Drª Patricia Azevedo | Médica Veterinária
Drª Patricia Azevedo | Médica Veterinária
14 Jun, 2019 - 16:39

Panleucopenia em gatos: saiba tudo sobre esta doença

Drª Patricia Azevedo | Médica Veterinária

A panleucopenia em gatos é uma doença infeciosa grave que afeta os felinos. Conheça melhor esta doença e saiba o que fazer para proteger o seu amigo.

Panleucopenia em gatos: saiba tudo sobre esta doença
O artigo continua após o anúncio

A panleucopenia em gatos é uma doença facilmente transmissível que afeta todos os gatos não vacinados em especial animais debilitados e jovens. Tem uma alta taxa de mortalidade e morbilidade.

O que é a panleucopenia em gatos?

panleucopenia virus da parvovirose

É uma doença infeciosa vírica, causada pelo parvovírus felino, semelhante ao parvovírus canino responsável pela parvovirose canina.

Este vírus tem um alto tropismo, afinidade com as células intestinais e medula óssea, destruindo, assim, o intestino e células muito importantes como os glóbulos vermelhos, brancos e plaquetas.

O parvovírus felino é extremamente resistente podendo permanecer no ambiente até um ano. É também de fácil transmissão por via orofecal, ou seja, através das fezes dos gatos contaminados.

Também é possível o contágio ocorrer através de vetores, como roupa, sapatos, objetos. Daí que a transmissão seja muito fácil e mesmo gatos sem acesso ao exterior podem estar em risco.

Pode ocorrer transmissão intra-uterina, ou seja, dentro do útero da mãe. Esta forma de apresentação da doença é diferente e os gatinhos demonstram sintomas logo após o seu nascimento.

Quais os sintomas de panleucopenia em gatos?

panleucopenia em gatos gato com febre alta

Os sintomas da doença podem surgir entre 3 a 7 dias após o contágio. Podem variar consoante a via de transmissão, sendo que os sinais típicos de panleucopenia em gatos são os seguintes:

  • Vómitos;
  • Diarreia numa fase inicial sem sangue que evolui para diarreia sanguinolenta e numa fase mais avançada da doença pode até só defecar sangue;
  • Desidratação severa;
  • Febres altas;
  • Morte fulminante, em gatinhos bebés, podem morrer repentinamente sem manifestar qualquer sinal.

Nesta apresentação da doença há uma progressão dos sintomas, que evoluem de forma negativa. Consoante a idade do animal, nutrição, estado vacinal e outros fatores o prognóstico pode ser mais ou menos favorável.

O artigo continua após o anúncio

No caso da infeção ter ocorrido através da via intra-uterina, os gatinhos podem demonstrar à nascença sinais neurológicos:

  • Ataxia, descoordenação motora;
  • Movimentos exagerados;
  • Tremores;
  • Posturas corporais anormais.

Estes gatinhos irão manifestar sintomas neurológicos o resto da sua vida, no entanto, não se trata de uma doença degenerativa, ou seja, não irá evoluir progressivamente. Muitas vezes com o desenvolvimento e crescimentos dos animais acaba por atenuar e estes adaptam-se.

No entanto, em casos mais graves de incompatibilidade com a vida é possível ter que ser tomada a decisão de eutanásia.

Diagnóstico da panleucopenia em gatos

panleucopenia em gatos analises ao sangue

O diagnóstico pode ser realizado pelo médico veterinário através de análises sanguíneas e às fezes. No entanto, os sintomas são muito característicos da doença, e por norma, através dos sinais clínicos e exame físico, o médico veterinário suspeita da doença de imediato. Especialmente se se tratar de um gato não vacinado, jovem, com diarreia sanguinolenta.

Realizando um hemograma observa-se uma baixa das células da medula óssea uma vez que são destruídas pelo vírus. O animal apresenta assim uma baixa de todas as linhas celulares sanguíneas, nomeadamente glóbulos brancos, vermelhos e plaquetas.

Através de análises ao sangue ou fezes é possível fazer a deteção do vírus para confirmação de diagnóstico, o que pode ser útil em casos de surtos em gatis ou casas com vários gatos sem vacinas.

Tratamento da panleucopenia em gatos

panleucopenia em gatos gato isolado

Quando é realizado o diagnóstico de panleucopenia o gato deve ser isolado dos outros gatos, para evitar o risco de contágio. Todos os gatos com quem teve contacto devem ser vigiados e se possível testados, caso não estejam vacinados.

Esta doença não tem um tratamento específico. O que acontece é que o vírus afeta o intestino e provoca uma baixa das defesas muitos grande, levando a que o animal fique suscetível a outras infeções bacterianas.

O artigo continua após o anúncio

Assim, o tratamento é basicamente sintomático, ou seja, de acordo com os sintomas. O animal necessita de ficar hospitalizado com soro para repor os fluidos, com antibioterapia de largo espetro, medicamentos para náusea e vómito e analgésicos.

Em casos severos de destruição das células sanguíneas pode ser necessário realizar uma transfusão sanguínea. No entanto, quando chegam a este ponto mesmo com uma transfusão os danos podem já ser irreparáveis e o animal não resistir.

Saiba mais sobre dádiva de sangue nos animais aqui >>

Quanto mais velho é o gato maior a probabilidade de recuperar, no entanto pode ficar com sequelas no aparelho gastrointestinal.

Prevenção da panleucopenia em gatos

panleucopenia em gatos vacinar o gato

A única forma de prevenir a panleucopenia em gatos é através da vacinação. Gatos vacinados estão protegidos contra esta doença, e a vacinação deve ser iniciada logo aos 2 meses de idade, quando os anticorpos maternos deixam de proteger o gatinho.

Saiba mais sobre a vacinação em gatos aqui >>

O vírus da panleucopenia em gatos é altamente resistente e pode ficar no meio ambiente até 6 meses a um ano. É aconselhável que aguarde durante um período de tempo antes de adotar um gatinho bebé, caso tenha tido em casa algum gato com panleucopenia. Ou, em alternativa, receber o gato já vacinado.

Deve sempre pedir opinião ao seu médico veterinário caso tenha alguma dúvida sobre se o seu gato corre risco de contrair esta ou outra doença.

O artigo continua após o anúncio

Veja também: