Camila Farinhas
Camila Farinhas
02 Nov, 2020 - 09:34

Suporte Básico de Vida e COVID-19: o que mudou?

Camila Farinhas

As manobras de Suporte Básico de Vida podem ser determinantes para salvar uma vida.

Homem a fazer manobras de Suporte Básico de Vida a uma mulher inconsciente

Em situação de paragem cardiorrespiratória, o Suporte Básico de Vida pode fazer toda a diferença. Devido à pandemia, o Algoritmo de Suporte Básico de Vida sofreu algumas modificações. Neste artigo, reunimos o essencial sobre este tema e respondemos às dúvidas mais frequentes.

O que é o Suporte Básico de Vida?

Verificar batimento cardíaco de mulher inconsciente

O Suporte Básico de Vida (SBV) é um conjunto de procedimentos que tem como objetivo a recuperação da vida de uma vítima em paragem cardiorrespiratória até à chegada de ajuda especializada. Faz parte da cadeia de sobrevivência e consiste em duas ações fundamentais:

  1. Compressões torácicas (para a circulação sanguínea).
  2. Ventilações (para oxigenar aos pulmões).

As manobras de SBV podem prevenir lesões no cérebro e coração, aumentando assim a probabilidade de sobrevivência da vítima com qualidade de vida (1).

Cadeia de sobrevivência

A cadeia de sobrevivência é composta por quatro procedimentos vitais para recuperar uma vítima de paragem cardiorrespiratória:

  1. Ligar 112.
  2. Dar início às manobras de Suporte Básico de Vida (SBV).
  3. Desfibrilhação precoce (seguindo as orientações do equipamento).
  4. Suporte Avançado de Vida (SAV) precoce (conjunto de procedimentos médicos invasivos, tais como a administração de medicação, destinados à estabilização da vítima) (1).

Passos a seguir nas manobras de Suporte Básico de Vida

Regras básicas de primeiros socorros: ligar 112

O Suporte Básico de Vida deve ser efetuado sempre que a vítima estiver inconsciente e que não respire. Desta forma, as manobras de SBV adaptadas ao contexto da COVID-19 são:

  1. Verifique que não existem situações de perigo para si, para a vitima ou terceiros.
  2. Antes de se aproximar da vítima coloque a máscara (de preferência cirúrgica). Se for possível, coloque também a máscara à vítima ou uma peça de roupa que possa fazer o mesmo efeito protetor.
  3. Avalie o estado de consciência da vítima, movimentos e pulso.
  4. Se a vitima:
    • Responder: deixe-a na posição em que a encontrou desde que não implique perigo, tente averiguar o que se passou e peça ajuda se necessário. Reavalie a vítima com regularidade até à chegada de ajuda especializada;
    • Não responder: verifique o pulso. Se não estiver a respirar normalmente deve ligar de imediato 112. Tente manter a calma e responder às questões que lhe forem colocadas.
  5. Após o pedido de ajuda, comece a realizar as compressões torácicas contínuas, ajoelhando-se ao seu lado com as mãos sobrepostas e os dedos entrelaçados sob o toráx da vítima. Deve pressionar o peito da vitima pelo menos 5 a 6 cm (deve ver este a baixar) e alivie a pressão a um ritmo de 100 a 120 compressões por minuto.
  6. Se disponível, deve utilizar o desfibrilhador de acordo com as indicações que vão sendo fornecidas pelo aparelho.
  7. Caso não exista desfibrilhador disponível, deve manter as compressões até à chegada de ajuda.
  8. Se estiver acompanhado e ficar cansado/a, pode trocar com outra pessoa para que as manobras de SBV não sejam interrompidas (1, 2, 3).

Posição Lateral de Segurança

A Posição Lateral de Segurança (PLS) está indicada nas situações em que a vítima não está consciente, mas a sua respiração é eficaz ou ainda, se os sinais vitais tiverem sido restabelecidos após as manobras de SBV. Em ambos os casos, a manutenção da permeabilidade da via aérea deve ser garantida. Desta forma, a PLS:

  • Diminui o risco de aspiração de vómito
  • Previne que a queda da língua obstrua a via aérea
  • Permite a drenagem de fluidos pela boca
  • Permite a visualização do tórax
  • Em situação de trauma ou suspeita deste, a PLS está contra-indicada (1).

Como colocar a vítima em Posição Lateral de Segurança?

  1. Remova objetos estranhos ao corpo da vítima para evitar lesões (ex: óculos).
  2. Estenda cuidadosamente as pernas da vítima.
  3. Coloque o braço mais perto de si a 90º com o corpo, com o cotovelo dobrado e a palma da mão virada para cima
  4. Segure o outro braço (mais afastado) cruzando o tórax e fixe o dorso da mão na face do seu lado.
  5. Com a outra mão levante a perna do lado oposto acima do joelho dobrando-a, deixando o pé em contato com o chão.
  6. Enquanto uma mão apoia a cabeça a outra puxa a perna do lado oposto rolando a vítima para o seu lado.
  7. Estabilize a perna da vítima, para que a anca e o joelho formem ângulos de 90º.
  8. Incline a cabeça para trás assegurando a permeabilidade da via aérea.
  9. Ajuste a mão debaixo do queixo, para manter a extensão da cabeça.
  10.  Reavalie regularmente a vítima (1).

Principais dúvidas sobre o Suporte Básico de Vida

Pessoas em curso de Suporte Básico de Vida
1

Qualquer pessoa pode fazer as manobras de SBV?

Sim, desde que tenha os conhecimentos necessários. Caso esteja sozinho/a, primeiro deve pedir ajuda (ligar 122) e, em seguid,a pode iniciar as manobras de Suporte Básico de Vida, enquanto aguarda a chegada da equipa de emergência. Caso esteja acompanhado/a, um dos elementos pede ajuda (ligando 112) e o outro inicia de imediato as manobras de SBV.

2

É necessário algum curso específico? Onde o posso realizar?

Sim. Existem cursos específicos de Suporte Básico de Vida lecionados em inúmeras escolas/instituições. Deverá ter atenção se são creditadas.

3

Quais os riscos associados às manobras de SBV?

Geralmente, os riscos associados às manobras de SBV decorrem do fato de querer ajudar a vítima sem pensar nas consequências. No entanto, devem ser tidos alguns cuidados, nomeadamente:

  • Intoxicações
  • Produtos químicos/matérias perigosas
  • Acidentes de viação
4

Quais os cuidados a ter no âmbito da pandemia por COVID-19?

A pandemia levou a algumas alterações também no Suporte Básico de Vida. As evidências apontam para a probabilidade de transmissão da COVID-19 através dos aerossóis gerados pela vítima no momento em que é sujeita às compressões torácicas. Assim, no contexto atual é sugerido:

  1. Colocar o equipamento de proteção individual antes de se aproximar da vítima.
  2. Colocar, se possível, também a máscara à vítima ou uma peça de roupa que possa realizar o mesmo efeito protetor.
  3. Avaliar o estado de consciência, movimentos e pulso. Não se aplica neste contexto o VOS (Ver se o tórax expande, Ouvir a passagem do ar e Sentir a respiração).
  4. Não deve realizar ventilações (respiração boca-a-boca).
  5. Assim que possível, deve lavar as mãos com água e sabão ou solução alcoólica.
  6. Posteriormente, deve contatar a linha SNS 24 para obter informações sobre a vítima e averiguar se a mesma está ou não infetada de COVID-19 (2, 3).
5

O Suporte Básico de Vida para adultos é igual para as crianças?

Sim, o Suporte Básico de Vida para adultos pode ser usado com segurança em crianças. No entanto, é preciso salientar que existem manobras específicas para crianças adaptadas à sua idade e tamanho. Em bebés com idade inferior a 1 ano, os procedimentos são ainda mais específicos (2).

Cuidados a ter no Suporte Básico de Vida Pediátrico

A paragem cardiorrespiratória em crianças é maioritariamente de origem respiratória. Tal como nos adultos, as ventilações (respiração boca-a-boca) estão desaconselhadas, dado o perigo de contágio por COVID-19. Assim, o procedimento é o mesmo que no adulto (incluindo o uso de máscara) e deve-se adaptar as compressões ao tamanho da vítima (2):

  • Bebé até 1 ano: usar apenas 2 dedos 
  • Criança até 8 anos: usar apenas uma mão
6

Quais os cuidados a ter no SBV para grávidas?

Na mulher grávida, devem ser adotadas medidas especiais uma vez que existem duas vítimas: a mãe e o feto. As probabilidades de sobrevivência do feto, dependem do sucesso da reanimação da mãe. Assim:

  • Não se devem aplicar as compressões abdominais (manobras de desobstrução da via aérea por corpo estranho) nas grávidas em fase final da gravidez e substituir por compressões torácicas
  • Deve-se colocar uma almofada (ou semelhante) debaixo da anca direita da vítima, para que o útero seja deslocado para a esquerda (2)

Fontes

  1. Instituto Nacional de Emergência Médica (2017). Manual de Suporte Básico de Vida – Adulto. Disponível em: https://www.inem.pt/wp-content/uploads/2017/09/Suporte-B%C3%A1sico-de-Vida-Adulto.pdf
  2. Serviço Nacional de Saúde (2020). Guia de Saúde: Suporte Básico de Vida. Acedido a 30 de Outubro de 2020. Disponível em: https://www.sns24.gov.pt/guia/suporte-basico-de-vida/
  3. Conselho Português de Ressuscitação (2020). Recomendações do CPR para SBV num contexto de pandemia COVID-19. Acedido a 31 de Outubro de 2020. Disponível em: https://cpressuscitacao.pt/2020/03/23/recomendacoes-do-cpr-para-sbv-num-contexto-de-pandemia-covid-19/
Veja também