Drª Patricia Azevedo | Médica Veterinária
Drª Patricia Azevedo | Médica Veterinária
18 Set, 2019 - 16:00

Hérnia inguinal em cães: em consiste este problema?

Drª Patricia Azevedo | Médica Veterinária

Uma hérnia inguinal é uma abertura na zona da virilha do animal, pela qual podem protusar órgãos. Conheça melhor este problema e proteja o seu animal.

Hérnia inguinal em cães: em consiste este problema?

A hérnia inguinal em cães, por norma é hereditária e envolve vários órgãos da cavidade abdominal. Pode ser uma situação mais ou menos grave, consoante o tamanho da hérnia e órgãos que estejam a protusar pelo orifício.

Consiste numa protusão de gordura ou outros órgãos, comummente o intestino, através do canal inguinal, na zona da virilha. O canal inguinal é um espaço pequeno no interior da parede abdominal onde nas fêmeas passa o ligamento redondo do útero e nos machos o cordão espermático. Quando este canal fica mais aberto do que o normal forma-se um espaço maior por onde podem passar órgãos e gordura.

Qual a causa de hérnia inguinal em cães?

Hérnia inguinal em cães: Basset Hound

A causa de hérnia inguinal em cães ainda não está bem estabelecida podendo existir vários fatores que predisponham o animal ao desenvolvimento deste defeito anatómico. No entanto, o mais frequente é que esteja associada a uma predisposição genética.

Também podem existir hérnias inguinais adquiridas mais tarde devido a outros fatores que não hereditários.

1. Hereditária

Algumas raças têm mais predisposição para desenvolver este defeito, como é o caso do Basset Hound, Pequinês, Border Collie e Cocker Spaniel. Cães sem raça definida ou proveniente de cruzamentos de raças também pode sofrer deste problema.

2. Adquirida

A maioria das hérnias inguinais adquiridas surgem em cadelas com cio ou prenhas, o que sugere um envolvimento hormonal no desenvolvimento de herniação.

Também se podem formar hérnias devido a traumatismos ou qualquer processo que cause fraqueza da parede abdominal. Animais obesos também têm maior predisposição para o seu desenvolvimento.

Hérnia inguinal em cães: é uma situação grave?

Dependendo do tamanho da hérnia pode haver protusão de órgãos por esse orifício. Uma vez que no interior da cavidade abdominal os órgãos estão em constante movimento, a qualquer momento algum órgão pode começar a exteriorizar-se por esse orifício.

Com o constante movimento do animal, caso algum órgão esteja no orifício pode ficar “entalado”. A esta situação se chama “estrangulamento”.

Quando ocorre estrangulamento de uma hérnia inguinal em cães, no órgão que fica “entalado” ocorre uma falta de suprimento sanguíneo ao órgão, podendo ocorrer isquémia, e uma parte do órgão não ficar viável, tornando-se numa situação de emergência médica.

O órgão que por norma é mais afetado nestas situações é o intestino, o que pode levar o animal à morte, uma vez que partes do intestino podem não ser viáveis.

Em fêmeas também pode ocorrer o aprisionamento do útero no orifício. Caso a fêmea esteja gestante pode ainda causar mais problemas pois um ou mais fetos podem ficar no orifício ou fora deste, e com o crescimento ser impossível reposicioná-los no interior da cavidade abdominal.

Como identificar uma hérnia inguinal em cães e quais os sinais clínicos?

Por norma a hérnia inguinal em cães surge como um pequeno nódulo na zona da virilha.

A consistência da hérnia pode ser mais ou menos dura, mas por norma, numa fase inicial é possível empurrar esse nódulo com o dedo sem o animal manifestar dor. Se o nódulo for maior, não for possível empurrar com o dedo ou o animal demonstrar dor ao toque pode tratar-se de uma situação mais grave que deve ser tratada com urgência.

Na maioria das vezes o animal não apresenta nenhum sintoma de hérnia, a não ser o aumento de volume na zona da virilha, que muitas vezes passa desapercebido.

Caso haja encarceramento o animal pode apresentar uma dor abdominal aguda.

Como é feito o diagnóstico de hérnia inguinal em cães?

Cão a ser tratado por causa da erliquiose canina

Normalmente, o médico veterinário consegue identificar a existência de uma hérnia inguinal em cães através do exame físico do animal. No entanto, podem ser realizados outros exames complementares para confirmar o diagnóstico e perceber a gravidade da situação.

A radiografia e a ecografia são os exames mais apropriados para identificar uma hérnia inguinal em cães. É possível também, com estes exames, saber quais os órgãos que estão encarcerados caso existam.

Tratamento de hérnia inguinal em cães

O único tratamento para este defeito é cirúrgico. O seu médico veterinário irá avaliar a gravidade da hérnia e o risco que apresenta e então ponderar se deve ser reparada cirurgicamente. No entanto, por norma, sempre que existe uma hérnia inguinal em cães, tendo em conta os seus riscos devido à sua localização, a recomendação é sempre cirúrgica.

Em caso de encarceramento de algum órgão a cirurgia passa a ser uma urgência médica e deve ser realizada de imediato.

A cirurgia passa por uma incisão na cavidade abdominal para identificar a hérnia e recolocar os órgãos no interior da cavidade abdominal. Se algum órgão estiver aprisionado deve ser avaliada a sua integridade, pois pode haver necessidade de o retirar ou retirar uma porção.

Fontes

1. Edwin, W.M. (n.d.). Unilateral Inguinal Hernia In a 5 Years Old Bitch – A case report. Disponível em:  https://profiles.uonbi.ac.ke/willymwangi/files/unilateral_inguinal_hernia_in_a_5_years_old_bitch-_a_case_report.pdf

Veja também