Psicóloga Carolina Pinheiro
Psicóloga Carolina Pinheiro
13 Abr, 2020 - 06:45

7 sinais que indicam que pode ser um workaholic

Psicóloga Carolina Pinheiro

Considera-se um workaholic? Passa a maior parte do seu dia a trabalhar e, quando não está, a pensar sistematicamente no trabalho? Então, esteja atento aos sinais que se seguem.

Mulher workaholic a trabalhar no computador

Workaholismo é uma expressão americana que teve origem na palavra alcoólica (alcoólatra) que se aplica a uma pessoa viciada, não em álcool, mas em trabalho.

Perceber a barreira entre poder ser um workaholic ou simplesmente estar envolvido e motivado no seu trabalho pode ser desafiante e ser-lhe difícil de aceitar. Se é o seu caso, esteja atento ao que se segue.

o que é um workaholic?

Mulher workaholic a trabalhar fora do horário de trabalho

O termo workaholismo refere-se “a compulsão ou a necessidade incontrolável de trabalhar incessantemente” ou a um vício em trabalhar (1).

As pessoas workaholic, viciadas em trabalho, não conseguem sequer conversar ou comer tranquilamente, pois estão sistematicamente a pensar em trabalho.

Como saber se posso ser um workaholic?

Existem alguns pontos que podem ajudar a entender melhor se está a exceder os seus limites e se pode ser um workaholic. Veja o que se segue (1, 2):

  • Sente-se compelido a trabalhar por causa de pressões internas?
  • Tem pensamentos persistentes sobre o trabalho quando não está a trabalhar?
  • Trabalha além do que é razoavelmente esperado do trabalhador (conforme estabelecido pelos requisitos do trabalho ou pelas necessidades económicas básicas), apesar do potencial de consequências negativas (por exemplo, questões conjugais)?
  • Começa a trabalhar bem cedo e termina tarde todos os dias?
  • Está a tirar em média, menos de vinte dias de férias nos últimos três anos?
  • Tem o hábito de fracionar as suas férias ou adiá-las?
  • Sempre que tem oportunidade de frequentar eventos sociais, costuma falar sobre trabalho?

Se se identificou com a maioria dos aspetos mencionados sugerimos que repense o seu ritmo de trabalho. Estes comportamentos desencadeiam vários sintomas que afetam a produtividade laboral e a sua vida pessoal.

Parece existirem também alguns traços de personalidade que predispõem uma pessoa a ser um workaholic. Assim, neste sentido, pessoas com baixa auto-estima estão mais propensas a comportamentos aditivos do que outras; personalidades obsessivo compulsivas; o desejo de ser bem-sucedido, influente, capaz e ambicioso, o valor de ter auto-orientação, ou seja, ser independente e/ou até mesmo as experiências sociais e culturais de infância. Veja-se um exemplo: famílias com experiências negativas ou em que o ambiente é menos saudável, o trabalho pode ser uma forma de evitamento (3).

Workaholic ou envolvido no trabalho: descubra as diferenças

Workaholic: mulher envolvida no trabalho

Não confunda workaholismo com o envolvimento no trabalho ou o passar uma parte do dia/tempo a trabalhar. Mas como diferenciar ambas as situações?

O estar envolvido no trabalho pode ser definido como um estado mental positivo, gratificante e relacionado ao trabalho, caracterizado por vigor, dedicação e absorção. Já os workaholics não conseguem desligar-se do trabalho e pensar acima de tudo no bem-estar pessoal (1).

A diferença entre um workaholic e a pessoa que simplesmente se envolve no seu trabalho está nas motivações subjacentes a esses comportamentos (1):

  • enquanto que os trabalhadores envolvidos são motivados porque acham o seu trabalho agradável, nos workaholics a motivação é levada por um sentimento de compulsão interna ao trabalho – sentimentos esses decorrentes de trabalharem continuamente de modo exagerado.
  • Ambos parecem experimentar emoções diferentes. Os workaholics tendem a experienciar emoções mais negativas como culpa, ansiedade, hostilidade, irritação, raiva e deceção no trabalho e em casa. Já pessoas mais envolvidas no trabalho, pelo contrário, experienciam mais emoções de autoconfiança, atenção, entusiasmo e jovialidade no trabalho e em casa.

Ser workaholic tem consequências?

Se é um workaholic é importante que perceba que esse é um fenómeno que pode ter consequências negativas no seu bem-estar físico e emocional, originado, por exemplo, problemas de saúde e de relacionamento (levando algumas das vezes ao divórcio); problemas decorrentes de uma má alimentação, falta de exercício físico, afastamento do grupo de amigos, entre outros (4).

Contudo, existem alguns estudos que referem que ser um workaholic pode trazer alguns resultados positivos a curto prazo como, satisfação no trabalho e melhor desempenho e empenho no mesmo (4).

Mulher com síndrome de burnout

E no trabalho? Existem implicações?

Com o passar do tempo, a tendência de um workaholic é para o isolamento. Ao depositarem toda a sua energia no trabalho, festas e convívios em ambiente de trabalho entre funcionários são esquecidos o que faz com que as relações se tornem escassas e desgastadas (4).

Para as empresas, os workaholics até podem trazer benefícios a curto prazo, mas a longo prazo existem alguns aspetos negativos: ter mesmo de se ausentar por doença; a falta de atenção face à sobrecarga de trabalho e consequente redução da produtividade; sensação de incompetência por exceder a carga horária, gerando custos elevados pelas horas extra; redução de trabalho em equipa. E será que poderá correr o risco de entrar num estado de burnout?

Sim, a verdade é que as características são semelhantes, no sentido em que predomina também a necessidade de se fazer tudo sozinho ou mesmo a não aceitação de críticas (1, 4).

4 forma de encontrar um Equilíbrio

Corrida ao papel higiénico: família em casa durante quarentena

Se sou workaholic isso é bom, estou a zelar pela minha família, ter dinheiro extra para uma extravagância, …. Já alguma vez pensou assim?

Na verdade, um workaholic não pensa em mais nada para além do trabalho e, não raras vezes, o dinheiro extra que recebem não é aplicado em formas de lazer ou na sua qualidade de vida.

Encontrar um equilíbrio entre a vida profissional e pessoal é importante para a sua saúde mental.

Assim, ter qualidade de vida gera níveis altos de produtividade e uma vida pessoal mais satisfatória, mas para isso é importante que:

  1. Estabeleça limites no trabalho
  2. Tire tempo para si, distancie a parte profissional da parte pessoal
  3. Tenha uma vida social e faça questão de conviver em família
  4. Descanse. Durma as horas suficientes para acordar bem-disposto, sem dores de cabeça (entre 7h-8h)

Aceitar pode não ser fácil, muito menos admitir que se precisa de ajuda. Atue antes que seja tarde. Escute os sinais do seu corpo, escute as pessoas que o rodeiam e mantenha uma vida equilibrada. Se necessário, recorra a ajuda especializada.

Fontes

  1. Clark M. (2016). Workaholism: It’s not just long hours on the job. American Psychological Association. Disponível em: https://www.apa.org/science/about/psa/2016/04/workaholism
  2. Costa E. (2010). A sabedoria de equilibrar trabalho e lazer. Disponível em: https://www.psicologia.pt/artigos/ver_carreira.php?a-sabedoria-de-equilibrar-trabalho-e-lazer&id=210
  3. Soares P. & Gomes J. (2011). O excesso de trabalho mata ou dá prazer? Uma
    exploração dos antecedentes e consequentes do workaholismo.
     Acedido a 10 de março de 2020. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0874-20492011000100003
  4. Soares A. (2018). A influência do workaholismono comportamento interpessoal em empresas. Acedido a 10 de março de 2020. Disponível em: https://www.psicologia.pt/artigos/ver_artigo.php?a-influencia-do-workaholismo-no-comportamento-interpessoal-em-empresas&codigo=A1163&area=d8
Veja também