Danielle Paiva
Danielle Paiva
24 Fev, 2020 - 16:01

Lentes de contacto: tipos e cuidados a ter

Danielle Paiva

Está a pensar usar lentes de contacto? Saiba neste artigo quais os tipos de lentes disponíveis, quem as pode usar e quais são os principais cuidados.

Mulher a colocar lentes de contacto

As lentes de contacto assumem-se, cada vez mais, como uma alternativa ao uso de óculos graduados nos doentes com alterações na visão. Funcionam de forma idêntica aos óculos, sendo indicadas para para corrigir erros refrativos e manter a boa saúde dos olhos.

Atualmente, cada vez mais pessoas optam pelo uso de lentes de contacto em detrimento dos óculos. Seja por questões estéticas ou porque têm uma vida muito ativa que lhes exige uma flexibilidade que os óculos não permitem.

Conheça os tipos de lentes de contacto existentes e quais os principais cuidados a ter no seu uso.

Quais os tipos de lentes de contacto disponíveis?

Mulher a aplicar lentes de contacto

Existem diferentes tipos de lentes de contacto, com ou sem graduação, ou seja, terapêuticas ou cosméticas, que podem diferir no material, sendo mais ou menos rígidas, ou na frequência de substituição, de diárias a anuais.

Todas as lentes de contacto e as soluções de limpeza e desinfeção são reguladas pela Food and Drug Admnistration, nos Estados Unidos da América, e cumprem os mais altos padrões de qualidade, passando por diversos testes antes da sua inserção no mercado. Eis as opções disponíveis.

Lentes hidrófilas

As lentes hidrófilas são lentes maleáveis, fabricadas com polímetros que absorvem uma grande quantidade de água, adaptando-se totalmente ao olho. Podem ser produzidas em hidrogel ou em silicone hidrogel.

As lentes em silicone hidrogel têm uma elevada permeabilidade ao oxigénio, por isso, são mais confortáveis, garantem melhor saúde ocular e mais tempo de utilização. Podem ser diárias, semanais, quinzenais, mensais ou anuais e semestrais.

Estas lentes cobrem vários tipos de ametropias, sendo as esféricas indicadas para casos de miopia, as multifocais para compensar a visão ao perto e ao longe, e as tóricas para casos de astigmatismo.

Lentes semi-rígidas

Quando comparadas com as rígidas, as lentes semi-rígidas proporcionam um grande conforto e boa permeabilidade ao oxigénio. De substituição anual, são indicadas para casos extremos para os quais as hidrófilas não são solução, como determinados parâmetros de graduação ou em caso de queratocone (doença que faz com que a córnea adelgace, ganhado um formato idêntico ao de um cone).

Lentes rígidas permeáveis aos gases (RPG)

As lentes rígidas permeáveis aos gases são produzidas a partir da combinação de plástico e silicone, a sua consistência é semi-flexível e são menores do que a córnea. Porque se ajustam à medida do olho, permitem uma visão mais nítida, especialmente, nos casos de graus altos de astigmatismo, hipermetropia e miopia.

Podem ser de uso prolongado ou diário, sendo este facilitado porque a oxigenação é facilitada pela própria lente, permitindo que o oxigénio circule diretamente na córnea, garantindo mais proteção ao olho.

Estas lentes podem ser usadas continuamente durante a noite, no entanto, quebram ou riscam com facilidade.

Lentes híbridas

Combinam o material hidrófilo, situado no bordo da lente, com o material semi-rígido, que se encontra na zona central.

Lentes personalizadas

As lentes de cores são muito utilizadas por questões de estética, para disfarçar lesões na córnea ou alterar a coloração dos olhos (1), nos casos em que, por exemplo, um indivíduo tem olhos de cores diferentes ou no caso de anomalias causadas por acidentes.

Frequência de substituição

Há lentes descartáveis com diferentes tipos de frequências de substituição, podendo ser lentes anuais ou convencionais, mensais, trimestrais, quinzenais e diárias. O período de substituição, dependendo do tipo de lente escolhida, é o seguinte: mensal (30 dias de utilização); trimestral (90 dias de utilização); quinzenal (15 dias de utilização); diário (1 dia de utilização).

Quem pode usar lentes de contacto?

A princípio, todas as pessoas, independentemente da idade, podem utilizar lentes de contacto.

Contudo, deve sempre consultar o seu oftalmologista, para que este possa avaliar se tem perfil para utilizar esta solução ou se existe, no seu caso, alguma restrição ao uso.

Na verdade, o sucesso apenas depende da sua capacidade de aprendizagem para o manuseamento das lentes de contacto, no entanto, é expectável que o seu médico lhe dê instruções sobre o seu correcto uso.

Recomenda-se lubrificar os olhos e as lentes de contacto para aumentar o conforto durante o uso e para facilitar a colocação e a remoção das mesmas. (2)

10 cuidados para o uso de lentes de contacto

Parasitas intestinais: sintomas, prevenção e tratamento
  1. Lavar as mãos com água e sabão, secando-as antes de manusear as lentes de contacto.
  2. Armazenar as lentes na solução desinfetante recomendada e trocar a solução a cada remoção da lente.
  3. Esfregar e enxaguar as lentes antes da desinfeção.
  4. Usar as lentes de acordo com o tempo de utilização prescrito, isto é, não dormir com as lentes que são de uso diário e não dormir com as lentes de uso prolongado mais tempo do que foi prescrito.
  5. Trocar o líquido sempre que se utilizam as lentes e não colocar novo líquido sobre o usado (topping-off).
  6. Enxaguar o estojo com solução desinfetante, deixando secar ao ar. O estojo deve ser substituído a cada 3 meses de uso.
  7. Não usar água da torneira nas lentes.
  8. Não nadar ou tomar banho com lentes, a menos que sejam tomadas as devidas precauções ( como o uso de óculos de natação).
  9. Se estiver insatisfeito com as soluções de desinfeção atuais, deve discutir com o seu médico, no sentido de evitar a compra de soluções que são incompatíveis ou que possam causar sensibilidade aos conservantes.
  10. As soluções tornam-se contaminadas quando estão fora de prazo de validade, e quando estão sem tampa ou embaladas em recipientes não estéreis (1, 2).

Para além dos cuidados acima, recomenda-se lubrificar os olhos e as lentes de contacto para aumentar o conforto durante o uso e para facilitar a colocação e a remoção das mesmas. (2).

É também muito importante não exceder o tempo de uso indicado para cada tipo de lente de contacto. A substituição das lentes de contacto é essencial para garantir a continuação do uso a longo prazo.

Riscos para uso inadequado das lentes de contacto

As infecções são o principal problema e estão essencialmente relacionadas com o não seguimento das recomendações de uso, descarte das lentes e da falta de cuidados com a higiene e manutenção das lentes e do estojo.

A lente funciona como uma barreira, que dificulta a lubrificação do olho pelo que podem existir queixas relacionadas com a sensação de olho seco, pelo uso das lentes por tempo maior do que o recomendado. A solução é seguir as recomendações de uso e pingar colírio lubrificante.

Se está a considerar usar lentes de contacto, fale primeiro com o seu oftalmologista ou optometrista para que, em conjunto, encontrem a solução que melhor se adequa ao seu caso.

Fontes

  1. PEIXOTO, M. (2014). Promover o uso saudável das lentes de contacto. Universidade do Minho. Disponível em: https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/29405/1/Maria%20Francisca%20Pinto%20Peixoto.pdf
  2. Associação Americana de Optometria. Disponível em: https://www.aoa.org/documents/optometrists/CPG-19.pdf
Veja também