Camila Farinhas
Camila Farinhas
05 Jun, 2020 - 15:36

Fact-check: pessoas curadas da COVID-19 são imunes à doença?

Camila Farinhas

Estará comprovado cientificamente que pessoas curadas da COVID-19 são imunes à doença? A resposta está neste artigo.

Pessoas curadas da COVID-19 são imunes à doença: mulher com máscara em casa
fact-check impreciso

Questão em análise

A possibilidade de ocorrer reinfeção pelo novo coronavírus, começou a ser estudada após uma mulher ter sido testada como positiva após ter tido alta hospitalar. No entanto, importa contextualizar esta informação de forma a entender o seu real significado.

O SARS-CoV-2, também designado de novo coronavírus, pertence a uma família de vírus causadores de infeções respiratórias. Este vírus foi identificado pela primeira vez em Dezembro de 2019, na cidade chinesa de Wuhan. Desde então, várias dúvidas se colocam sobre esta doença, entre as quais se pessoas curadas da COVID-19 são imunes à doença.

IMUNIDADE PARCIAL E IMUNIDADE CRUZADA AO NOVO CORONAVÍRUS

Pessoas na rua com máscara

sistema imunitário corresponde ao conjunto de processos biológicos desencadeados pelo organismo em que o principal objetivo é a proteção do corpo contra agressores externos, como os vírus e as bactérias.

Este sistema possui a capacidade de distinguir o que lhe pertence daquilo que é um agente estranho e quando tal acontece, desencadeia de imediato mecanismos de defesa.

Quando o sistema imunitário entra em contato com um vírus, a mesma pessoa não será novamente infectada, uma vez que adquire imunidade específica total. Se entrar em contato com outra estirpe, a probabilidade de adoecer é muito menor.

O corpo reconhece as semelhanças entre ambos os vírus e combate-o de imediato, recorrendo aos anticorpos que já dispõe. Dá-se a este fenómeno o nome de imunidade cruzada. Como exemplo, temos o caso do vírus da gripe no Inverno.

Investigadores estudaram a resposta dos linfócitos T CD4+ e CD8+ específicos para o SARS-CoV-2 utilizando várias abordagens experimentais e observaram que existiu uma resposta de 100% e 70%, respetivamente.

Tal conclusão parece indicar que existiu o desenvolvimento de anticorpos específicos ao SARS-CoV-2. Verificaram também a existência de respostas em indivíduos saudáveis, o que poderá sugerir potencial imunidade pré-existente na população (1).

Um estudo realizado sobre imunidade parcial adquirida ao SARS-CoV no ano de 2007 concluiu que os anticorpos estariam presentes no organismo por um período de 3 anos, a partir do início dos primeiros sintomas (2). No entanto, recentemente, um estudo efetuado em macacos demostrou que estes desenvolveram anticorpos contra o SARS-CoV-2 durante apenas 28 dias, o que contraria os resultados do estudo anterior.

Não está portanto esclarecido por quanto tempo dura a imunidade ao coronavírus (3).

Qual a importância desta informação no combate à COVID-19?

Caso se comprove que existe realmente imunidade parcial adquirida ao novo coronavirus, este fato poderá alterar o decurso da pandemia.

Pessoas com anticorpos para a COVID-19 podem impedir a proliferação da doença e, consequentemente, deixam de ser transmissores do vírus.

Em relação à imunidade cruzada, com o decorrer do tempo as pessoas poderiam voltar a ser infetadas, mas a grande maioria iria desenvolver sintomas ligeiros semelhantes a uma gripe comum.

Este fato teria grande impacto na capacidade de resposta por parte do Serviço Nacional de Saúde. Seria igualmente importante perceber até que ponto existe imunidade pré-adquirida na população.

A resposta a estas questões torna-se crucial para o desenvolvimento de uma vacina, bem como para a tomada de medidas de controlo da pandemia.

TESTES SEROLÓGICOS E A IMUNIDADE À COVID-19

Teste serológico COVID-19

Através de testes serológicos à COVID-19, é possível saber se a pessoa foi portadora do vírus e se desenvolveu resposta imunitária. Este teste deverá ser realizado 5 a 10 dias após confirmação de infeção, para que o organismo desenvolva anticorpos (imunoglobulinas M e G (IgM e IgG)) e os seus níveis sanguíneos detetados.

Relativamente aos níveis de imunoglobulinas no sangue, sabe-se que (4):

  • Apenas a IgM é detetada – Estamos perante uma fase bastante precoce da infeção
  • A IgM e a IgG são detectadas em simultâneo – indica que estamos perante uma fase intermédia da infeção
  • Apenas a IgG é detetada – indica que a pessoa recuperou da doença. No entanto, no caso da COVID-19, ainda não existe informação sobre quais os níveis necessários desta substância para atestar a imunidade adquirida
Malnutrição do doente crítico por COVID-19: Médico com resultado de análise serológica na mão
Veja também Testes de imunidade para a COVID-19: o que são e como podem ajudar

Avaliação Vida Ativa: Impreciso

Até à data, não existe evidência científica que sustente a teoria de pessoas curadas pela COVID-19 serem imunes à doença. Importa clarificar a possibilidade de desenvolver imunidade parcial e cruzada ao SARS-CoV-2. A existir, teria grande impacto na dinâmica epidemiológica da doença, assim como no desenvolvimento de uma vacina. Existe portanto a necessidade de novos estudos na comunidade científica, pelo que as próximas semanas serão determinantes para esclarecer estas questões.

Enquanto sociedade, devemos adequar os nossos comportamentos e cumprir as diretivas da Direção Geral da Saúde. Só assim será possível evitar uma segunda vaga de COVID-19.

Fontes

  1. Grifoni, A., et al. (2020). Targets of T cell responses to SARS-CoV-2 coronavirus in humans with COVID-19 disease and unexposed individuals. Cell. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.cell.2020.05.015
  2. Wu, Li-Ping., et al. (2007). Duration of Antibody Responses after Severe Acute Respiratory Syndrome. Emerging Infectious Diseases, 13(10), 1562-1564. Disponível em: https://wwwnc.cdc.gov/eid/article/13/10/07-0576_article
  3. Bao, L., et al. (2020). Reinfection could not occur in SARS-CoV-2 infected rhesus macaques. bioRxiv preprint. Disponível em: https://www.biorxiv.org/content/10.1101/2020.03.13.990226v1.full.pdf
  4. MedTech Europe (2020). What Types of Diagnostic Tests Exist to Detect COVID-19? Disponivel em: https://www.medtecheurope.org/wp-content/uploads/2020/04/MedTechEurope-IVD-covid19tests-10042020.pdf
Veja também

A não esquecer

A informação disponibilizada no Vida Ativa não substitui o diagnóstico, tratamento ou acompanhamento por um profissional de saúde ou do exercício físico. Os conteúdos do Vida Ativa são de carácter meramente informativo e estão em constante atualização. Caso queira reportar algum erro ou melhoria, por favor contacte-nos através do e-mail: sugestõ[email protected]