Catarina Milheiro
Catarina Milheiro
04 Set, 2022 - 23:33

Filhos de pais separados: 4 desafios a superar e 4 erros a evitar

Catarina Milheiro

A história dos filhos de pais separados envolve alguns desafios a superar e outros erros que se devem evitar cometer.

O divórcio é sempre um momento complicado na vida de todos os envolvidos. Paralelamente acaba também por ser um período de adaptação quer para os pais como para os filhos e toda a família que os rodeia. No entanto, e ao longo de todo o processo é extremamente importante manter toda a atenção para os filhos de pais separados. Afinal, são eles os mais afetados por toda a mudança.

E como todos sabemos, a separação pode acontecer pelos mais diversos motivos e de uma determinada forma em cada família. Mas no fundo, aquilo que realmente importa é a maturidade dos pais relativamente aos mais pequenos, que ficam normalmente confusos com a situação.

A verdade é que a mudança de hábitos, a ida para uma casa nova, a adaptação aos novos horários ou até mesmo o menor tempo que os pais passam com os filhos, são fatores que podem causar um impacto negativo na vida das crianças quando mal geridos.

Para que toda esta situação não cause danos na vida dos seus filhos, o diálogo é essencial durante todo o processo. Afinal, o único objetivo é transmitir-lhes segurança e apoio emocional.

Filhos de pais separados

4 desafios ao longo do processo

Para os filhos de pais divorciados, a separação pode significar um turbilhão de emoções complicadas de gerir e confusas até. Desde culpa, revolta, medo, insegurança ou amor, os estados emocionais podem ser vários.

E a verdade é que ao mesmo tempo, para os pais nem sempre é fácil lidar com a situação sendo que muitas vezes, no meio de um período tão conturbado como este, nem se apercebem que podem estar a fazer sofrer os mais pequenos.

Além disto, os momentos de separação e pós-separação são sempre complicados para os pais. É necessário que cada um se adapte a uma nova realidade e que se adapte às mudanças, nunca esquecendo a parte emocional.

Por isso mesmo, é crucial ser maduro o suficiente para encarar os desafios, tentando sempre minimizar os problemas entre o ex-casal de forma a promover o diálogo e uma relação saudável entre pais e filhos.

1.

Dificuldade na convivência

Se está a agora a passar por um processo de divórcio, é importante que os seus filhos não tenham contacto com discussões e desacatos.

Este tipo de momentos, quando observados pelos mais novos, pode fazer com que eles sintam a obrigação de tomar partido de um dos pais e ficarem com raiva do outro.

Para além de não ser um conflito saudável, este tipo de situações gera ansiedade, stresse e tristeza nos mais pequenos. Porque afinal, os jovens não podem sentir a dor do mais afetado, mesmo que este tenha errado significativamente com o pai ou mãe.

Outra coisa que pode dificultar a convivência entre todos é o facto de algum familiar ou até mesmo o ex-companheiro falar mal do outro em frente aos filhos. Por isso já sabe, tente evitar este tipo de acontecimentos.

2.

Conflitos na educação

Um dos maiores desafios ao longo de um divórcio é não deixar que as rivalidades pessoais interfiram nos valores que foram passados aos filhos.

Isto porque quando há conflitos na educação, criam-se dúvidas do que os mais jovens podem ou não fazer, do que está correto ou errado, provocando instabilidade e confusão mental nos filhos.

Por isso o importante é alinhar algumas regras relativamente à alimentação, uso de telemóveis ou tablets, horários para dormir e hábitos saudáveis.

3.

Insegurança dos filhos

Na vida dos filhos de pais separados o medo é algo comum – afinal, eles podem acreditar que vão deixar de ser amados por diversos motivos.

Para que a separação não abale por completo a vida das crianças, é importante que se criem novas rotinas para partilhar momentos divertidos e bonitos com cada um dos pais.

Além disto, sempre que houver festas da família na escola ou outras atividades, deve haver maturidade por parte dos pais para que se consigam juntar no mesmo espaço proporcionando um momento único e importante na vida da criança.

4.

Dividir responsabilidades

Falamos da divisão de responsabilidades não só financeiras, como também no desenvolvimento de uma rotina com os filhos.

Muitas vezes, é crucial que os pais entendam que há questões que devem ser decididas em conjunto a fim de facilitar e melhorar a vida dos mais pequenos.

Por isso já sabe, mantenha o diálogo, troque experiências e converse com o seu ex-companheiro para que os seus filhos tenham uma boa educação compartilhada.

Veja também Como apresentar um novo companheiro aos filhos? 9 dicas

4 erros que os pais devem evitar ao longo da separação

1.

Não cumprir o combinado

Se os seus filhos estavam habituados a ter os pais em casa à noite e se isso lhes dava alguma segurança, é importante que eles saibam que apesar de um dos progenitores estar noutra casa, ele estará sempre no coração e disponível para conversar.

Assim, desmarcar coisas que estavam combinadas, chegar atrasado para ir buscar o seu filho ou esquecer algo que tinha prometido pode fazer com que o jovem ou a criança se sinta insegura, perdida ou rejeitada.

2.

Deixar que os filhos se sintam culpados pela situação

São raras as separações em que os filhos não se sentem minimamente culpados pelo fim do amor dos pais. E apesar de para nós ser evidente que nada tem a ver, para os mais novos nem sempre é assim.

Por isso converse com eles e explique que ninguém tem culpa da situação e que os seus filhos são o amor eterno e mais bonito que tem na sua vida.

3.

Tentar manipular ou ser o pai preferido

O processo de separação pode fazer com que um dos pais tenha medo de perder o amor dos seus filhos e que o outro seja o preferido. Ou seja, instalam-se os ciúmes.

A verdade é que cada pai tem o seu lugar na vida da criança e não vale a pena sequer pensarmos neste tipo de questões. O importante é o bem-estar dos mais pequenos e a boa convivência entre todos.

4.

Ser demasiado permissivo

Quando nos sentimos culpados por alguma razão, o instinto é de compensarmos os nossos filhos, acabando por lhes fazer todas as vontades.

Contudo, esta falta de estrutura e de disciplina só os deixa mais inseguros, pensando que podem fazer tudo o que quiserem com o pai ou com a mãe. Assim, demonstre firmeza nas suas afirmações, mesmo que as obrigue a fazer algo que não querem: como pôr a mesa, por exemplo.

Veja também