Teresa Santos
Teresa Santos
09 Jul, 2020 - 09:15

Como garantir a hidratação das mãos depois de usar álcool gel

Teresa Santos

Dermatologistas têm alertado para as consequências da excessiva desinfeção, principalmente sem a posterior hidratação das mãos. Perceba porquê.

Mulher a tratar da hidratação das mãos após utilização de álcool gel

No atual contexto de pandemia, a higienização regular das mãos apresenta-se como uma das principais medidas de prevenção do contágio pelo novo coronavírus. Com água e sabão ou com uma solução à base de álcool (SABA), a verdade é que a lavagem excessiva das mãos pode ter consequências negativas para a nossa pele, caso não haja, posteriormente, uma correta hidratação das mãos.

No geral, os dermatologistas recomendam que, sempre que possível, se lavem as mãos com água e sabão neutro. Depois, deve seguir-se uma adequada hidratação das mãos, de modo a evitar alguns problemas causados pela secura da pele, decorrente desta higienização mais frequente. Saiba como prevenir irritações nas suas mãos, conhecendo os conselhos dos especialistas.

Álcool gel e hidratação das mãos: o que dizem os especialistas

Mulher a hidratar mãos com vaselina

Organização Mundial de Saúde

Segundo a Organização Mundial de Saúde, as soluções de álcool gel, se usadas corretamente, não devem secar as mãos, nem causar ardor, pois devem conter emolientes que amaciam a pele e evitam o seu ressecamento.

Há, inclusive, estudos que referem que quem, normalmente, recorre mais a desinfetantes como o álcool gel para lavar as mãos evidencia menor irritação e secura na pele das mãos do que quem, habitualmente, higieniza as mãos com água e sabão.

As soluções de álcool gel apenas devem provocar ardor, se o indivíduo tiver algum corte ou lesão na pele, a qual deve ser protegida por um penso à prova de água, antes da desinfeção das mãos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, as dermatites causadas pelo álcool gel são muito raras (1).

Dermatologistas

Porém, muitos dermatologistas têm explicado que, se a lavagem das mãos for levada ao extremo ou em pessoas com pele mais sensível, ela pode provocar, por exemplo, eczema.

Por isso, o Grupo Português de Estudo das Dermites de Contacto (GPEDC) reuniu algumas informações sobre este tema, nomeadamente as regras a cumprir para minimizar o risco de eczema, decorrente do contacto com estas soluções desinfetantes. A divulgação destes dados tem, ainda, a chancela da Sociedade Portuguesa de Dermatologia e Venereologia (2).

Segundo o GPEDC se, por um lado, a higienização das mãos é, sem dúvida, uma das medidas mais importantes na prevenção da transmissão da COVID-19; por outro lado, uma lavagem excessiva, sobretudo sem hidratação posterior, pode ser responsável por problemas na pele das mãos, como o eczema.

Mulher com eczema nas mãos

O eczema das mãos tem como sintomas principais:

  • Prurido
  • Ardor
  • Eritema (vermelhidão)
  • Descamação
  • Fissuração

Estas irritações cutâneas podem surgir devido à secura excessiva da pele (fruto de uma higienização excessiva, por exemplo), mas também podem ser o resultado do agravamento de um problema prévio, como o eczema atópico.

Para evitar estas consequências, o GPEDC reuniu uma série de recomendações que todos devemos seguir, sobretudo durante esta fase em que a lavagem das mãos é essencial (2).

Regras para minimizar o risco de eczema, de acordo com o GPEDC

  1. Secar bem as mãos, após a sua lavagem, mas sem esfregar.
  2. Hidratar as mãos com frequência, principalmente após a sua lavagem.
  3. Optar por um creme hidratante (emoliente) simples e sem perfume.
  4. Usar sempre luvas, se utilizar produtos de limpeza antissépticos.

Nota: Em alguns casos, em que já existe eczema, pode ser necessário proceder a um tratamento. Habitualmente, esse tratamento consiste na aplicação de um dermocorticoide de média-elevada potência, durante ciclos de 1 a 2 semanas.

Cuidados a ter no uso e armazenamento do álcool gel

Homem a desinfectar as mãos

Para evitar acidentes, principalmente quem tem crianças ou animais em casa deve ter algumas precauções no modo como utiliza e guarda o álcool gel, a saber:

  • Os frascos de álcool gel devem estar sempre fora da vista e do alcance das crianças
  • O álcool gel é uma substância inflamável, por isso não a deve usar se, a seguir à sua aplicação, for cozinhar no fogão, por exemplo
  • Confira e cumpra sempre a validade e demais informações constantes no frasco do álcool gel
  • Aplique o álcool gel corretamente, com movimentos de fricção, até ficar com as mãos bem secas
  • Após higienizar as mãos com álcool gel, não toque nas mucosas, como olhos, nariz ou boca
  • Depois de higienizar as mãos com álcool gel, faça a hidratação das mãos com um creme adequado
  • Para evitar acidentes, como a inalação ou a ingestão deste produto, coloque sempre o álcool gel num recipiente devidamente identificado.

Nota: Em caso de inalação ou ingestão acidental de álcool gel, contacte de imediato o Centro de Informação Antivenenos (800 250 250).

Como lavar as mãos corretamente

Mulher a lavar as mãos com sabão

Não convém esquecer que, apesar dos possíveis danos colaterais para a nossa pele, higienizar bem as mãos é uma medida essencial para prevenir a transmissão do novo coronavírus. Porém, para lavar bem as mãos, não basta passá-las por um pouco de água.

Para a desinfeção ser realmente eficaz, é importante seguir o passo a passo amplamente divulgado pela Direção-Geral da Saúde e não demorar menos de 20 segundos nesta ação de higienização (3). Assim, deve:

  1. Molhar as mãos com água.
  2. Cobrir as mãos com sabão.
  3. Esfregar as palmas das mãos uma na outra.
  4. Unir as palmas das mãos e entrelaçar os dedos.
  5. Esfregar rotativamente os dedos e a região do pulso.
  6. Esfregar a ponta dos dedos na palma contrária.
  7. Enxaguar as mãos com água abundante.
  8. Secar bem as mãos num toalhete descartável ou numa toalha.

Quer já tenha sentido a pele das mãos mais seca, quer não tenha sentido quaisquer efeitos secundários desta higienização mais frequente, é sempre aconselhável reforçar a hidratação das mãos.

Assim, da mesma forma que transporta consigo na carteira um frasco com álcool gel, leve também um creme hidratante, de forma a não descurar a hidratação das mãos. Deste modo, será mais fácil evitar irritações cutâneas.

Se já tem algum sinal de eczema nas mãos, então deve consultar um dermatologista, pois irá precisar de aplicar cremes próprios para esse problema de pele. Siga, ainda, todas as recomendações que deixámos e proteja-se, não deixando de cuidar da sua pele!  

Fontes

  1. World Health Organization. Alcohol-Based Handrub Risks/Hazards. Disponível em: https://www.who.int/gpsc/tools/faqs/abhr2/en/
  2. Grupo Português de Estudo das Dermites de Contacto. Dermatologia e COVID-19. Eczema das mãos. Disponível em: https://www.spdv.pt/op/document/?co=1072&h=aee63&in=1
  3. Direção-Geral da Saúde. Lavagem das mãos. Disponível em: https://www.facebook.com/direcaogeralsaude/posts/3012585728764028
Veja também