Enfermeira Isabel Silva
Enfermeira Isabel Silva
14 Nov, 2022 - 11:40

Palmadas nos filhos: benéfico ou não para as crianças?

Enfermeira Isabel Silva

Educar uma criança não é tarefa fácil. Às vezes, respondemos impulsivamente com palmadas nos filhos, que têm mais contras do que prós.

Educar uma criança nem sempre é uma tarefa fácil. Existem diversas fases pelas quais as crianças passam que as tornam desobedientes, o que faz com que os pais sintam necessidade de dar umas palmadas nos filhos.

No entanto, estudos indicam que a violência não tem efeitos positivos na educação da criança – mesmo apenas umas palmadas. Estes defendem que este tipo de educação é apenas uma solução temporária para o problema (por vezes nem isso) e que podem mesmo cultivar agressividade nas crianças, fazendo com que estas possam sentir medo dos pais.

A alternativa baseia-se noutra forma de disciplina,  que consiste na educação através de reforços positivos.

Que efeito têm as palmadas nos filhos?

perturbação desafiante de oposição: criança a fazer birra

Existe um estudo realizado por especialistas nos Estados Unidos da América, que identifica os prós e os contras das palmadas nos filhos.

Os especialistas defendem que a palmada está associada a resultados negativos não intencionais nas crianças. Com este tipo de repreensão os pais procuram disciplinar os seus filhos, no entanto as palmadas não estão associadas a obediência a curto ou a longo prazo.

A conclusão deste estudo foi que quanto mais palmadas as crianças levam, maior probabilidade têm de desafiar os seus pais e de vir a ser agressivas e a ter comportamentos antissociais, dificuldades cognitivas e perturbações mentais.

O mesmo estudo também descobriu que adultos vítimas deste tipo de violência em crianças tinham mais tendência para castigar de igual modo os seus filhos.

Cerca de 80% dos pais do mundo todo utilizam este tipo de repreensão nos seus filhos – os dados são de um relatório da UNICEF. Até à data não existe nada que comprove que as palmadas nos filhos têm qualquer benefício na sua educação.

Alternativas às palmadas

Perturbação desafiante de oposição: criança a fazer birra

Segundo vários especialistas a maneira de falar pode alterar a mensagem transmitida. Através de mensagens positivas e afirmativas o nosso cérebro entende melhor o que lhe é transmitido.

Existem 7 possíveis alternativas às palmadas nos filhos.

1.

Dar tempo à criança para perceber o que fez de errado

Esta pausa baseia-se em colocar a criança num espaço onde permanece o tempo suficiente para se acalmar ou perceber o que fez de errado – “castigo”.

Geralmente o número de minutos dessa pausa é o mesmo que a idade da criança. O fato de avisar a criança que irá para o “castigo” é, por vezes, o suficiente para que esta altere o seu comportamento.

2.

Fazer uma pausa para respirar fundo

Na maioria dos casos as crianças levam uma palmada porque os pais esgotam a sua paciência.

Antes de agir dessa forma o indicado é respirar fundo, dizer à criança que se vai retirar e que quando voltar irão conversar sobre o que aconteceu. Desta forma, o adulto consegue ser mais paciente e refletir esse comportamento nas crianças.

3.

Manter a comunicação constante

As crianças nem sempre entendem bem porque é que estão a levar uma palmada.

Como alternativa, deve-se optar por conversar tranquilamente com ela, fazendo-a entender o que fez mal e como proceder corretamente numa próxima vez. A linguagem utilizada deve ser sempre adequada à idade da criança.

4.

Apresentar alternativas

Antes de optar por uma palmada, deve ser apresentada uma alternativa à criança. Pode-se optar por dizer “preferes partilhar o teu brinquedo ou não brincar mais hoje?”. Desta maneira, a criança é estimulada a fazer boas escolhas. Para além disso, torna-se mais disciplinada e obediente.

5.

Retirar privilégios

Em alternativa às palmadas, pode-se retirar privilégios às crianças. Isto é, se esta foi desobediente ficará sem ver televisão ou sem brincar com o seu brinquedo preferido.

A perda de privilégios ensina às crianças que as suas más atitudes têm consequências.

6.

Beneficiar o elogio em vez da crítica

As crianças aprendem melhor através do reforço positivo, ou seja, receberem elogios quando se portam bem. Quando recebem elogios e mimos perante um comportamento, sentir-se-ão motivadas a mantê-lo.

Esta é uma maneira positiva de definir os bons comportamentos que a criança deve adotar a longo prazo.

7.

Educação positiva

As crianças aprendem melhor através de mensagens positivas do que negativas. No entanto, a tendência dos pais é utilizar mais o “não” do que o “sim”.

Os pedidos ou ordens à criança deverão ser feitos de maneira positiva, por exemplo, “não podes comer a sobremesa enquanto não comeres a comida toda” substituir por “podes comer a sobremesa, mas primeiro tens que comer a comida toda”.

Artigo originalmente publicado em Agosto de 2017. Atualizado em Novembro de 2022.

Veja também