Psicóloga Ana Graça
Psicóloga Ana Graça
28 Mai, 2019 - 16:03

Amizade tóxica: quando uma amizade nos faz mal

Psicóloga Ana Graça

Na amizade, mais do que a quantidade, importa a qualidade. Uma amizade tóxica pode ter grande influência negativa ao nível do bem-estar. Saiba mais.

Amizade tóxica: quando uma amizade nos faz mal
O artigo continua após o anúncio

São vários os amigos que vão passando pela nossa vida, ao longo das suas diferentes fases. Os amigos são essenciais e todos precisamos de os ter por perto, no entanto, há que saber distinguir uma amizade genuína de uma amizade tóxica.

A importância das relações de amizade

amizade toxica amigas a comer gelado

Os amigos de infância são inesquecíveis, os amigos da faculdade acompanham-nos até ao resto da vida e no trabalho fazemos novas amizades. Manter amizades saudáveis contribui para o nosso bem-estar, qualidade de vida, felicidade e saúde mental.

A amizade estimula a socialização e a intimidade, e inibe a solidão, a ansiedade e a depressão. Com os amigos críamos vínculos únicos e especiais e partilhamos interesses comuns e afinidades.

Os amigos são fonte de ajuda. Estão presentes no melhor e no pior e não viram a cara às nossas adversidades. Conhecem as nossas fragilidades, mesmo as mais bem escondidas, e também nos chamam à razão sempre que é preciso.

Com os amigos aprendemos a ser e a estar. Aprendemos a ter consciência do outro e das suas necessidades e fragilidades. Aprendemos a falar, a escutar e a respeitar. Mas serão todas as amizades assim tão positivas? Talvez não. Vamos tentar diferenciar uma amizade tóxica de uma amizade verdadeira!

Amizade tóxica: quando uma amizade nos faz mal

amizade toxica amiga controladora

É possível que uma amizade que começou de forma próxima e positiva se vá tornando, de forma gradual, numa amizade tóxica. Provavelmente já todos vimos uma amizade aparentemente inócua tornar-se numa amizade tóxica.

Começam a surgir comentários cáusticos, sarcásticos e depreciativos, que fazem com que o outro se sinta diminuído e magoado. As necessidades, opiniões e atitudes do outro começam a ser desvalorizadas de forma frequente e a empatia pelos problemas do outro desaparecem por completo.

Deixa de haver tempo para partilha, entreajuda, momentos de diversão e bom humor, e as confidências outrora partilhadas podem começar a ser maliciosamente partilhadas com terceiros. O trabalho e os sucessos do outro são sabotados e pode haver intenção de o deixar isolado e afastado de outras relações de amizade.

De forma simples, uma amizade tóxica é aquela em que:

  • Prevalecem os comentários depreciativos, que provocam insegurança e ansiedade;
  • Os sentimentos alheios são ignorados e reina o egocentrismo;
  • Podem existir tentativas de influenciar negativamente outros amigos, de forma a provocar isolamento e solidão;
  • Os sucessos alheios são ignorados;
  • A sabotagem ao outro e aos projetos do outro é constante;
  • É mais provável que nos façam mal do que bem;
  • Não há apoio nem ajuda nos momentos menos bons. Pelo contrário, as falhas tendem a ser evidenciadas e as críticas depreciativas e frequentes;
  • Pode haver a intenção de manipular, controlar e criar dependência no outro de forma a alcançar os próprios objetivos;
  • Apenas um dos elementos contribui para a relação de amizade. Quando os compromissos são constantemente desmarcados, as chamadas e mensagens não são devolvidas e os programas de lazer são planeados tendo em conta apenas os próprios interesses;
  • Pode haver uma tentativa de limitação da autonomia e independência alheia.

Terminar uma amizade que em tempos foi prazerosa pode ser doloroso mas, por vezes, é preciso terminar uma amizade tóxica, de forma a evitar malefícios ao nível da saúde mental e bem-estar. Nem todas as amizades nos acompanham ao longo da vida. É importante que sejamos gratos pelos bons momentos partilhados e que as adversidades vividas nos façam crescer e aprender.

Em suma…

São vários os pontos a ter em conta na hora de distinguir uma amizade tóxica de uma amizade verdadeira. Uma amizade genuína é aquela que encara o outro no seu todo, como pessoa com necessidades, vontades e emoções próprias.

É aquela amizade em que há um prazer enorme na companhia do outro. Traz crescimento, entreajuda, partilha e bem-estar. Implica a descentralização do próprio umbigo. Implica estar emocionalmente disponível para o outro, mesmo que, por vezes, implique algum sacrifício e desconforto pessoal.

Ao contrário do que acontece numa amizade tóxica, numa amizade genuína a crítica é feita com o objetivo de ajudar, de cuidar, de proporcionar mudanças positivas. É feita de forma construtiva e carinhosa.

Abandonar uma amizade tóxica é, por vezes, difícil. Muitas vezes, a vítima não tem consciência dos malefícios e mal-estar que a relação de amizade lhe está a causar. Muitas vezes, apenas em retrospetiva se apercebe dos pequenos sinais que foram sendo ignorados e que davam conta da toxicidade da relação.

Veja também: