Psicóloga Ana Graça
Psicóloga Ana Graça
28 Dez, 2020 - 09:14

Perfecionismo: como combater a busca exagerada pela perfeição?

Psicóloga Ana Graça

Há uma grande diferença entre a busca saudável pela excelência e a busca prejudicial pela perfeição. Vamos saber mais sobre o perfecionismo.

Perfecionismo: mulher em teletrabalho

Perfecionismo, no dicionário, tendência a procurar exageradamente a perfeição. Muitas vezes confundido com “ser perfeito” ou “fazer algo na perfeição”. Será uma coisa boa ou algo negativo? Vamos descobrir!

O que é o perfecionismo?

Como manter a motivação em teletrabalho

O perfecionismo pode ser útil e ao mesmo tempo inútil. Pode permitir estabelecer metas e objetivos importantes, pode garantir uma sensação de realização quando estes são atingidos, mas pode também colocar demasiada pressão, influenciar negativamente a autoestima e causar culpa e frustração quando as coisas não correm na perfeição.

Não se trata de ser perfeito até porque dificilmente alguém consegue ser 100% perfeito. Mas então, o que é o perfecionismo? Podemos defini-lo da seguinte forma:

  1. Consiste na busca incansável por padrões extremamente elevados e pessoalmente exigentes.
  2. No julgamento da autoestima tendo por base a capacidade em alcançar esses padrões implacáveis.
  3. Caracteriza-se por continuar a procurar alcançar padrões exageradamente altos mesmo após experimentar as consequências negativas que daí podem advir.

Ter padrões elevados, definir metas e objetivos de vida são, geralmente, coisas boas. No entanto, quando esses padrões/metas/objetivos são inatingíveis ou apenas alcançáveis com enorme custo, podem surgir consequências negativas. É nestas situações que o perfeccionismo se pode tornar um problema.

Possíveis consequências do perfecionismo

Mulher com sintomas de ansiedade social

Muitas pessoas encaram o perfecionismo apenas como algo positivo, atendendo apenas as vantagens de buscar a excelência ou ter padrões elevados. De facto, ao procurar a excelência tendemos a esforçar-nos mais, a desafiar-nos, a aprender novas habilidades/competências e, consequentemente, a ter melhores resultados.

Todavia, a busca por padrões demasiado elevados pode ser um entrave à felicidade e trazer consequências negativas, tais como:

1. Sentir-se constantemente pressionado, nervoso, tenso e stressado. Ser um perfecionista não significa apenas fazer o seu melhor, mas fazer ainda melhor do que antes e, muitas vezes, buscar um nível de desempenho mais alto do que aquilo que pode efetivamente alcançar.

2. Sentir-se vulnerável, frustrado e falhado. Atingir os objetivos propostos é a base da avaliação que o perfecionista faz de si mesmo. Não considera aceitável errar/falhar ocasionalmente e quando tal acontece avalia-se de forma muito negativa.

3. Sério prejuízo do bem-estar. A busca incessante pela perfeição e por metas cada vez mais inalcançáveis pode levar ao isolamento social, a maior frustração, preocupação, depressão, dificuldades relacionais, sintomas obsessivo-compulsivos (verificação repetida do trabalho; tempo excessivo para completar tarefas), insónia e uma sensação persistente de fracasso.

Perfecionismo: como combater a busca exagerada pela perfeição?

Homem em casa em teletrabalho

Mudar não é tarefa fácil! Se é perfecionista, é provável que defina para si mesmo padrões elevados e, por vezes, até um pouco irracionais. As seguintes estratégias pretendem ajudar a tornar-se mais realista e menos exigente consigo mesmo:

1

Dê a si mesmo permissão para cometer erros

Todos cometemos erros. Aliás, algumas das aprendizagens mais valiosas que fazemos na vida advém da visão crítica que desenvolvemos acerca dos erros que cometemos. Errar pode ser sinal de progresso, portanto, dê a si mesmo essa oportunidade.

2

Recorde as consequências negativas do perfecionismo

Os perfecionistas tendem a ser extremamente críticos consigo mesmos, especialmente nas ocasiões em que não foram capazes de cumprir os elevados padrões a que se propuseram. Essa autocrítica pode levar a que se sintam mal consigo mesmos (culpados; preocupados; deprimidos).

Outra importante consequência negativa são os comportamentos inúteis que os perfecionistas tendem a adotar para garantir que atingem as metas que fixaram para si mesmos, tais como:

  • Comportamentos que consomem demasiado tempo (por exemplo, verificação excessiva, repetição e correção, lentidão, falha em delegar, dificuldade em tomar decisões)
  • Sacrificar outras atividades importantes (por exemplo, levar trabalho para casa em vez de passar um tempo com a família)
3

Mostre-se disponível para novas experiências

Para obter mudanças ao nível do perfecionismo irá ter que mudar alguns comportamentos e mostrar-se disponível para novas experiências, como reservar tempo para relaxar ou aprender a tolerar os erros.

É natural que a simples ideia de baixar os padrões de exigência o deixe apavorado e que dedicar tempo a relaxar o deixe desconfortável, mas acredite que com a prática tudo ficará mais fácil.

4

Comprometa-se

Esta mudança não irá acontecer de um dia para o outro, requer tempo e esforço. Está preparado para assumir esse compromisso?

Fontes

  1. Fursland, A., Raykos, B. and Steele, A. (2009). Perfectionism in Perspective. Perth, Western Australia: Centre for Clinical Interventions.
Veja também