uma condição genética, nenhuma delas pode prometer acabar definitivamente com o problema.

Queratose pilar: dicas importantes

Se sofre deste problema, saiba que existem pequenas ações do dia-a-dia que podem ajudar no agravamento dos sintomas, tais como:

  • Evitar tomar banho com água muito quente, bem como evitar banhos longos;
  • Evite esfregar o local de acumulação de queratina, pois pode causar irritação à pele e agravar a situação;
  • Fazer esfoliações frequentes e hidratar sempre muito bem a pele depois do banho, com cremes adequados;
  • Evitar esfregar toalhas na pele, secar com toques ligeiros;
  • Evite utilizar roupas muito apertadas, pois o atrito em excesso agrava a doença;
  • Evitar exposição prolongada ao sol;
  • Utilização de protetor solar diária.

Veja também: