Arroz vermelho: a sua estatina natural para controlar o colesterol

O arroz vermelho pode contribuir significativamente para a melhoria dos níveis de colesterol sanguíneo e para a prevenção de doenças cardiovasculares. Numa sociedade em que reina uma alimentação desequilibrada, esta pode ser uma excelente alternativa. Cuidar da sua saúde é fundamental e esta pode ser uma ajuda fundamental.

Arroz vermelho: a sua estatina natural para controlar o colesterol
Se ainda não conhece o arroz vermelho e os benefícios que este alimento pode trazer para a sua saúde, apresse-se!

O arroz vermelho é um tipo de arroz integral, de grão longo e rico em pigmentos naturais que lhe conferem uma cor vermelha ou acastanhada.

A sua riqueza em fibras e hidratos de carbono complexos distingue-o do arroz tradicional, tornando-o num aliado para dietas de perda de peso por promover o funcionamento do trânsito intestinal e aumentar a sensação de saciedade.

O arroz vermelho é predominante utilizado na China pela medicina tradicional chinesa, principalmente sob a forma de levedura de arroz vermelho.

Benefícios da Levedura de arroz vermelho


levedura de arroz vermelho

A levedura de arroz vermelho provém da fermentação do arroz vermelho por uma levedura específica, a Monascus purpureus.

Durante este processo de fermentação, o arroz vermelho adquire uma variedade de compostos denominados monacolinas, entre as quais a Monocolina K, a principal responsável pelo maior benefício atribuído a este alimento: a redução dos níveis de colesterol.

Com efeito, existem evidências científicas consistentes, incluindo a EFSA, que indicam que a Monocolina K influencia a síntese de colesterol a nível hepático, promovendo uma diminuição do colesterol total e do colesterol LDL (conhecido como “mau colesterol”) e, reduzindo, consequentemente a probabilidade de eventos cardiovasculares.

Este efeito deve-se à sua semelhança em termos estruturais com a lovastatina, um medicamento da família das estatinas, muito utilizado para baixar os níveis de colesterol, atuando através da inibição da ação de uma enzima importante para a produção endógena de colesterol.

Por este motivo, cada vez mais a levedura de arroz vermelho tem vindo a afirmar-se como uma alternativa eficaz no controlo das dislipidemias, sobretudo no caso de pessoas que apresentam intolerância às estatinas químicas (desde mialgias, fraqueza muscular, entre outras).

Adicionalmente, a constituição lipídica do arroz vermelho, em particular os ácidos gordos insaturados, por si só, atuam de forma positiva e sinérgica com a Monocolina K na diminuição dos níveis de colesterol e triglicerídeos.

Além deste efeito na síntese de colesterol, este arroz é também rico em antioxidantes, zinco e vitamina B6, elementos importantes para prevenir o envelhecimento celular, o cancro e doenças degenerativas, fortalecer a imunidade e melhorar o humor.

A quem se destina a levedura de arroz vermelho?


risco de colesterol

Neste sentido, a levedura de arroz vermelho destina-se, por exemplo, a pessoas com aumentos ligeiros a moderados de colesterol e/ou de risco cardiovascular, que preferem uma solução natural (em detrimento de farmacológica) para essa situação.

Todavia, é importante referir que, apesar de a levedura de arroz vermelho não apresentar efeitos adversos conhecidos, não é aconselhada a mulheres grávidas e/ou em período de amamentação, sendo também questionável o seu consumo por crianças e idosos, devido à possibilidade de efeitos secundários a nível renal.

Como consumir o arroz vermelho?


suplementacao de arroz vermelho

Apesar de ainda ser difícil de encontrar no mercado em Portugal, o arroz vermelho já começa a incluir-se nas superfícies que comercializam produtos dietéticos.

Em termos de consumo, este tipo de arroz pode ser confecionado e consumido como o arroz tradicional: essencialmente cozido ou refogado.

No entanto, é importante salientar que como este arroz tem um sabor mais intenso, deverá minimizar ou reduzir os temperos que utiliza habitualmente, nomeadamente o sal.

Além do seu consumo na forma natural, este alimento já foi isolado e concentrado sob a forma de suplemento alimentar, sendo a principal forma de consumo em Portugal.

No entanto, antes de optar pela suplementação, é importante confirmar a concentração de Monocolina K do suplemento que irá escolher: as evidências existentes indicam que a quantidade necessária para obter os resultados pretendidos é de 10mg/dia.

Por outro lado, nunca é demais relembrar que o consumo de suplementos alimentares nunca dispensa a adoção de um estilo de vida saudável, nomeadamente a prática de uma alimentação equilibrada e de exercício físico regular! Isto porque, uma alimentação rica em fibra e gordura instaurada aliada à prática de exercício físico continuam a constituir a melhor e mais natural alternativa para reduzir o colesterol.

Além disso, deve ainda pedir a opinião de um profissional de saúde, principalmente se faz alguma medicação crónica e/ou se já toma alguma estatina para baixar o colesterol.

Veja também:

Nutricionista Rita Lima Nutricionista Rita Lima

Rita Lima é nutricionista e trabalha, atualmente, nos ginásios Urban Fit de Ermesinde, Antas Prime Fitness e CulturaFit Club no Porto. Durante 2 anos colaborou no projeto Dragon Force do Futebol Clube do Porto e com o Boavista Futebol Clube. É licenciada em Ciências da Nutrição pela Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto e frequentou o Curso de Nutrição no Desporto na mesma faculdade.

Cofidis