Mónica Carvalho
Mónica Carvalho
27 Jul, 2022 - 15:50

Guia de trilhos: Drave, a aldeia mágica em Arouca

Mónica Carvalho

O Trilho de Drave, local chamado de aldeia mágica, faz parte dos percursos pedestres do Geoparque de Arouca e é absolutamente inspirador.

Paisagem do trilho de Drave

Há muitas formas de nos mantermos ativos: ir ao ginásio, treinar em casa, treinar ao ar livre e fazer diferentes tipos de treino que se enquadrem com os nossos gostos e objetivos.

Se gosta de fazer caminhadas, aventurar-se por trilhos é uma excelente forma de juntar o útil ao agradável: enquanto pratica atividade física, está a conhecer paisagens incríveis que Portugal tem para oferecer.

Assim, sugerimos-lhe que percorra o Trilho de Drave, que dá acesso à aldeia de Drave, atualmente desabitada, mas com um encanto muito próprio – daí que, para muitos, esta seja considerada como aldeia mágica.

Onde fica a aldeia de Drave?

Drave pertence à rede de percursos pedestres do Geoparque de Arouca e é de fácil acesso. Trata-se de uma aldeia desabitada, localizada entre a Serra da Freita, Serra de São Macário e Serra da Arada.

Regoufe é uma aldeia de Covelo de Paivó, no município de Arouca, e a que fica mais próxima de Drave – mais propriamente a 4km, o que equivale a uma caminhada de cerca de uma hora. Poderá fazer o percurso com calma e, assim, poderá apreciar os vales e o silêncio da montanha.

Como chegar?

A sua localização é o que lhe confere o título de um dos trilhos mais míticos de Portugal e, para lá chegar, só mesmo a pé.

Poderá, então, começar em Regoufe – onde poderá estacionar o carro – partindo da capela e passando pelo meio da povoação e entrar no primeiro desvio à esquerda.

Rapidamente encontrará uma ponte sobre a Ribeira de Regoufe e aí será a parte mais difícil do trajeto: o percurso começa a subir e exige um pouco de esforço físico. Mas o facto de ser uma zona que está envolvida por Natureza, como carvalhos, eucaliptos, pinheiros e castanheiros – estes últimos bastante antigos, visível pela largura dos troncos.

O caminho de regresso é exatamente o mesmo de ida para Drave.

Que distância vai percorrer?

Vai percorrer 4 quilómetros entre a Serra da Freita e a Serra de São Macário. O trilho tem início na aldeia vizinha de Regoufe, sendo necessários mais 4 quilómetros para regressar ao ponto de partida.

Características do trilho de Drave

Ainda que o trilho seja pontualmente marcado por pequenos desníveis, com uma subida mais acentuada no início do caminho, o restante percurso é parcialmente em terra e ligeiramente pedregoso.

Qual a melhor altura do ano para visitar Drave?

A primavera e o outono são as melhores estações do ano para fazer percorrer o trilho de Drave, dado que as temperaturas mais amenas permitem fazer o percurso sem sacrifício, bem como usufruir melhor de toda a paisagem que se veste de mil cores. Se vai partir para a aventura durante o verão, certifique-se que não escolhe dias de calor extremo, evite escaldões, faça uma alimentação leve e equilibrada, e hidrate-se bem.

Em sentido contrário, nos dias de chuva deve ter cuidado com as pedras muito escorregadias.

Pontos de interesse do trilho de drave

Mullher a fazer trekking

Topo da montanha

Quando chegar ao fim da subida, ao topo, ficará altamente surpreendido pela beleza e imensidão da paisagem. Até precisará de recuperar alguns minutos, para absorver tal encanto.

Em seguida, é marcado por um mato baixo e montes ondulados, começando a ser cada vez mais visível a aldeia de Drave. Saberá que está a chegar quando o xisto começa a ser presença frequente.

Ribeira de Palhais

No final, encontrará a ribeira de Palhais que será ainda mais apreciada nos dias quentes, pois convida a mergulhos.

O que deve levar para fazer o trilho?

Equipamento desportivo: ténis, mochila, garrafa de água

Para fazer o trilho de Drave deve levar itens de comida e bebida, isto porque não há cafés nem lojas ao longo do percurso, nem na aldeia de Drave. O único café que poderá encontrar situa-se em Regoufe.

Assim, se for durante a manhã ou tarde poderá levar alguns snacks nutritivos, fáceis de comer, não perecíveis rapidamente, que não necessitem de preparação e que não se estraguem com o eventual calor, nomeadamente:

  • Fruta rica em água e hidratos de carbono simples (melão, melancia, meloa, banana, maçã, pêssego, cerejas, uvas, etc)
  • Barritas de cereais / granola / cereais integrais
  • Bolachas simples e secas (bolacha torrada, crackers, etc)
  • Ovos cozidos (desde que acondicionados termicamente)
  • Queijinhos individuais (desde que acondicionados termicamente)

Não esquecer que a hidratação é fundamental pelo que deverá garantir que leva consigo a quantidade de água necessária. Aconselhamos a levar, no mínimo, 2L por pessoa.

Se almoçar por lá, saiba que dispõe de uma vista e natureza incrível para desfrutar de um piquenique muito agradável. Mais uma vez, opte por refeições simples que possa transportar e acondicionar corretamente numa lancheira ou mochila térmicas para garantir a segurança alimentar.

como fazer um piquenique saudável: variedade de frutas e outros alimentos numa toalha no parque
Veja também Como fazer um piquenique saudável e seguro?
copos com gelo e limomada com gengibre
Veja também 5 receitas para um piquenique saudável e saboroso

Acessórios para fazer o trilho

Para fazer o percurso com toda a comodidade e segurança deve fazer-se acompanhar dos seguintes equipamentos e acessórios:

  • Mochila leve e confortável, de tamanho adequado à quantidade de coisas que levar, que não tenha um volume desmedido – deve sempre privilegiar o seu conforto;
  • Calçado que seja adequado a caminhadas de montanha, sejam sapatilhas ou botas, de acordo com o que se sentir mais confortável e que poderá encontrar em lojas de desporto. Aí, poderá experimentar diferentes modelos para perceber o que mais gosta;
  • Impermeável/capa de chuva, se houver essa previsão meteorológica;
  • Protetor solar, chapéu / boné e óculos de sol;
  • Saco para guardar o lixo;
  • Máquina fotográfica para registar os momentos mais marcantes do trilho.

Quantas calorias vai gastar a fazer o trilho de Drave?

O trilho tem 8 km (ida e volta) e pode fazer a caminhada em diferentes passadas:

  • Passada lenta – vai demorar 2h40;
  • Passada moderada – vai demorar 1h40;
  • Passada rápida – vai demorar 1h26;
  • Passada muito rápida – vai demorar 1h15.

Agora, para calcular as calorias que vai gastar a fazer este trilho, na nossa calculadora, só tem de:

  • Selecionar o seu peso;
  • Selecionar a passada da caminhada;
  • Selecionar o tempo que vai demorar a fazer a caminhada.
Calculadora de calorias gastas em exercícios

Saiba quantas calorias gasta
por atividade física

Peso (Kg)

 
 

Duração Atividade (horas)

 
 

Escolha uma actividade:

Nível estimado de calorias consumidas:

 

Nível estimado de calorias consumidas

Saiba mais sobre o trilho Regoufe – Drave

Mulher  percorrer trilho

Regoufe: um privilégio mineiro

Regoufe é uma pequena aldeia na Serra da Arada, na freguesia de Covelo de Paivó, em Arouca e significa “Rei dos Lobos”, um nome que foi deixado pelos visigodos.

Atualmente, a região vive apenas da agricultura, mas em tempos idos, esta aldeia foi bastante movimentada pelo trabalho mineiro, visto que o solo é rico em volfrâmio – material que foi exportado em grandes quantidades durante o século XX. De tal forma que durante a II Guerra Mundial a extração deste material fosse bastante significativa, para a construção de armas e munições. Como tal, o trabalho mineiro tem um forte histórico no local, tendo chegar a empregar cerca de mil pessoas, proveniente de diversos pontos ao redor de Regoufe.

Drave: um paraíso onde o tempo parou

O facto de estar rodeada de altos e imponentes montes, a aldeia de Drave parece um local mítico, de visão surpreendente, com resquícios do foi outrora.

O local não tem eletricidade, água canalizada, gás, correio, telefone e a rede de telemóvel é fraca, havendo apenas espaços que contrastam com o caiado da capela dedicada à Nossa Senhora da Saúde e com o murmúrio das águas da ribeira e o cantar dos pássaros.

Está desabitada desde 2009 e ao longo dos anos tem beneficiado da intervenção do Centro Escutista, com a reabilitação de alguns edifícios. De tal forma que Drave é a Base Nacional da IV Secção do Corpo Nacional de Escutas, “reconhecida, desde 2012, com o selo SCENES de excelência (Scout Centres of Excellence for Nature and Environment – Centros Escutistas de Excelência para a Natureza e o Ambiente), o único reconhecimento deste tipo na Península Ibérica, num total de apenas 13 centros escutistas mundiais.”

Veja também