Mónica Carvalho
Mónica Carvalho
23 Nov, 2020 - 16:06

Portugueses com nota positiva na evolução da relação altura / Índice de Massa Corporal

Mónica Carvalho

Ao longo dos últimos 35 anos, as crianças e adolescentes portugueses têm ficado mais saudáveis, com melhorias no Índice de Massa Corporal.

Menina a comer vegetais

Um estudo da revista “The Lancet”, que contou com a colaboração do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, revela que Portugal é um dos países em que crianças e adolescentes demonstram uma evolução mais positiva na relação entre altura e Índice de Massa Corporal (IMC).

Os resultados refletem a monitorização destes dados em crianças e adolescentes dos 5 aos 19 anos, entre 1985 e 2019, em 200 países e envolveu 65 milhões de participantes.

Verificaram-se, assim, ganhos na saúde dos portugueses, à semelhança do que aconteceu com crianças e jovens da Dinamarca, Polónia e Montenegro.

Na prática, registou-se um decréscimo de 8,3% no excesso de peso de crianças portuguesas dos 6 aos 9 anos, que, por sua vez, conduziram a uma melhoria do estado nutricional. Tal reflete-se na redução do risco de comorbidades e complicações em casos de doenças crónicas ou evitáveis, na idade adulta.

Doenças que se podem prevenir na infância: cuidados com a alimentação
Veja também Doenças que se podem prevenir na infância através da alimentação

A importância da alimentação saudável na infância

Pais e menina a preparar uma salada para o almoço

O trabalho publicado evidencia a importância de implementar medidas bem-sucedidas de saúde pública para a prevenção e abordagem das doenças evitáveis, na idade adulta, como a obesidade, que, quando bem executadas, podem, de facto, surtir efeitos positivos, como tão bem mostra o caso português.

Portugal tem, atualmente, crianças mais altas, menos pesadas e, como tal, com uma melhor relação entre estes dois fatores.

De acordo com o referido estudo, “todas as conclusões e constatações sobre alterações antropométricas são influenciadas pela alimentação e nutrição, incluindo o balanço energético, a adequação e a qualidade dos nutrientes especialmente dos macronutrientes (proteína e gordura) e dos micronutrientes como as vitaminas lipo ou hidrossolúveis.”

Para os resultados, foi muito importante a qualidade analítica do Departamento de Alimentação e Nutrição do INSA que, enquanto Centro Colaborativo da OMS/Europa, integra outros projetos associados ao Programa Alimentar Mundial – recentemente galardoado com o Prémio Nobel da Paz. Estas iniciativas são conducentes a melhorias no estado nutricional das crianças e jovens com repercussões altamente significativas para a saúde na idade adulta.

Fontes

  1. The Lancet: “Trajetórias de altura e índice de massa corporal de crianças e adolescentes em idade escolar de 1985 a 2019 em 200 países e territórios: uma análise conjunta de 2.181 estudos de base populacional com 65 milhões de participantes”. Disponível em: https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(20)31859-6/fulltext
  2. Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge: “Portugal entre os países com evolução mais saudável na estatura de crianças e adolescentes nos últimos 35 anos”. Disponível em: http://www.insa.min-saude.pt/portugal-entre-os-paises-com-evolucao-mais-saudavel-na-estatura-de-criancas-e-adolescentes-nos-ultimos-35-anos/
Veja também