Nutricionista Hugo Canelas
Nutricionista Hugo Canelas
20 Jan, 2020 - 12:34

Desejos por doces durante a TPM

Nutricionista Hugo Canelas

Os desejos por doces durante a TPM são um dos sintomas mais frequentemente citados por mulheres durante o ciclo menstrual.

Mulher com desejos por doces durante a TPM

Certas partes do ciclo menstrual são acompanhadas pela vontade incontrolável para comer chocolates, gelados e outros produtos menos saudáveis.

Na verdade, estes desejos por doces durante a TPM (tensão pré-menstrual) são alvo de estudo há vários anos (1), despertando o interesse dos investigadores que tentam determinar quais as mulheres que têm estes de desejos e porquê, assim como as formas de minimizar este sintoma.

De seguida fique a saber o que é que a ciência diz acerca dos desejos por doces durante a TPM.

DESEJOS POR DOCES DURANTE A TPM: PORQUE É QUE ACONTECEM?

Desejos por doces durante a TPM: flutuações hormonais

Os desejos por doces durante a TPM são apenas um dos sintomas desta síndrome. A TPM é causada por flutuações hormonais e pela forma como estas flutuações influenciam a concentração de neurotransmissores no cérebro.

Estes sintomas são exclusivos da segunda fase do ciclo menstrual, a fase luteal, que se inicia com a libertação do óvulo e termina quando a menstruação começa (2). Surpreendentemente, estão descritos mais de 150 sintomas diferentes na TPM, desde emocionais até físicos e cognitivos (2).

Os desejos por alimentos específicos são dos sintomas mais frequentemente citados, para além das flutuações de humor, ansiedade, tensão e comportamentos depressivos. Curiosamente, está descrito que os desejos por determinados alimentos são sentidos por 97% das mulheres, independentemente do ciclo menstrual (3).

De facto, as mulheres tendem a comer mais durante a fase luteal comparativamente à fase folicular. Com ou sem diagnóstico de stress pré-menstrual, este incremento energético pode atingir as 500 calorias extra, por dia, explicando em parte o aumento de peso sentido após a menstruação (4).

Os investigadores não estão completamente seguros quanto à origem dos desejos por doces durante a TPM mas existem algumas teorias.

Na verdade, os alimentos mais frequentemente referidos pelas mulheres são os ricos em hidratos de carbono (HC), mais concretamente os doces, e os alimentos com mais gordura. Até aqui nenhuma surpresa, sendo o chocolate o campeão dos desejos por doces graças á sua combinação de açúcar e gordura (5).

Uma delas refere que estes alimentos são utilizados inconscientemente pelas mulheres como uma terapia farmacológica. Vários estudos indicam que as mulheres na fase luteal têm desejos por alimentos mais ricos em HC, comparativamente à fase folicular (6).

A ingestão de HC aumenta os níveis de serotonina, um neurotransmissor que contribui para a sensação de bem-estar geral e felicidade. Um outro estudo revela que, após aumento dos níveis de serotonina no cérebro, induzido quer pela comida quer por agentes farmacológicos, a ingestão alimentar e humor das pessoas estabilizam (7).

Outra explicação possível envolve a teoria de que as mulheres intencionalmente procuram este tipo de alimentos como forma de aumentar o conforto físico e psicológico. Os alimentos doces desempenham um papel sensorial, eliminando a sensação desconfortável de fome e promovendo uma sensação agradável pelo sabor apelativo.

De acordo com os estudos, o simples facto de pensar em determinado tipo de alimentos é o principal gatilho para ingeri-los, revelando que estes desejos não estão apenas associados á sensação de fome (8).

Outros gatilhos, como o stress ou o aborrecimento, parecem promover a procura deste tipo de alimentos, confirmando a ideia de que os alimentos conforto ajudam a mitigar os sentimentos desagradáveis, como os que caracterizam a TPM (3).

Por fim, há ainda uma forte probabilidade de os desejos por doces durante a TPM serem mediados por alterações hormonais. As mulheres têm uma forte tendência para comer mais quando os níveis de estrogénios estão baixos e os de progesterona elevados – como acontece durante a fase luteal.

O fenómeno inverso foi verificado em ratos, durante a fase folicular, quando os níveis de estrogénios são mais elevados e os de progesterona mais baixos (9). De facto, está comprovado que algumas formas de contraceção oral baseadas em análogos de progesterona aumentam mais o apetite e podem ter um efeito significativo no aumento do peso (10).

DESEJOS POR DOCES DURANTE A TPM: COMO CONTROLAR?

Alterações de estilos de vida podem ajudar a minimizar os sintomas desagradáveis na TPM. Incluir no dia-a-dia a prática de exercício físico e técnicas de relaxamento e redução do stress têm um impacto muito positivo na severidade dos sintomas (3).

Do ponto de vista da dieta, alguns pontos podem ser otimizados no sentido de combater os desejos por doces durante a TPM.

Ingestão de hidratos de carbono complexos

Alimentos que podem ajudar no tratamento das hemorroidas

Explorado o papel dos HC na libertação de serotonina e no alívio dos sintomas da TPM em geral, não é de estranhar que estes sejam o refúgio de muitas mulheres.

No entanto, o impacto nos sintomas da TPM não está exclusivamente associado aos doces, como ficou determinado por um estudo em mulheres japonesas. Neste estudo, uma alimentação mais rica em hidratos de carbono complexos (farinhas integrais, leguminosas, vegetais) parece estar associado a uma menor severidade dos sintomas da TPM (11).

Ingestão de alimentos ricos em cálcio

Alimentos para dormir bem: o papel da melatonina

Um estudo mostrou que o consumo de alimentos como leite, queijo e iogurte ajudava no inchaço abdominal, caibras, apetite e desejo por certos alimentos, provavelmente devido ao seu efeito no desequilíbrio nos níveis de serotonina (12).

Ingestão de alimentos ricos em magnésio

Desejos por doces durante a TPM: a importância da suplementação em magnésio

Alguns estudos apontam o papel do magnésio na gestão dos sintomas da TPM. Um deles refere que a suplementação com magnésio ajudou a melhorar os sintomas associados à retenção de líquidos e inchaço abdominal, com possível impacto nas alterações de humor e desejo por doces (13).

Outro mostra um efeito promissor deste mineral nas alterações de humor, alterações essas que podem estar associadas aos desejos por comer doces durante a TPM (14).

Vitamina B6 e Vitamina E

Desejos por doces durante a TPM: vitamina E

Para além do magnésio, a vitamina B6 parece ajudar no controlo dos sintomas da TPM. A suplementação com 50 mg diários de vitamina B6, associada à toma de magnésio, parece ter um efeito positivo na diminuição dos sintomas da TPM, como demostrado num estudo com 44 mulheres (15).

Em relação à vitamina E, verificou-se que doses suplementadas de 150 a 300 IU/dia podiam ser uteis no controlo dos desejos por comer doces durante a TPM (16).

Conclusão

Os desejos por comer doces durante a TPM são difíceis de controlar, uma vez que podem estar associados a fatores psicológicos e hormonais.

No entanto, é importante salientar que esta maior necessidade de comer não se deve propriamente a uma necessidade fisiológica, pelo que pode ser controlada através de alterações do estilo de vida e da manipulação de determinados aspetos da dieta.

Se nota uma dificuldade no controlo do apetite e isso se traduz em aumento do peso depois do período menstrual, pode ter chegado a altura de procurar um nutricionista que esclareça alguns dos pontos acima mencionados e que a ajuda a estabelecer um plano alimentar de forma a contrariar este fenómeno.

Fontes

  1. Morton, J. H., Additon, H., Addison, R. G., Hunt, L., & Sullivan, J. J. (1953). A clinical study of premenstrual tension. Disponível em: https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/0002937853903585
  2. BUFFENSTEIN, R. (1995). Food intake and the menstrual cycle: A retrospective analysis, with implications for appetite research. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/0031938495020039?via%3Dihub
  3. ACOG. (2015). Premesntrual Syndrome (PMS). Disponível em: https://www.acog.org/Patients/FAQs/Premenstrual-Syndrome-PMS
  4. Weingarten, H. P., & Elston, D. (1991). Food cravings in a college population. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/019566639190019O?via%3Dihub
  5. Macdiarmid, J. I., & Hetherington, M. M. (1995). Mood modulation by food: An exploration of affect and cravings in “chocolate addicts.” Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.2044-8260.1995.tb01445.x
  6. Murakami, K., Sasaki, S., Takahashi, Y., Uenishi, K., Watanabe, T., Kohri, T., … Suzuki, J. (2008). Dietary glycemic index is associated with decreased premenstrual symptoms in young Japanese women. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18359609
  7. Cohen, I. T., Sherwin, B. B., & Fleming, A. S. (1987). Food cravings, mood, and the menstrual cycle. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/0018506X87900043?via%3Dihub
  8. Wurtman, J.J. (1988). Carbohydrate craving, mood changes, and obesity. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/3045110
  9. Hill, A. J., & Heaton-Brown, L. (1994). The experience of food craving: A prospective investigation in healthy women. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/002239999490068X?via%3Dihub
  10. BLAUSTEIN, J., & WADE, G. (1976). Ovarian influences on the meal patterns of female rats. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/0031938476900640?via%3Dihub
  11. Bonny, A. E., Britto, M. T., Huang, B., Succop, P., & Slap, G. B. (2004). Weight gain, adiposity, and eating behaviors among adolescent females on depot medroxyprogesterone acetate (DMPA). Disponível em: https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S1083318804000075
  12. Derman, O., Kanbur, N. Ö., Tokur, T. E., & Kutluk, T. (2004). Premenstrual syndrome and associated symptoms in adolescent girls. Disponível em: https://www.ejog.org/article/S0301-2115(04)00243-X/fulltext
  13. Walker, A.F., et.al. (1998). Magnesium supplementation alleviates premenstrual symptoms of fluid retention. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9861593
  14. Facchinetti, F., et.al. (1991). Oral magnesium successfully relieves premenstrual mood changes. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/2067759
  15. De Souza, M. C., Walker, A. F., Robinson, P. A., & Bolland, K. (2000). A Synergistic Effect of a Daily Supplement for 1 Month of 200 mg Magnesium plus 50 mg Vitamin B6 for the Relief of Anxiety-Related Premenstrual Symptoms: A Randomized, Double-Blind, Crossover Study. Disponível em: https://www.liebertpub.com/doi/10.1089/152460900318623
  16. London, R. S., Sundaram, G. S., Murphy, L., & Goldstein, P. J. (1983). The effect of alpha-tocopherol on premenstrual symptomatology: a double-blind study. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/07315724.1983.10719916
Veja também